Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Viajar porque sim

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Qua | 20.05.20

Roteiro de fim-de-semana: dois dias no Porto

 

A nossa cidade invicta está cada vez mais bonita e surpreendente. Sempre que a visito descubro algo que ainda não tinha visto, e mesmo assim ainda fica muito por ver. É por isso que vos proponho um roteiro para conhecerem (ou revisitarem, porque não?) o essencial da acolhedora e multifacetada cidade do Porto.

 

Dia 1

 

Vamos começar o primeiro dia bem cedo no coração da cidade, onde muitos portuenses festejam a passagem de ano e outros acontecimentos: a Avenida dos Aliados. No topo desta avenida erguem-se os lindíssimos Paços do Concelho. Sabiam que este icónico edifício começou a ser construído em 1920 mas só foi terminado em 1955? A soberba torre central tem 70 metros de altura e um relógio de carrilhão, e à frente do edifício há uma imponente estátua de bronze de Almeida Garrett, ali colocada em 1954 para comemorar o centenário da morte deste escritor portuense. Todo o conjunto arquitectónico da avenida é magnífico e continua bem preservado, apesar de grande parte dos seus edifícios mais emblemáticos estarem agora ocupados por negócios triviais.

Paços do Concelho

Avenida dos Aliados

Avenida dos Aliados

Ao fundo da avenida, já na Praça da Liberdade, não há como resistir a parar na Arcádia para comprar os famosos chocolates (fabricados artesanalmente desde 1933), ou beber um café acompanhado de um dos seus variados e deliciosos quindins ou outra gulodice no género. Afinal de contas, há que providenciar energia para os vários quilómetros que vão ser percorridos – a pé! – durante este dia.

Arcádia

 

Viramos à direita e subimos até à Igreja dos Clérigos, a obra de Nicolau Nasoni que é o ex-libris do Porto. Visita imprescindível, embora seja necessário “trepar” 225 degraus em espiral para chegar ao topo, pois é do alto dos 75 metros da sua torre de granito escuro que temos uma vista ímpar de 360 graus sobre a cidade em toda a sua extensão. A torre abriga o Museu da Irmandade dos Clérigos (a visita está incluída no bilhete), cujo diversificado património de arte religiosa remonta ao século XIII, e dá-nos também a possibilidade de ver a partir de um plano mais elevado o interior da harmoniosa igreja barroca, onde predominam o mármore rosa e a talha dourada.

2 Torre dos Clérigos

3 Igreja dos Clérigos

Torre dos Clérigos
http://www.torredosclerigos.pt/pt/
R. de São Filipe de Nery, 4050-546 Porto
Horário: 9h-19h (o horário difere nos dias 24, 25 e 31 Dezembro e no dia 1 Janeiro)
Informações: telefone 220 145 489  email: info@torredosclerigos.pt

 

Do outro lado da Praça de Lisboa há mais uma visita obrigatória: a Livraria Lello. Aqui temos de nos munir de muita paciência para enfrentarmos não uma, mas duas filas. A primeira é para comprar os bilhetes, numa loja ao lado, onde também estão os cacifos para guardar mochilas e sacos grandes (trancam com moeda, que é depois devolvida), que não são permitidos no interior da livraria. Bilhete na mão, há que esperar noutra fila até sermos autorizados a entrar, e a duração desta espera vai obviamente depender da afluência. Que é sempre muita, note-se. Longe vai o tempo em que a Lello era “simplesmente” uma maravilhosa livraria conhecida pela sua fachada neogótica e interiores revoluteantes em estilo Arte Nova, onde se inclui a famosa escadaria de madeira com os degraus revestidos a vermelho. Ainda assim, apesar de sempre a abarrotar de visitantes, continua a ter uma atmosfera especial, com as suas paredes totalmente forradas de livros e a luz filtrada pelo singular tecto em vitral.

4 Livraria Lello

5 Livraria Lello

6 Livraria Lello

Livraria Lello
https://www.livrarialello.pt/pt-pt/
Rua das Carmelitas 144, 4050-161 Porto
Horário: 9h30-19h (o horário difere nos dias 24 e 31 Dezembro; encerrada: 1 Janeiro, Domingo de Páscoa, 1 Maio, 24 Junho e 25 Dezembro)
Informações: telefone 222 002 037  email: info@livrarialello.pt

 

Virando a esquina estamos na Praça de Gomes Teixeira, com a Fonte dos Leões ao centro, o edifício Art Deco dos Armazéns Cunhas, e as interessantes igrejas gémeas dos Carmelitas Descalços e do Carmo, com a lateral desta segunda igreja revestida com um painel de azulejos em azul e branco.

Armazéns Cunhas

Igrejas gémeas dos Carmelitas Descalços e do Carmo

 

Voltamos aos Clérigos e continuamos a descer até à Rua das Flores, uma das ruas mais representativas do Porto, em tempos habitada pela aristocracia urbana da cidade, à qual se devem belos edifícios como a Casa dos Cunha Pimentel (números 2 a 12), a Casa dos Maias (números 21 a 39), a Casa dos Sousa e Silva (números 79 a 83), ou a Casa dos Constantinos (número 139).

7 Rua das Flores

 

É também nesta rua que encontramos a Igreja e Museu da Misericórdia, a nossa próxima paragem. Apesar da fachada barroca (também da autoria de Nasoni), o interior da igreja é mais “leve” do que o esperado, com as suas paredes revestidas a azulejo, as madeiras pintadas de branco com apontamentos em talha dourada, e os seus dois lustres compactos e luminosos. O Museu tem um acervo formidável que, ao contrário do que se poderia esperar, não é só de arte sacra. As várias colecções estão bem organizadas no espaço expositivo, o que faz com que a visita não se torne maçuda.

Igreja da Misericórdia

8 Igreja da Misericórdia

Museu e Igreja da Misericórdia do Porto
http://www.mmipo.pt/pt-pt/
Rua das Flores 15, 4050-265 Porto
Horário: Verão (1 Abril a 30 Setembro) 10h-18h30 / Inverno (1 Outubro a 31 Março) 10h-17h30 (encerrado: 1 Janeiro, 24 e 25 Dezembro)
Informações: telefone 220 906 960  email: geral@mmipo.scmp.pt

 

A Rua das Flores desemboca no Largo de São Domingos, em frente ao Palácio das Artes. Descendo pela Rua Ferreira Borges encontramos do lado esquerdo o Mercado com o mesmo nome, construção inconfundível em ferro fundido pintado de vermelho, que data de finais do século XIX e funciona actualmente como local de espectáculos. Do lado direito, já na Praça do Infante, o Palácio da Bolsa. Neste também emblemático edifício do Porto (não tanto pelo seu exterior mas sobretudo pelos interiores), as visitas são guiadas e há que ir à bilheteira marcar previamente a hora de entrada. O tempo de espera será certamente suficiente para visitar a famosa Igreja de São Francisco, que fica mesmo ao lado e é mais um exemplar sui generis da arquitectura religiosa da cidade. A fachada é gótica com alguns acrescentos barrocos, mas é o interior da igreja do convento que verdadeiramente nos impressiona: paredes, tectos, colunas, retábulos, tudo está completamente revestido de talha dourada – segundo consta, terão sido usados 400 quilos de ouro na decoração deste monumento nacional.

Igreja São Francisco

Igrejas e Museu São Francisco do Porto
http://ordemsaofrancisco.pt/igrejamuseu/
Rua do Infante Dom Henrique, 4050-297 Porto
Horário: Novembro a Fevereiro 9h-17h30 / Março a Junho e Outubro 9h-19h / Julho a Setembro 9h-20h
Informações: telefone 222 062 125  email: museu@ordemsaofrancisco.pt

 

Voltamos ao Palácio da Bolsa. É um edifício de estilo neoclássico, que pertence à Associação Comercial do Porto e cuja construção se iniciou em 1842 mas só ficou totalmente concluída em 1909. A decoração das várias salas e espaços de circulação no seu interior decorreu ao longo de cinquenta anos, e tudo foi concebido para impressionar quem visita a instituição – começando pela entrada, o Pátio das Nações, com a sua magnificente cúpula em ferro e vidro, e terminando no Salão Árabe, a sala mais fabulosa do Palácio (inspirada no Alhambra), uma maravilha onde foram utilizados quase vinte quilos de ouro e que demorou 18 anos a concretizar. A visita guiada demora cerca de 45 minutos.

Palácio da Bolsa

Palácio da Bolsa

Palácio da Bolsa

Palácio da Bolsa

Palácio da Bolsa - Salão Árabe

9 Palácio da Bolsa

Palácio da Bolsa
https://palaciodabolsa.com/
Rua Ferreira Borges, 4050-253 Porto
Horário: Novembro a Março 9h-13h e 14h-17h30 / Abril a Outubro 9h-18h30
Informações: telefone 223 399 013  email: turismo@cciporto.pt

 

O que sobrar do dia vamos passá-lo nas margens do Douro. Descemos à Ribeira, com as suas casas recuperadas e pintadas de cores garridas e sempre fervilhante de gente. Atravessamos o rio pelo tabuleiro inferior da Ponte Luiz I e continuamos pelo Cais de Gaia, observando as gaivotas e o movimento dos barcos rabelo, hoje em dia atarefados a passear turistas ou ancorados para fins decorativos, espreitamos na Rua Dom Afonso III o “Coelho” de Bordalo II, e finalmente instalamo-nos numa esplanada para descansar, enquanto tomamos um aperitivo e vemos o sol a pôr-se para os lados da Foz.

9 Ribeira

10 Porto visto do Cais de Gaia

12 Coelho de Bordalo II

Cais de Gaia

 

 

Uma última nota: é possível comprar, em qualquer das instituições, um bilhete único para visitar os Clérigos, o Museu da Misericórdia e o Palácio da Bolsa. Fica bem mais barato do que comprar os ingressos em separado, e não é obrigatório que as visitas sejam todas no mesmo dia.

 

 

Dia 2

 

Passear pelo Porto implica uma boa dose de subidas e descidas. Se no primeiro dia o percurso foi sobretudo a descer, hoje começamos em sentido inverso. Partindo da Ribeira, vamos subir até à Batalha. Mas não fiquem já preocupados, que não vamos pela escadaria íngreme que liga estes dois pontos: o Funicular dos Guindais está à nossa disposição. Projectado em 1891 por Raul Mesnier, foi encerrado ao fim de apenas dois anos após um acidente e não voltou a funcionar durante mais de um século. Recomeçou a operar em 2004 sob gestão do Metro do Porto, depois de totalmente reformulado, e apesar de a viagem só durar uns curtos minutos, vale muito a pena. A subida lenta da carruagem acompanha um troço da Muralha Fernandina, com vista directa para a Ponte Luiz I, e entra depois num túnel para nos deixar junto à Rua Saraiva de Carvalho.

Funicular dos Guindais

Seguimos até à Avenida Vimara Peres, que dá acesso ao tabuleiro superior da ponte – onde apenas podem transitar peões, bicicletas e as composições do Metro. Daqui temos novas perspectivas sobre a cidade, os telhados a formarem uma manta de retalhos declinada em tons alaranjados, alguns barcos de cores vivas destacando-se no cinza pardo das águas do Douro.

13 Porto visto da ponte

14 Porto visto da ponte

 

No final da ponte já estamos em território de Gaia. Passamos o terminal do teleférico e o Jardim do Morro e subimos pelo acesso ao Mosteiro do Pilar, outro miradouro com vistas privilegiadas para o Porto. O complexo do Mosteiro foi construído no século XVI e é mais um monumento religioso único no género, com a sua igreja e claustro circulares, concebido no estilo maneirista.

15 Mosteiro da Serra do Pilar

Mosteiro da Serra do Pilar
https://www.culturanorte.pt/pt/patrimonio/mosteiro-da-serra-do-pilar/
Largo de Aviz, 4430-329 Vila Nova de Gaia, Porto
Horário: de terça-feira a domingo
Verão (1 Abril a 30 Setembro) 10h-18h30 / Inverno (1 Outubro a 31 Março) 10h-17h30 (encerrado: feriados e 2 fim-de-semana de cada mês)
Informações: telefone 220 142 425  email: patrimonioanorte@culturanorte.gov.pt

16 Porto visto da Serra do Pilar

 

Voltamos pelo mesmo caminho para depois continuar até à Sé Catedral, um dos monumentos com origens mais remotas do nosso país. A construção original data do século XII e apesar das sucessivas alterações de que foi alvo ao longo dos séculos ainda hoje se notam os traços do seu estilo românico primário e o seu carácter robusto, quase bélico. No interior, a abóbada da nave é suportada por arcobotantes imponentes, que contrastam com a profusão de elementos em talha dourada do altar-mor e das capelas, e as galerias do claustro gótico estão cobertas de painéis de azulejos pintados em azul e branco, alguns com cenas religiosas.

17 Sé Catedral

Sé Catedral do Porto
https://www.culturanorte.pt/pt/patrimonio/se-do-porto/
Terreiro da Sé, 4050-573 Porto
Horário: de terça-feira a domingo
Verão (Abril a Outubro) 9h-12h30 e 14h30-19h (claustro: 9h-18h30) / Inverno (Novembro a Março) 9h-12h30 e 14h30-18h30 (claustro: 9h-12h15 e 14h30-17h30) (encerrado: domingos e festividades religiosas, incluindo Natal e Páscoa)
Informações: telefones 226 197 080 e 222 059 028  email: geral@culturanorte.gov.pt

 

Um pouco acima da Sé encontra-se Estação Ferroviária de São Bento, cujo átrio é ponto de visita obrigatória. Está inteiramente forrado com azulejos (são “só” 20 mil…), uns em azul e branco representado cenas históricas e etnográficas, outros mais coloridos e dispostos num friso onde se conta a história dos meios de transporte.

18 Estação de São Bento

 

Seguimos para a direita pela Rua Sá da Bandeira, passando pelo teatro e pelo Mercado do Bolhão, que continua em obras. O mercado temporário está a funcionar mais acima, nas instalações do centro comercial La Vie, ao pé da pequena (e também revestida com azulejos) Capela das Almas.

Capela das Almas

Ao lado da capela passa a famosa Rua de Santa Catarina, que vamos descer. Ao chegar à Rua Formosa fazemos um pequeno desvio para ver (no número 279) a Pérola do Bolhão, uma mercearia que tem estado em actividade contínua desde 1917 e mantém a lindíssima fachada Arte Nova original feita pela Fábrica do Carvalhinho, de Gaia.

Pérola do Bolhão

 

Continuamos a descer Santa Catarina, entre lojas e edifícios incaracterísticos intercalados com outros mais interessantes, e chegamos ao nosso destino final: o café Majestic, mais uma jóia Arte Nova no Porto – e também mais uma “vítima” do crescimento do turismo nesta cidade. Aquele que foi em tempos um café apenas algo mais sofisticado do que os outros é agora um lugar da moda, dispendioso, com segurança à porta e por vezes com filas para entrar. Ainda assim, é de perder o amor ao dinheiro e visitar, nem que seja para tomar qualquer coisa simples. Aberto desde 1921 e renovado entre 1992 e 1994, o Majestic é sem sombra de dúvida o café mais bonito do nosso país e um dos mais belos do mundo. A fachada chama a atenção, mas o interior é ainda mais exuberante, com espelhos nas paredes e madeiras trabalhadas em formatos intrincados. Beber um café ou chá, lanchar, ou mesmo comer uma refeição maior (também funciona como restaurante) no ambiente sofisticado e único do Majestic é uma experiência de que vale a pena usufruir nem que seja uma vez na vida. A juntar a todas as outras experiências que o Porto nos proporciona.

20 Majestic

Majestic Café
https://www.cafemajestic.com/pt/Utilidades/Homepage.aspx
Rua Santa Catarina 112, 4000-442 Porto
Horário: de segunda a sábado 9h-23h
Informações: telefone 222 003 887  email: info@cafemajestic.com
Reservas: reservas@cafemajestic.com

 

Conhecer uma cidade tão rica como o Porto não se esgota, como é óbvio, em dois dias. Há muito mais para ver e fazer, mas deixo aqui apenas mais uma sugestão. Se tiverem um dia extra disponível, dediquem-no a Serralves. O museu, a casa e sobretudo o parque são fascinantes e merecem uma visita bem demorada. Serralves é mais um dos muitos encantos do Porto.

 

 

(Este roteiro foi publicado pela primeira vez no website Fantastic)

 

Guardar no Pinterest

Dois dias no Porto.jpg