Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Viajar porque sim

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Qui | 06.12.18

Um roteiro na Madeira / Itinerary in Madeira

 

A primeira vez que estive na Madeira, a sensação ao sair do aeroporto foi de estranheza. Era Novembro, uma hora e meia antes em Lisboa estava praticamente Inverno mas no Funchal fazia sol, o ar estava ameno e o mar extremamente calmo. Havia vegetação por todo o lado, encostas cobertas de verde com salpicos de casas pelo meio, grandes folhas de bananeiras e palmeiras agitadas pela brisa suave, um ambiente a fazer lembrar os trópicos. E no entanto os carros tinham matrícula portuguesa, as placas de sinalização e os letreiros estavam em português, a maioria das casas tinham a traça das nossas casas… Estava em Portugal, mas ao mesmo tempo parecia-me que não estava.

 

The first time I went to Madeira, when I came out of the airport the world seemed somewhat strange. It was November and an hour and a half earlier in Lisbon it was practically winter, whereas in Funchal the weather was sunny, the air warm and the sea extremely peaceful. There was vegetation all around us, hillsides were covered in green with splashes of houses here and there, large banana leaves and palm trees were dancing to the gentle breeze and the atmosphere reminded me of the tropics. Yet cars had a Portuguese licence plate, signposts and outdoors were in Portuguese, the architectonic style of the majority of houses was that of our houses… I was in Portugal, but at the same time it seemed to me that I was not.

 

Funchal (1272).JPG

 

Com o passar dos dias e o avolumar do encantamento em que a ilha me foi enredando, essa sensação começou a desvanecer-se – talvez porque me habituei, ou talvez porque fui reconhecendo a alma portuguesa em tantos pequenos pormenores – mas nunca desapareceu por completo. Nem nesses dias, nem quando voltei para uma estadia maior, e decerto continuará presente quando lá regressar. A Madeira é uma dose de beleza concentrada em forma de ilha, onde a paisagem e o clima variam a cada meia dúzia de quilómetros, por vezes drasticamente: já saí do Funchal com um sol radioso para ir encontrar montículos de neve no Pico do Areeiro, já quase voei com a ventania na Ponta de São Lourenço, para depois encontrar uma tarde quente e calma em Santana, e precisar de vestir um casaco na frescura de Ribeiro Frio.

As the days went by and I became more and more entangled in the island’s charms, this feeling began to vanish – maybe because I got used to it, or maybe because I was recognising the Portuguese soul in so many details – but never disappeared completely. Neither during those days nor when I returned for a longer stay, and it will certainly remain when I go back some day. Madeira is a shot of beauty concentrated in the form of an island, where landscape and weather change every few kilometres, sometimes drastically: it actually happened to me leaving Funchal when the sun was shining bright and some time later finding mounds of snow at Pico do Areeiro; once I was almost swept away by strong winds at Ponta de São Lourenço, then spent a warm, soothing afternoon in Santana and later on had to put on my coat to bear the chilly atmosphere of Ribeiro Frio.

 

Apesar dos seus meros 740 km2, não se pense que é possível conhecer toda a ilha em dois ou três dias. É verdade que vamos do Funchal a Porto Moniz em 50 minutos, por oposição às 4 horas que a viagem demorava até finais do século passado. A construção de dezenas de túneis a partir dos anos 80 – até essa década os 28 túneis construídos somavam cerca de 5 km de extensão; actualmente atingem um total de 100 km, distribuídos pelo impressionante número de 180 túneis – deu tanto aos habitantes locais como aos visitantes a possibilidade de ignorarem a orografia acidentada da ilha e moverem-se de um lado para o outro com mais facilidade e maior rapidez. Mesmo assim, a Madeira tem demasiados pontos de interesse, demasiada beleza para ser vista a correr. Por isso, fica aqui uma sugestão de roteiro por alguns dos lugares imperdíveis desta ilha.

Despite the fact that its area is only 740 km2, do not think that it will be possible for you to see the whole island in two or three days. It is true that we can go from Funchal to Porto Moniz in 50 minutes, as opposed to the four hours that this journey used to take before the end of last century. The construction of dozens of tunnels which started in the 1980s – until then, all 28 tunnels that existed only totalled 5 km in length; nowadays, they are more than 100 km long, distributed among the impressive number of 180 tunnels – has given both local people and visitors the possibility of ignoring the hilly relief of the island and going from one place to another more easily and rapidly. Even so, Madeira has too many places of interest, too much beauty to be seen in a rush. Therefore, here is my suggested itinerary for visiting some of the must-see locations of this island.

 

Dia 1 / Day 1

Santa Cruz – Lido – Funchal

 

O ideal é alugar carro logo a partir do Aeroporto Cristiano Ronaldo e aproveitar para ir conhecer a pequena mas bem simpática cidade de Santa Cruz e as suas ruas divididas entre a calçada à portuguesa e a típica calçada madeirense, feita de seixos e calhaus rolados. A praia das Palmeiras e a Igreja Matriz de São Salvador, a segunda maior igreja da ilha, são de visita obrigatória.

The best option is to rent a car starting from Cristiano Ronaldo Airport and then begin your visit in the small but very pleasant town of Santa Cruz, where some streets are paved with the typical “calçada à portuguesa” (black and white cobblestones arranged in patterns) and others in the typically Madeiran fashion, with pebbles and small rounded stones. Palmeiras beach and the Mother Church of Holy Saviour, which is the second biggest church on the island, are not to be missed.

02 Santa Cruz.JPG

01 Santa Cruz.JPG

Se ficar na zona do Funchal onde se situa a maior parte dos hotéis, conhecida como Lido, depois de se instalar no hotel aproveite para dar um passeio a pé no parque junto ao complexo balnear, com os seus miradouros que oferecem diferentes perspectivas do mar e do ilhéu Gorgulho, o ex libris da zona.

If you are staying in the area of Funchal where the majority of hotels are located, known as Lido, once you have checked in at the hotel go for a walk in the park near the pool complex, where you will find viewpoints that offer different perspectives of the ocean and the Gorgulho Islet, the icon of this area.

03 Lido.JPG

Desça depois até ao centro da cidade. De caminho, no jardim do Casino Park Hotel cumprimente a estátua da Imperatriz Sissi, esculpida por Lagoa Henriques, e continue até chegar ao próprio Casino, que foi construído segundo uma ideia original de Oscar Niemeyer.

Afterwards, head into the centre of Funchal. On the way, in the garden of the Casino Park Hotel, say “hello” to the statue of Sisi, Empress of Austria, a work of the sculptor Lagoa Henriques, and continue to the Casino, built after an original design of Oscar Niemeyer.

05 Imperatriz Sissi.JPG

Cruze o Parque de Santa Catarina, entre na Avenida Arriaga e vá conhecer o pequeno mas luxuriante Jardim Municipal. Siga até ao fundo da avenida para ver a Sé Catedral e depois faça uma pausa para comer um absolutamente de-li-ci-o-so e tenríssimo prego em bolo do caco (que, como toda a gente sabe, não é um bolo mas sim um tipo de pão) na esplanada do Apolo, ali mesmo ao lado.

Cross Santa Catarina Park, follow by Avenida Arriaga and visit the small, yet luxurious, Municipal Garden. Carry on down the avenue to see the Cathedral and then take a break to taste an absolutely de-li-cious and tender “prego” (steak sandwich) in a “caco” cake (which, as everybody knows, is not a cake but rather a typical Madeiran bread) at the open esplanade of the Apolo Café, right next to the Cathedral.

07 Av. Arriaga.JPG

06 Av. Arriaga.JPG

08 Sé.JPG

09 Prego.JPG

A seguir percorra a habitualmente movimentada Avenida do Mar até ao fundo e vire à esquerda para entrar na zona velha do Funchal, agora transformada em bairro trendy, cheio de restaurantes e bares e portas coloridas. Um óptimo sítio para terminar o dia.

Then go for a stroll on the usually busy Avenida do Mar and at the end turn left to visit the Old Town of Funchal, which is now a trendy quarter with lots of restaurants, bars and coloured doors – an excellent place to finish your day.

 

Dia 2 / Day 2

Mercado dos Lavradores/Farmers’ Market – Jardim Botânico da Madeira/Madeira Botanical Garden – Eira do Serrado – Curral das Freiras

 

Comece este dia de passeio num dos lugares mais emblemáticos do Funchal: o Mercado dos Lavradores. Os preços praticados são definitivamente só mesmo para turistas, mas o ambiente é um verdadeiro prazer para os sentidos, invadidos pela luz, cores, sons e cheiros deste espaço tão peculiar.

Start this second day at one of the most iconic places in Funchal: the Farmers’ Market. The prices are definitely for tourists, but the atmosphere is a true pleasure for the senses, which are invaded by the light, colours, sounds and smells of this very peculiar place.

10 Mercado dos Lavradores.png

11 Mercado dos Lavradores.jpg

Ainda na cidade, siga para o Jardim Botânico, outro local onde os sentidos vão continuar em festa. São 50.000 m2 de área ajardinada para percorrer entre cerca de 3.000 espécies vegetais, originárias de muitos pontos do globo e divididas em várias zonas distintas, com particular destaque para os jardins coreografados. Situado a uma cota que vai dos 150 aos 300 metros de altitude, o jardim oferece ainda a quem o visita algumas das vistas mais bonitas sobre a cidade do Funchal e o Atlântico.

While still in town, go to the Botanical Garden, another venue where your senses will continue to party. Fifty thousand square metres of gardens where you will wander amidst 3,000 plant species coming from many places around the world and divided into several different areas, the choreographed gardens being of particular interest. Located at an altitude of 150-300 metres, this garden offers to its visitors some of the most beautiful views over Funchal and the Atlantic Ocean.

12 Jardim Botânico.jpg

13 Jardim Botânico.png

O destino seguinte, apenas 12 quilómetros mais a norte, também nos oferece uma vista impressionante mas não sobre o mar. Imprópria para quem tiver vertigens, a varanda do miradouro da Eira do Serrado ergue-se no vazio a mais de 500 metros de altura sobre o vale onde se abriga a aldeia do Curral das Freiras, no coração montanhoso da ilha da Madeira. A paisagem é absolutamente soberba. Depois desça até à povoação, e se o tempo estiver convidativo aproveite para se refrescar na mais recente “descoberta” da ilha: o Poço dos Chefes, uma espécie de piscina natural criada na ribeira que passa junto à aldeia.

Your next destination, which is only 12 kilometres to the north, will also reward you with an impressive view, though not over the sea. Totally unsuitable for those who do not like heights, the balcony of the viewpoint at Eira do Serrado floats on empty air more than 500 metres above the valley where the village of Curral das Freiras is nested, in the mountainous heart of Madeira Island. The scenery is absolutely stunning! Afterwards, drive down to the village and if the weather is inviting, chill out at the most recent “novelty” of the island: “Poço dos Chefes”, a sort of natural pool in the creek that runs near the village.

15 Curral das Freiras.jpg

14 Eira do Serrado.jpg

 

Dia 3 / Day 3

Machico – Prainha (Caniçal) – Ponta de S. Lourenço – Porto da Cruz – Santana – Ribeiro Frio

 

Do Funchal siga para leste até à cidade de Machico, primeira capital da Madeira e actualmente a segunda cidade mais populosa da ilha. O centro histórico é acolhedor e a zona junto ao mar é deveras agradável, com particular destaque para a praia de areia que foi criada há alguns anos.

From Funchal head east to the town of Machico, which was the first capital of Madeira and is currently the second most populated town of the island. The old quarter is welcoming and the area by the sea is truly enjoyable, particularly the sandy beach created some years ago.

16 Machico.jpg

17 Machico.JPG

18 Machico.JPG

Continuando para leste, a paisagem muda depois da passagem pelo Caniçal, trocando o verde pelas cores da terra árida. Vale a pena parar no miradouro da Prainha e descer até àquela que é uma das poucas praias de areia natural da Madeira, e uma das mais bonitas. A areia é muito escura, como é típico das areias de origem vulcânica, mas a praia está bem abrigada dos ventos fortes que normalmente assolam este extremo da ilha.

Going further to the east, the landscape changes after you leave Caniçal behind and green is replaced by the colours of dry land. It is worth stopping at the viewpoint of Prainha and going down to one of the few naturally sandy beaches in Madeira, which is also one of the loveliest. The sand is very dark, as is characteristic of sand of volcanic origin, but the beach is conveniently sheltered from the strong winds that usually affect this extremity of the island.

19 Praínha.jpg

A estrada termina na Ponta de São Lourenço, zona que constitui reserva natural. O vento e o mar esculpiram aqui belíssimas formações rochosas, cujas cores quentes contrastam com o fantástico tom verde-azul escuro do mar. A vista mais fabulosa será provavelmente a que se tem do miradouro da Ponta do Rosto: vários ilhéus pontiagudos em dégradés de cinza e ferrugem, rodeados por um anel branco espumoso, projectando-se das águas encarquilhadas pela ventania.

The road ends at Ponta de São Lourenço, an area which has been declared a natural reserve. The wind and the sea have carved beautiful rock formations here, which have warm colours that contrast with the fantastic greeny deep blue hue of the sea. The most fabulous view is probably the one we see from the viewpoint of Ponta do Rosto: several pointy islets in shades of grey and rust, surrounded by white frothy rings, projecting from the wind-rugged waters.

21 Ponta de S.Lourenço.jpg

20 Ponta de S.Lourenço.jpg

Voltando para trás pela mesma estrada, o destino seguinte fica também na costa, mas já mais para norte. Porto da Cruz reconhece-se facilmente de longe pelos 580 metros de altura da Penha d’Águia, a escarpa inconfundível que limita a localidade pelo lado oeste. Tranquila, quase sonolenta, tem uma praia de calhau rolado que é sobretudo apreciada para a prática do surf, já que para nadar é mais convidativa a piscina do Complexo Balnear quase ali ao lado. Nos arredores cultiva-se cana-de-açúcar, transformada em mel de cana no engenho que funciona em Porto da Cruz desde 1927.

Going back on the same road, your next destination is also on the coast, though further north. Porto da Cruz is easily recognisable from afar due to the 580-metre-high Penha d’Águia, the unmistakeable cliff that borders the west side of the village. Quiet and almost sleepy, it has a pebble beach particularly appreciated for surfing, given that the pool complex right next to the beach is much more inviting for a swim. There are sugar cane plantations on the outskirts, where sugar cane syrup is produced at the mill that has been operating in Porto da Cruz since 1927.

22 Porto da Cruz.jpg23 Porto da Cruz.jpg

24 Porto da Cruz.jpg

Continue para norte até Santana. Não sendo uma cidade particularmente atraente no seu todo – na minha opinião, claro… – é aqui que ainda podemos ver algumas “palhaças”, as casas triangulares com tecto de colmo tradicionais da Madeira, hoje mantidas apenas para fins turísticos. É também aqui que fica o Parque Temático da Madeira, bem concebido e interessante tanto para miúdos como para graúdos, onde se passam algumas horas agradáveis. Outro motivo de interesse é o Caminho para Todos, um percurso pedestre largo e protegido de apenas 2 km (mais outro tanto para voltar), acessível à maioria das pessoas, que começa no Pico das Pedras e vai até às Queimadas.

Proceed further north to Santana. Although not a particularly attractive town as a whole – in my opinion, of course – this is the place where we can still see a few “palhaças”, the triangular thatched-roof houses typical of Madeira, nowadays maintained only for tourism. This is also where you will find the Madeira Theme Park, well designed and interesting for both kids and grown-ups, where you can spend some enjoyable time. Another place of interest is the Caminho para Todos, a wide protected hiking trail of only 2 km (plus the same distance to go back), accessible for the majority of people, which starts at Pico das Pedras and ends at Queimadas.

25 Santana.jpg

27 Santana - Parque Temático da Madeira.JPG

26 Santana - Parque Temático da Madeira.JPG

Regresse ao Funchal pela estrada que passa por Ribeiro Frio. Este parque natural é mais uma das jóias da Madeira, um oásis verde e fresco com milhares de árvores diferentes. A primeira paragem obrigatória nesta estrada é para percorrer a Vereda dos Balcões, com menos de 3 km no total e de cujo miradouro é possível observar os vários picos da Madeira (incluindo o Ruivo e o do Areeiro). A segunda paragem faz-se um pouco mais abaixo, para conhecer o viveiro de trutas.

Go back to Funchal taking the road that crosses Ribeiro Frio. This natural park is another one of Madeira’s jewels, a green, cool oasis with thousands of different trees. The first mandatory stop on this road is to hike along the Vereda dos Balcões, which is less than 3 km long and has a viewpoint from where it is possible to see the various peaks of Madeira (including Ruivo and Areeiro). The second stop is just a little further down the road, to visit the trout fishing farm.

28 Ribeiro Frio.JPG

29 Ribeiro Frio.JPG

 

Dia 4 / Day 4

Teleférico Funchal-Monte/Funchal-Monte Cable Car – Jardim Tropical Monte Palace/Monte Palace Tropical Garden – Senhora do Monte – Pico do Areeiro

 

O passeio de hoje começa novamente no Funchal e o primeiro destino é essa maravilha que dá pelo nome de Jardim Tropical Monte Palace. Em alternativa ao carro, sugiro que faça a subida no teleférico que parte do extremo leste da Avenida do Mar: 15 minutos de viagem à suavíssima velocidade de 4 metros por segundo, vendo a cidade a desfilar sob os nossos pés, substituída depois pelo verde da encosta, e sempre com o mar como cenário de fundo.  

Today’s tour starts once again in Funchal and your first destination is a wonder that goes by the name of Monte Palace Tropical Garden. Instead of using the car, I suggest that you go up in the cable car that starts at the eastern end of Avenida do Mar: a 15-minute ride at the extremely slow speed of 4 metres per second, watching the city unfold below your feet, replaced afterwards by green slopes, always with the sea as background.

30 Teleférico do Monte.JPG

32 Funchal.jpg

31 Funchal.JPG

Já no Jardim, prepare-se para passar várias horas a percorrer os 70.000 m2 daquele que é considerado um dos mais belos jardins do mundo, entre veredas, estufas e lagos, obras de arte, exposições, peixes e aves aquáticas, painéis de azulejo e um sem-fim de outros motivos de interesse e prazer para os sentidos. Pode conhecer mais pormenores sobre o Monte Palace neste post.

In the garden, be prepared to spend several hours strolling around the 70,000 m2 of what has been considered as one of the most beautiful gardens in the world, amidst pathways, greenhouses and lakes, works of art, exhibitions, fish and waterbirds, glazed tile panels and a plethora of other things that will catch your attention and please your senses.

34 Jardins Monte Palace.JPG

35 Jardins Monte Palace.JPG

33 ardins Monte Palace.JPG

Quando finalmente decidir (relutantemente, tenho a certeza) sair deste jardim, passe pela Igreja da Nossa Senhora do Monte, erigida ali mesmo ao lado no cimo de uma escadaria, cruze o parque e depois espreite o fontanário neoclássico de mármore com a pequena imagem da santa que se encontra abrigado sob as árvores do Largo da Fonte.

When you finally decide (reluctantly, I’m sure) to leave this garden, make a stop at the Church of Our Lady of Monte, which stands nearby at the top of a stairway, then cross the park and take a look at the neoclassical marble fountain with a small statuette of the Holy Virgin, conveniently sheltered under the trees of Largo da Fonte.

36 Senhora do Monte.png

Para voltar ao Funchal pode optar novamente pelo teleférico, apanhar um autocarro perto do Largo da Fonte, ou então descer até ao Livramento nos célebres carrinhos de cesto (se achar que a experiência compensa o valor que pedem e a longa espera na fila) e depois fazer a pé ou de autocarro o resto do caminho.

To go back to Funchal you may choose the cable car again, take a bus near Largo da Fonte, or go down to Livramento on one of the famous traditional wicker basket sledges (if you decide that the experience is worth the money they charge and the long wait in the queue) and then go the rest of the way by foot or bus.

37 Funchal - Cestos.jpg

Aproveite o que lhe sobrar do dia para ir conhecer outro local emblemático da Madeira: o Pico do Areeiro. Com 1818 metros de altitude, é o terceiro pico mais alto da ilha, e o mais facilmente acessível de carro. Em dias de atmosfera limpa é possível ver dezenas de quilómetros da fabulosa paisagem em redor, e é também daqui que partem os famosos trilhos que nos levam ao Pico das Torres e ao Pico Ruivo. Antes de ir, convém perceber como é que está o tempo lá por cima, o que se consegue espreitando o link da webcam instalada no local: http://www.netmadeira.com/webcams-madeira/pico-do-arieiro.

Take the remainder of the day to visit another iconic place in Madeira: Pico do Areeiro. It is 1818 metres high, the third highest peak of the island and the most easily reached by car. When the air is clear, it is possible to see tens of kilometres of the fabulous landscape that surrounds it, and it is also here where the famous trails leading to Pico das Torres and Pico Ruivo start. Before you go, I advise you to check what the weather is like up there, which you can easily see through this link to the webcam that has been installed on site: http://www.netmadeira.com/webcams-madeira/pico-do-arieiro.

39 Pico do Arieiro.JPG

38 Pico do Arieiro.JPG

 

Dia 5 / Day 5

Cabo Girão – Fajã dos Padres – Ribeira Brava – Ponta do Sol – Madalena do Mar – Mudas (Calheta) – Jardim do Mar – Paul do Mar – Ponta do Pargo

 

O dia de hoje será dedicado a percorrer costa sul da ilha para oeste do Funchal, e a primeira paragem é no famoso Cabo Girão, um dos cabos mais altos da Europa: são 589 metros a pique sobre as fajãs e o mar, que desde há uns anos também podemos observar por baixo dos nossos pés através da plataforma de vidro construída no miradouro. Escusado será dizer que a vista que dali temos é fascinante. Sugiro depois descer até à Fajã dos Padres de teleférico, para conhecer este cantinho tranquilo e cheio de histórias.

Today you will be travelling across the island’s south coast to the west of Funchal and the first stop will be at the famous Cape Girão, one of the highest capes in Europe: 589 metres up above the “fajãs” (small plains on the toe of cliffs, formed from landslides or lava flows) and the sea, which since some years ago we have also been able to see directly underneath our feet through the glass platform built on the viewpoint. Needless to say that the view is fascinating! I suggest that afterwards you go down by cable car to Fajã dos Padres and visit this quiet corner that is full of stories.

41 Cabo Girão.JPG

42 Cabo Girão.JPG

40 Cabo Girão.JPG

Alguns quilómetros mais à frente, a Ribeira Brava é uma vila pacata e simpática. Tem ruas estreitas, uma área de esplanada junto à praia e ao forte – que se resume a uma torre circular –, uma igreja matriz, e um museu etnográfico que merece a visita.

A few kilometres further on, Ribeira Brava is a simple, friendly small town. It has narrow streets, an esplanade area next to the beach and the fort – which is nothing more than a round tower – a main church and an ethnographic museum that is worth visiting.

43 Ribeira Brava.png

Siga para a Ponta do Sol, famosa pelas suas temperaturas amenas mas também – e sobretudo! – por dela se falar na popular e divertida canção de Max, ele mesmo um madeirense. Por ser o local que beneficia de mais horas de sol na Madeira, é bastante escolhida como lugar de “veraneio”, apesar de a praia não ter qualquer tipo de areia mas sim enormes calhaus rolados.

Head to Ponta do Sol, famous for its warm temperatures but also – and especially! – because it is mentioned in a popular, amusing old song by Max, a 20th-century Portuguese singer who was born precisely on Madeira Island. Since this is the place which has the highest number of hours of sunshine in Madeira, it is particularly popular for beach holidays, although its beach has no sand whatsoever, only huge pebbles.

44 Ponta do Sol.JPG

Madalena do Mar (que é para mim a localidade com o nome mais bonito do país) é uma vila ainda mais pequena do que as suas vizinhas, mas tem um extensíssimo passeio marítimo ao longo da estreita faixa de pedras a que chamam praia, excelente para caminhar. É também a região da ilha onde se produz em maior quantidade a célebre banana da Madeira.

Madalena do Mar (which is for me the place with the most beautiful name in Portugal) is a town even smaller than its “neighbours”, but it has a very long seafront promenade parallel to a narrow strip of stones that local people call a beach, excellent for a stroll. This is also the region on the island where the well-known bananas of Madeira are produced in largest quantities.

45 Madalena do Mar.jpg

Desde que construíram uma marina e uma praia de areia clara na Calheta que esta localidade passou a atrair mais visitantes, mas a minha sugestão é que se dirija directamente para o Mudas – Museu de Arte Contemporânea da Madeira. Equilibrado numa falésia abrupta sobre o Atlântico, este edifício concebido pelo arquitecto madeirense Paulo David tem um ambiente muito especial onde imperam o sossego e a sobriedade, e é um exemplo feliz de como a arquitectura e a paisagem podem fundir-se e em conjunto contribuírem para a valorização de um local. Pela sua situação geográfica privilegiada, é também um miradouro de excelência sobre a Calheta e o mar.

Ever since a yachting marina and a white sand beach were built in Calheta, this location has been increasingly attracting more visitors, but my suggestion is that you go directly to visit Mudas, the Contemporary Art Museum of Madeira. Steadily standing on an abrupt cliff over the Atlantic Ocean, this building designed by the Madeiran architect Paulo David has a very particular atmosphere where tranquillity and sobriety are dominant, and it is a bright example of how architecture and landscape can fuse and jointly contribute to improve places. Due to its privileged geographic location, it is also an excellent viewpoint over Calheta and the sea.

48 Calheta.JPG47 Mudas.JPG

46 Mudas.JPG

Seguindo sempre junto à costa, a estrada leva-nos até Jardim do Mar e depois a Paul do Mar, duas localidades piscatórias que ainda preservam alguma da tranquilidade de quando eram de difícil acesso.

Continuing on along the coast, the road will take you to Jardim do Mar and afterwards to Paul do Mar, two fishing villages which still preserve some of their quiet atmosphere from when they were not easily reached.

49 Paul do Mar.jpg

Se ainda lhe sobrar tempo e quiser sentir-se como que no fim do mundo, faça-se à estrada sinuosa que segue para a Fajã da Ovelha e vai até à Ponta do Pargo, o extremo oeste da ilha da Madeira, assinalado a rigor pelo farol que dá pelo mesmo nome.

If you still have time and wish to feel as if you are on the edge of the world, follow the winding road that leads to Fajã da Ovelha and ends at Ponta do Pargo, the westernmost point of Madeira Island, duly marked with the lighthouse that goes by the same name.

 

Dia 6 / Day 6

Encumeada – Paul da Serra –Levada do Risco e das 25 Fontes – Porto Moniz – Véu da Noiva – São Vicente

 

A minha sugestão para o último dia deste roteiro é percorrer um dos trilhos pedestres mais bonitos da ilha da Madeira, ao qual deram o nome de Levada do Risco e das 25 fontes. Para lá chegar, escolha a estrada que passa pela Encumeada e pelo Paul da Serra, e aproveite para parar quando e onde puder. Vai ter oportunidade de ver vacas a pastar nas encostas verdejantes – e quem sabe até encontrá-las trotando calmamente pelo meio da estrada – talvez ocultadas por vezes por farrapos de nuvens brancas que vão passando abaixo do nível da estrada, empurrados pela brisa.

My suggestion for the last day of this itinerary is to hike one of the most beautiful trails in Madeira, which has been named “Levada do Risco e das 25 fontes”. To get there, choose the road that passes through Encumeada and Paul da Serra and stop the car when and where you are able to do so. You will have the opportunity to see cows grazing on the green slopes – or even find them calmly pacing in the middle of the road – maybe sometimes hidden by flakes of white clouds which fly below the level of the road, puffed by a gentle wind.

51 Encumeada.jpg

50 Encumeada.jpg

Estacione no miradouro do Rabaçal e depois desça (dois quilómetros em estrada asfaltada) até à casa de abrigo onde tem início o trilho pedestre. Na realidade, a Levada do Risco e das 25 fontes inclui dois percursos devidamente assinalados, que totalizam 10 km de comprimento e nos levam até duas espectaculares quedas de água passeando ao lado de canais de cimento, criados pelo engenho humano para neles aprisionar a água das nascentes e levá-la até onde é mais precisa.

Park the car at the viewpoint in Rabaçal and then go down (two kilometres on asphalt road) until you reach the shelter where the hiking trail begins. In fact, the trail Levada do Risco e das 25 Fontes consists of two tracks, duly marked, which total 10 km and will lead you to two spectacular waterfalls along the course of concrete ducts (the “levadas”) created by human ingenuity to capture water and convey it from springs to where it is most needed.

53 Levada do risco e das 25 fontes.jpg

52 Levada do risco e das 25 fontes.png

Depois de conhecer estas belezas do interior da Madeira, é altura de conhecer outras, bem diferentes, na costa norte da ilha. Do Rabaçal até Porto Moniz não vai demorar muito mais de meia hora, e depois vai poder descansar dentro de água nas esplêndidas piscinas naturais (já “remodeladas” para o efeito) alimentadas pela água do mar que salta sobre as rochas. Passeie pela marginal e pela outra zona de pequenas piscinas aninhadas entre as formações rochosas. Se for com crianças, o Centro de Ciência Viva é uma excelente opção para elas se divertirem, tal como o Aquário da Madeira, instalado no actual Forte de São João Baptista, reconstruído à imagem e com a pedra do anterior.

Once you have seen these beauties of Madeira’s interior, it is time for you to visit other ones, very different, on the north coast of the island. From Rabaçal to Porto Moniz you will not take much longer than half an hour and then you can rest, soaking in water, at the splendid natural pools (which have been “refurbished” for this purpose) fed by the waves that jump over the rocks. Stroll along the promenade by the sea and through the area where small pools are nested amidst the rock formations. If you are with children, the Centre of Living Science (“Centro de Ciência Viva”) is an excellent option for them to have some fun, as is the Madeira Aquarium located at São João Baptista Fort, which has been rebuilt in the image of the old fort, with the original stones.

56 Porto Moniz.jpg

55 Porto Moniz.JPG

54 Porto Moniz.JPG

Para regressar ao Funchal siga pela estrada que acompanha a costa norte, entre túneis interrompidos por troços a céu aberto e com vista para o mar. Cerca de 11 km depois, pare no estacionamento junto ao miradouro para apreciar o Véu da Noiva, uma cascata que jorra abundante e directamente para o mar.

To go back to Funchal, follow the road along the north coast, crossing tunnels sliced by open air road sections with a view to the ocean. About 11 km further on, stop at the car park by the viewpoint to gaze at Véu da Noiva, a waterfall that runs abundantly and directly to the sea.

58 Véu da Noiva.JPG

Antes do destino final, pare em São Vicente, localidade que também não é escassa em motivos de interesse, desde as grutas vulcânicas ao Núcleo Museológico Rota da Cal, passando pelo Jardim Indígena.

Before you reach your final destination, stop in São Vicente, a town where there is no shortage of places of interest, from the volcanic caves to the museum compound Rota da Cal and the Indigenous Garden.

 

 * * * * *

 

Este roteiro que sugiro é apenas um de tantos roteiros possíveis para conhecer as belezas naturais e construídas da encantadora ilha da Madeira. Muitos outros lugares há na ilha que não estão aqui mencionados e são igualmente merecedores de visita, por isso na sua viagem reserve tempo suficiente para apreciar com calma todas as surpresas – esperadas e inesperadas – que a Madeira vai certamente proporcionar-lhe.

Before you reach your final destination, stop in São Vicente, a town where there is no shortage of places of interest, from the volcanic caves to the museum compound Rota da Cal and the Indigenous Garden.

Praínha (115).jpg

  (publicado na rubrica Viagens da revista Inominável nº 16)

 

Guardar no Pinterest

Um roteiro na Madeira.jpg

 

 

 

 

11 comentários

Comentar post