Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Viajar porque sim

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Qui | 02.09.21

Um roteiro no Alto Alentejo

 

Na imensidão tão plana que é o nosso Alentejo, a serra de São Mamede é a sua maior excepção. De facto, é a serra mais alta que encontramos a sul do Tejo, mas a excepcionalidade não fica por aqui, e os motivos para a visitar são mais que muitos: o seu Parque Natural, as vilas cheias de História, a gastronomia que faz crescer água na boca e conforta o estômago, as vistas que se estendem sobre muitos quilómetros de paisagem e atravessam a fronteira, e até mesmo alguns segredos surpreendentes. Neste roteiro de dois dias proponho a visita a alguns locais menos conhecidos da região em torno desta serra, sem no entanto esquecer as suas vilas mais famosas. Vamos passear?

 

Dia 1

 

Castelo de Vide → Portagem → Ammaia

 

O primeiro dia deste roteiro começa naquela que é para mim uma das vilas mais bonitas e interessantes não apenas do Alentejo, mas de todo o país: Castelo de Vide. Situada num dos extremos da Serra de São Mamede, tem origens identificadas pelo menos desde o século XIII e o seu castelo foi posto de defesa das nossas fronteiras durante largos séculos, tendo pertencido à Ordem de Avis. É, por isso mesmo, um repositório muito rico da nossa história e da nossa cultura, além de ser uma vila belíssima, tanto pelo património construído que possui como pelo seu entorno natural.

 

Mas antes de descobrirmos os segredos que o núcleo histórico de Castelo de Vide encerra, vamos primeiro vê-la de longe e de cima, subindo até à Ermida da Senhora da Penha, local de lenda e de romaria desde o século XVI, e miradouro privilegiado sobre a vila e a imensidade da região circundante.

1 Castelo de Vide.JPG

Voltamos à estrada principal. Numa das rotundas antes de entrarmos na vila, vale a pena parar junto à Fonte do Martinho. Aliás, é impossível ignorá-la, pelas suas grandes dimensões. Terá sido bem mais útil e frequentada noutros tempos, pois já aqui está desde pelo menos o século XVII e tem inclusivamente um bebedouro para animais, o que é compreensível porque esta é desde sempre a via principal que liga Castelo de Vide a Portalegre. Como maior curiosidade desta fonte temos os quatro “golfinhos” de mármore de onde sai a água.

3 Fonte do Martinho.JPG

2 Fonte do Martinho.JPG

Chegamos finalmente ao “coração” da vila, a Praça Dom Pedro V. Arejada e com muitos lugares de estacionamento, é aqui que encontramos a Câmara Municipal e a Igreja Matriz de Santa Maria da Devesa, de traça simples e sem grandes caprichos exteriores, mas imponente nas suas dimensões – é provavelmente a maior igreja de todo o Alto Alentejo.

4 Praça D. Pedro V.JPG

Seguindo para norte, entramos nas ruelas da antiga judiaria, de que ainda restam hoje vestígios importantes. Crê-se que a origem deste bairro, desenvolvido na encosta nascente da vila a partir das muralhas do castelo, terá sido um foral concedido por D. Pedro I ao seu físico (a que hoje chamaríamos médico), Mestre Lourenço, que se presume seria judeu. A comunidade judaica de Castelo de Vide cresceu sobretudo após 1497, ano em que os Reis Católicos de Espanha ordenaram a expulsão de todos os judeus que viviam nos seus territórios, muitos dos quais se refugiaram em Portugal.

5 Judiaria.JPG

O largo onde fica a Fonte da Vila é o centro radial deste bairro, e a fonte é o ex-libris de Castelo de Vide. Aproveitando as águas de uma nascente, a fonte terá sido ampliada ao longo dos tempos, datando do século XVI o essencial da forma que lhe conhecemos hoje – rectangular, ornamentada e com uma cobertura piramidal suportada por colunas de mármore.

6 Fonte da Vila.JPG

Vagueamos pelas ruas empedradas que levam ao Castelo, onde muitas casas conservam os pórticos ogivais de granito, alguns com gravações nas impostas que suportam o arco. Na esquina da Rua da Fonte com a Rua da Judiaria encontramos o edifício da antiga Sinagoga, que agora é um museu. Depois de ter servido de residência durante vários séculos, a Sinagoga foi reconstruída em 1972 de acordo com a sua traça original. As sondagens arqueológicas efectuadas durante as obras de recuperação revelaram que o edifício teve fases de ocupação distintas desde pelo menos o século XIV.

7 Judiaria.JPG

9 Sinagoga.JPG

Núcleo Museológico da Sinagoga de Castelo de Vide

www.cm-castelo-vide.pt

Rua da Judiaria, 7320-190 Castelo de Vide

Horário: Inverno 9h-13h e 14h-17h / Verão 9h-13 e 15h-18h

Contactos: telefone 245 905 154  email sociocultural.cmcv@gmail.com

8 Judiaria.JPG

Passamos as portas da muralha e entramos no bairro do Castelo. O empedrado da calçada é irregular e há muitas casas que precisam de recuperação, mas as ruas estão floridas. A Porta da Vila está guardada por dois toscos soldados medievais, talhados em madeira, que não assustam ninguém. No Salão Grande do Castelo haverá certamente uma exposição para ver, e vale a pena subir à Torre de Menagem, de onde temos uma das mais bonitas panorâmicas sobre o casario branco da vila e os seus telhados cor de tijolo.

10 Castelo.JPG

12 Castelo.JPG

11 Castelo.JPG

13 Castelo de Vide.JPG

 

Saímos de Castelo de Vide para sudeste, em direcção a Portagem. Percorridos uns 5 km, ignoramos o desvio que nos leva à localidade e continuamos pela N246-1. Este troço, popularmente conhecido como Alameda dos Freixos, é uma das estradas mais bonitas do nosso país. Ao longo de cerca de um quilómetro alinham-se, de um lado e outro da estrada, freixos com mais de 200 anos, marcados com largas faixas brancas de cal. O efeito é extraordinário, e pode ser observado com mais calma parando o carro numa das escapatórias laterais criadas para o efeito.

14 Alameda dos Freixos.JPG

 

Continuando pela estrada, a seguir a São Salvador da Aramenha encontramos um dos locais mais surpreendentes e menos conhecidos desta região: as ruínas da cidade romana de Ammaia. Desta cidade apenas existe informação que se reporta ao século II, pese embora se saiba que terá sido elevada a Civitas romana em 44 ou 45 d.C. Os estudos efectuados mostram que Ammaia era a principal cidade de uma região a sul do Tejo que se estendia por quase 4000 km2, abrangendo territórios que hoje pertencem a Portugal e a Espanha. A área potencial de escavação é enorme (cerca de 25 hectares), mas apenas uma pequena parte viu até agora a luz do dia. Embora se saiba da existência destas ruínas romanas desde o século XVI e as primeiras escavações arqueológicas tenham começado em finais do século XIX, só em 1994 é que o local recebeu protecção legal. Três anos depois foi criada a Fundação Ammaia, que gere e promove a preservação e divulgação das ruínas, bem como todo o trabalho de investigação que continua a ser levado a cabo.

 

A visita começa pelo Museu, cuja exposição permanente reúne uma grande quantidade de objectos encontrados durante as escavações efectuadas até agora, onde se inclui uma fabulosa colecção de vidros, na sua maioria intactos, e que poderiam passar perfeitamente por peças feitas em épocas recentes.

16 Ammaia.JPG

15 Ammaia.JPG

No exterior, as áreas já escavadas e expostas estão rodeadas de vegetação e só conseguimos descortiná-las com ajuda das setas identificadoras que nos orientam pelos caminhos de terra batida. Os três núcleos principais são a Porta Sul, as Termas, e o Fórum e Templo. O pouco material que foi possível pôr a descoberto é complementado por painéis com a recriação digital de cada local, tal como se supõe ter sido o seu aspecto quando a cidade era habitada. A visita às ruínas é um passeio agradável num ambiente bucólico e, se a época do ano for propícia, também muito florido.

17 Ammaia.JPG

Fundação Cidade de Ammaia

http://www.ammaia.pt/

Quinta do Deão, Estrada da Calçadinha nº4, 7330-318 S. Salvador de Aramenha - Marvão

Horário: 9h-12h30 e 14h-17h30

Contactos: telefones 245919089 / 960325331  email ammaia@ammaia.pt

 

 

Dia 2

 

Marvão → Marco → Cabeço de Vide → Vila Formosa

 

No alto da Serra de São Mamede, Marvão é um ninho de águia definido pelas muralhas espessas do seu castelo, que rivalizam em cor e resistência com o maciço granítico sobre o qual a vila se instalou – em certos sítios nem se percebe bem onde acaba a obra da natureza e começa a da mão humana. E até os restos oxidados de um canhão que em tempos defendeu a fortaleza parecem fundir-se com a pedra.

18 Marvão.JPG

19 Marvão.JPG

20 Marvão.JPG

Em Marvão ziguezagueamos pelas ruas onde o branco óptico das paredes contrasta com as cores soturnas do granito que debrua portas e janelas, trepamos à muralha para sentir a vertigem das alturas e percorrer uma parte do perímetro da vila, visitamos o Museu Municipal instalado na dessacralizada Igreja de Santa Maria, que em tempos pertenceu ao Priorado da Ordem de Malta, passamos pelo jardim onde os buxos desenham formas geométricas e os bancos convidam ao descanso, e finalmente subimos ao Castelo, posto de vigia permanente da região e fortaleza inexpugnável reforçada ao longo dos tempos desde o século XII, quando D. Afonso Henriques a conquistou aos mouros.

22 Marvão.JPG

21 Marvão.JPG

23 Marvão.JPG

Museu Municipal de Marvão

http://www.cm-marvao.pt/pt/museus/museu-municipal

Igreja de Santa Maria, Marvão

Horário: 10h-12h30 e 13h30-17h

Contactos: telefone 245909132  email museu.municipal@cm-marvao.pt

 

Castelo de Marvão

http://www.cm-marvao.pt/pt/museus/castelo

Horário: 10h-19h

Contactos: telefone 245909138  email castelo@cm-marvao.pt

 

De Marvão tomamos a estrada para Arronches e depois viramos em direcção à fronteira para ir conhecer a ponte internacional mais pequena do mundo. Une a aldeia portuguesa do Marco à espanhola El Marco, embora na realidade a localidade seja apenas uma e a língua falada dos dois lados seja o português. A dividi-la, a ribeira de Abrilongo, cuja travessia se faz por uma ponte pedonal com 6 metros de comprimento por 1,95 de largura. Os marcos fronteiriços de pedra estão lá, o “P” de um lado e o “E” do outro, mas na verdade aqui a fronteira nunca foi muito mais do que uma mera formalidade teórica, pois esta região tem sido povoada, de ambos os lados, por camponeses alentejanos.

24 Marco.JPG

 

O nosso próximo destino é a aldeia de Cabeço de Vide, famosa nos meios científicos internacionais mas praticamente desconhecida dos circuitos turísticos. Os mais de 600 metros do seu Rossio fazem dele um dos maiores (se não mesmo o maior) a sul do Tejo, e o encantador centro histórico que parte das muralhas do castelo para sul tem ruas floridas e casas com enormes chaminés tradicionais, debruadas com faixas amarelas ou azuis, várias igrejas simples, e algumas outras construções de carácter monumental.

25 Cabeço de Vide.JPG

26 Cabeço de Vide.JPG

27 Cabeço de Vide.JPG

28 Cabeço de Vide.JPG

Mas o motivo pelo qual Cabeço de Vide tem recebido atenção por parte da comunidade científica envolve as águas minerais naturais que aqui correm e cujas propriedades excepcionais são conhecidas desde há cerca de 3500 anos, pois já os romanos as utilizavam. São as águas de uma das nascentes das Termas da Sulfúrea, a cerca de 2 km da vila, que têm vindo a ser estudadas pelos investigadores, devido ao seu pH elevado e ao processo geoquímico provocado pela interacção entre essa água e os minerais presentes na rocha, o qual leva à produção de hidrogénio, fonte de vida. O complexo junto às termas inclui um parque de merendas, uma praia fluvial e outras infra-estruturas de apoio.

30 Termas Sulfúrea.jpg

29 Termas Sulfúrea.JPG

Quase ao lado das termas, a antiga estação de comboios de Cabeço de Vide fez parte do ramal ferroviário de Portalegre entre 1937 e 1990, ano em que a linha foi desactivada. Depois de algum tempo ao abandono, foi cuidadosamente recuperada e convertida em estalagem. Com mais aspecto de casa senhorial do que de estação ferroviária, é um edifício notável tanto pelas suas proporções harmoniosas como, e sobretudo, pelos lindíssimos painéis de azulejo que decoram as suas paredes e nos mostram, com execução primorosa, cenas campestres e motivos florais.

31 Antiga estação CP Cabeço de Vide.JPG

 

O último local de paragem deste roteiro, já no regresso a casa, é breve mas muito agradável. Na N369, cerca de 10 km depois de Alter do Chão, um desvio leva-nos ao parque de merendas criado junto à ponte romana de Vila Formosa. Construída no séc. I ou II d.C. sobre a ribeira de Seda, esta ponte fez parte da estrada nacional até há não muitos anos, quando foi construído um viaduto algumas centenas de metros mais ao lado. Apesar de ser uma ilustre desconhecida em termos turísticos, está classificada como monumento nacional desde 1910 e é o elemento da arquitectura civil alto-imperial mais importante do nosso país, pois pertencia à estrada que ligava Olisipo (Lisboa) a Augusta Emerita (Mérida), na época a capital da província romana da Lusitânia. É um lugar tranquilo e de grande beleza natural, onde apenas se ouvem os pássaros e a água quase parada da ribeira serve de espelho aos arcos de volta perfeita da ponte – o sítio ideal para terminar este roteiro que nos levou a conhecer alguns dos locais mais belos do Alto Alentejo.

32 Ponte romana Vila Formosa.JPG

 

(Este roteiro foi publicado pela primeira vez no website Fantastic)

 

Já seguem o Viajar Porque Sim no Instagram? É só clicar aqui ←

 

Outros posts com roteiros em Portugal:

Roteiros de fim-de-semana em Portugal

Roteiro de fim-de-semana: dois dias no Porto

Roteiro de fim-de-semana: entre a natureza e a História

Roteiro de fim-de-semana: das Terras do Demo à Serra da Estrela

Da Figueira a Aveiro, pela costa

À volta do Tejo

Regressar à pré-história no Alentejo

Um roteiro na Madeira / Itinerary in Madeira

 

Guardar no Pinterest

Um roteiro no Alto Alentejo

 

 

9 comentários

Comentar post