Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Viajar porque sim

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Ter | 12.10.21

Coisas boas (e alguns segredos) de Viseu Dão Lafões - parte II

 

Aqui há tempos falei sobre o fim-de-semana mais recente que passei na região de Viseu Dão Lafões. Muito ficou no entanto por dizer, por isso hoje vou corrigir essa falha e revelar mais algumas das coisas boas que encontramos nesta região do centro de Portugal.

51 Viseu Dão Lafões.JPG

 

As jóias discretas de Penalva do Castelo

 

Sob uma capa de placidez e de lugar “onde não se passa nada”, Penalva do Castelo guarda alguns dos melhores segredos do planalto beirão. A vila recebeu-nos sob o sol forte do princípio da tarde, luminosa e arejada na esplanada ampla que rodeia o moderno edifício da Câmara Municipal. A poucas centenas de metros de distância, a Igreja da Misericórdia foi o primeiro ponto para uma paragem mais demorada. Por fora parece apenas mais uma igreja barroca, paredes brancas debruadas a cantaria, as duas torres gémeas com varandins e pináculos coroados com o habitual catavento. Por dentro, ao contrário do que seria de esperar, o barroco desaparece para dar lugar a um ambiente neoclássico, altar-mor e retábulos em que o dourado quase se submete ao bege, uma lindíssima porta interior nos mesmos tons, na parede um púlpito e um órgão de tubos, e uma faixa de azulejos azuis e brancos em toda a volta. Não é muito comum encontrar este tipo de ambiente, tão harmonioso e pouco pesado, nos edifícios religiosos portugueses mais antigos, razão pela qual gostei particularmente de visitar esta igreja.

52 Viseu Dão Lafões.JPG

53 Viseu Dão Lafões.jpg

Parece ser imagem de marca da vila “casar” a tradição com a modernidade, sem que o contraste criado seja aberrante. Um dos orgulhos do município de Penalva do Castelo são os seus produtos endógenos: o vinho Dão (sub-região Castendo); o queijo Serra da Estrela DOP, que é exclusivamente feito com leite de ovelhas das raças Bordaleira da Serra da Estrela ou Churra Mondegueira; e a maçã Bravo de Esmolfe, uma maçã outonal pequena, doce e com um aroma maravilhoso, produzida numa área geográfica bastante limitada. Para homenagear estes produtos típicos foi escolhida uma forma de expressão artística bem actual: a street art. Perto do jardim da Praça do Município e do recinto da feira, o “Mural dos Produtos Endógenos e Tradições do Concelho” celebra os costumes e os produtos agrícolas mais característicos da região. O mural foi concebido por Jaf Graph, um jovem artista já com créditos firmados no panorama português da arte urbana e também um “filho” da região Viseu Dão Lafões (nasceu e vive em Mangualde), e mostra bem como a flexibilidade da linguagem artística moderna consegue tratar com elegância até mesmo os temas mais clássicos.

56 Viseu Dão Lafões.JPG

 

Mas a jóia maior da coroa de Penalva do Castelo ainda não se tinha mostrado, bem escondida que está atrás de muros de pedra, trepadeiras folhosas e árvores enormes: dá pelo nome de Casa da Ínsua e é ao mesmo tempo hotel, quinta e museu.

 

Foi a surpresa maior desta viagem. Até à altura, Casa da Ínsua era para mim apenas um nome de vinho vagamente conhecido. Daí o meu espanto quando, depois de percorrer uma alameda refrescada pela sombra de muitas árvores e passar um pórtico em arco, surgiu à minha frente um belo palacete barroco, em alvenaria branca debruada a granito e com uma capela anexa. Foi o início de uma viagem espácio-temporal guiada pelo actual gerente da Casa da Ínsua, Rafael Furão, que nos contou toda a história da casa e da quinta em que ela está inserida.

57 Viseu Dão Lafões.JPG

A casa que hoje vemos foi construída no último quarto do séc. XVIII a mando de Luís de Albuquerque e Mello Pereira e Cáceres, um fidalgo cavaleiro da Casa Real que foi o quarto governador e capitão-general da capitania de Mato Grosso, no Brasil. No local existiam já uma casa antiga (dos sécs. XVI-XVII), da qual apenas foi preservado o terraço, e a capela, que sofreu posteriores modificações. Supõe-se que o arquitecto do projecto da casa terá sido José Francisco de Paiva, e as obras de que foi posteriormente alvo no séc. XIX foram confiadas ao arquitecto italiano Nicola Bigaglia (que desenhou o chafariz do pátio principal).

58 Viseu Dão Lafões.jpg

Uma grande parte da casa está ocupada pelas instalações do hotel, que actualmente tem o nome de Parador Casa da Ínsua (faz parte da rede espanhola de Paradores de Turismo). As restantes divisões fazem parte do Núcleo Museológico e são um acervo riquíssimo de obras de arte, mobiliário, objectos decorativos e elementos arquitectónicos dos séculos passados. Notáveis são sobretudo os tectos, em madeira ou em gesso a imitá-la, com pinturas em trompe-l’oeil, brasões ou motivos clássicos. Há uma Sala Chinesa muito original, onde pontifica um samurai mecânico e as paredes e o tecto estão forrados com um maravilhoso papel pintado. No Salão Nobre, o piso é um magnífico embutido feito com 14 qualidades de madeira diversas, e sobre a lareira há um relógio finamente trabalhado, que em tempos idos fazia soar uma melodia diferente para cada segmento do dia. O percurso da visita levou-nos também às cozinhas, uma branca, mais modernizada e já com utensílios e funcionalidades relativamente “recentes” (sendo que recentes significa um século, mais coisa menos coisa), e outra preta, com uma grua para panelas e uma ampla chaminé.

59 Viseu Dão Lafões.jpeg

65 Viseu Dão Lafões.JPG

64 Viseu Dão Lafões.JPG

66 Viseu Dão Lafões.JPG

67 Viseu Dão Lafões.jpeg

A caminho da capela, chama a atenção o engenhoso sistema de pesos que controla o funcionamento da torre sineira e a sua ligação ao relógio. Aliás, a própria torre é extremamente original, com quatro sinos de tamanhos diferentes sobrepostos e um outro (o sino inicial e único na altura da construção da capela) colocado mais acima. Consagrada a Nossa Senhora da Conceição, o interior da capela tem uma cúpula pintada, que lhe dá uma atmosfera de monumentalidade, e todas as paredes estão cobertas de azulejos, pinturas e quadros.

69 Viseu Dão Lafões.JPG

68 Viseu Dão Lafões.JPG

70 Viseu Dão Lafões.jpeg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Do interior saímos para os jardins – plural, porque são vários e de géneros diferentes. Há o francês, com os seus parterre geométricos e um lago com flores de lótus indianas, que só vivem 48 horas e tivemos a sorte (e felicidade!) de ver em flor. Há o inglês, mais selvagem, com muitos arbustos e árvores de grande porte – sequóias, cedros, paus-brasil. Há o dos aromas, com flores e um canteiro onde estão plantadas videiras das castas usadas para os vinhos Casa da Ínsua. Há um tanque com patos e um cisne, fontes, mesas e esculturas em pedra. E há um sem-fim de preciosidades espalhadas pelos 40 hectares da quinta, que uma visita de poucas horas não consegue abarcar.

71 Viseu Dão Lafões.JPG

 

Além do vinho, da quinta que rodeia a Casa da Ínsua saem também os outros produtos típicos do concelho de Penalva do Castelo: o queijo Serra da Estrela e a maçã Bravo de Esmolfe. O cardo usado na cura do queijo aqui produzido é igualmente cultivado nos terrenos da quinta, que incluem ainda uma horta onde crescem frutos e legumes variados, base de algumas das compotas que são vendidas ao público. Em tempos trabalhavam aqui mais de mil pessoas e a quinta era praticamente auto-suficiente. Havia uma fábrica de gelo, uma moagem e um lagar de azeite – aliás, o azeite continua a fazer parte da produção própria da quinta. Lado-a-lado com a adega vinícola e a queijaria, as unidades produtivas entretanto desactivadas estão agora inseridas no Núcleo Museológico. Vemos máquinas arcaicas com finalidades desconhecidas (que o Rafael nos explicou prontamente), uma sala com mapas seculares e gravuras antigas representando a fauna e flora tropicais, outras com obras de arte, artefactos e objectos que pertenceram a Luís de Albuquerque e aos seus descendentes, e que ilustram ao mesmo tempo o percurso familiar dos proprietários da quinta e as mudanças sociais e tecnológicas ao longo de três séculos. Vemos os queijos alinhados nas prateleiras, à espera de estarem no ponto certo para irem para a mesa de quem os comprar (a cura demora de 2 a 4 meses), e as misturas de flor do cardo usadas para os curar. Vemos as cubas de aço brilhante e os tonéis de madeira onde as uvas fermentam e o vinho envelhece, e sentimos o cérebro invadido pelo odor forte que é tão típico das adegas. Visitar a Casa da Ínsua e a sua quinta é uma lição de História e um prazer para todos os sentidos, e confesso que me apetecia ter lá ficado mais tempo.

74 Viseu Dão Lafões.JPG


77 Viseu Dão Lafões.jpg

78 Viseu Dão Lafões.JPG

79 Viseu Dão Lafões.JPG

80 Viseu Dão Lafões.jpg

 

Outro prazer esperava por mim, mais uma jóia de Penalva do Castelo, esta escondida na pequena aldeia de Sangemil: o forno comunitário. E aqui tenho de fazer duas notas prévias. A primeira é que a tarde ia avançada, e apesar de o almoço ter sido excelente (falarei dele mais adiante), o estômago já reclamava por qualquer coisita que o acalmasse. A segunda é que sou doida por pão, de preferência regional, e melhor ainda se for bem fresco. Podem por isso imaginar o que terá sido entrar num sítio onde não só cheirava a pão acabadinho de fazer, como também tinha mais de uma dúzia de belíssimos pães com um aspecto delicioso (mal cozidos, mesmo como eu gosto) em cima de uma mesa, a pedirem para os devorarmos logo ali. Foi ao mesmo tempo uma alegria e uma tortura, porque tive de me dominar para não os atacar imediatamente, feita selvagem.

81 Viseu Dão Lafões.JPG

As fadas que produzem estas maravilhas (em Portugal faz-se o melhor pão do mundo!) chamam-se Cilita, Arlete, Maria Cristina e Natividade, mas só as três primeiras é que estavam à nossa espera, acompanhadas pelo vice-presidente da Câmara, José Laires. Fadas que põem todo o seu saber e afecto no pão que sai das suas mãos, e que ainda por cima aturaram com a melhor das disposições as nossas perguntas e pedidos de pose para a fotografia.

No piso superior da casa onde está alojado o forno comunitário de Sangemil há uma pequena exposição etnográfica que tem como leitmotiv o ciclo do pão. E quando voltámos a descer à sala do forno, cada um de nós foi presenteado com um dos belos pães de trigo que tínhamos estado a admirar, ainda quentinhos dentro do seu saco de papel. Vergonhosamente, o meu já não estava intacto na altura em que cheguei ao autocarro – não resisti e arranquei logo um bocado, que comi enquanto o diabo esfregou um olho, sem manteiga, sem doce, sem nada, e me soube pela vida. Há coisas que podem ser muito simples, mas não há dinheiro que as pague…

 

A visita a Penalva do Castelo ainda teve mais uma paragem, no sítio a que chamam Lages de Sangemil. Numa zona de antigas eiras, onde os aldeãos secavam e tratavam os cereais que cultivavam, um grupo de “palheiras” tem vindo a pouco e pouco a ser recuperado por um casal, e transformado em casinhas para alojamento temporário. O local onde estão situadas é excepcional, com uma vista ampla sobre o vale e as encostas do Dão, onde as vinhas crescem em socalcos ondulantes e o arvoredo se estende sobre a crista dos montes. As casas estão recuperadas de forma admirável (algumas estavam completamente em ruínas), e por todo o lado há pormenores que alegram o ambiente, engraçados e dispostos com bom gosto. Ao sol do final da tarde, com o verde matizando-se de dourado e naquele ambiente de sossego, pareceu-me sem dúvida um lugar ideal para aquelas alturas em que precisamos de desligar do mundo e relaxar.

88 Viseu Dão Lafões.JPG

 

Viseu, flores e sabores

 

Doze. Para quem vem de carro dos lados de Lisboa, são doze as rotundas que encontra no caminho, depois de sair do IP3 e até chegar ao centro de Viseu (ou um número ainda maior, se o destino for outro que não o centro, como foi o meu caso). Mas se ter de contornar tantas rotundas num curto espaço de oito quilómetros causa alguma estranheza, são elas que primeiro nos fazem perceber a razão pela qual Viseu continua a fazer jus ao título de “cidade-jardim”, ostentado desde 1935 – quando as rotundas, por sinal, ainda nem existiam. Todas elas estão paisagisticamente arranjadas com relva e canteiros de flores, arbustos ou pequenas árvores, eventualmente uma escultura, pedras ou até mesmo uma fonte. Em Viseu, parques e jardins são mais que muitos, e mesmo nas ruas a proporção de flores por metro quadrado é admirável.

89 Viseu Dão Lafões.JPG

O coração da cidade é disso o maior exemplo. Na Praça da República, mais conhecida por Rossio, o edifício da Câmara Municipal perde protagonismo para o Jardim Tomás Ribeiro, que é quase um prolongamento do centenário Parque Aquilino Ribeiro, um dos maiores de Viseu. O jardim homenageia o escritor e político, que nasceu em 1831 em Parada de Gonta, numa glorieta decorada com azulejos pintados pelo seu próprio genro, Jorge Colaço. Há uma fonte com repuxos, quiosques e esplanada, árvores frondosas e muitos bancos para descansar. Um dos vértices aponta para o edifício do Tribunal, e ao lado dele está o Avenida Boutique Hotel, onde dormimos na segunda noite da nossa estadia em terras viseenses. Aberto em inícios do séc. XX com o nome de Grand Hotel Avenida, foi remodelado há poucos anos. Mantendo a traça exterior, o interior foi modernizado sem grandes arroubos imaginativos, com quartos simples mas confortáveis e com excelente casa de banho.

 

Do outro lado da Praça, o painel de azulejos criado em 1931 pelo pintor portuense Joaquim Lopes guia-nos até ao pequeno Jardim das Mães, e ao lado da Pensão Rossio Parque há uma reinterpretação gigante, pintada pelo artista urbano Ricardo Romero, do quadro “Menina das Camélias” de José Almeida e Silva – uma obra que faz parte do acervo do Museu Grão Vasco.

92 Viseu Dão Lafões.JPG

O Museu Nacional Grão Vasco possui uma riquíssima colecção de pintura, escultura, cerâmica, mobiliário e objectos decorativos, e até mesmo de arqueologia. Está alojado no Paço dos Três Escalões, um edifício de pedra com aspecto robusto que fica na Praça do Adro, paredes-meias com a Sé, o monumento mais icónico de Viseu. A Sé Catedral de Viseu tem uma história velha de séculos, anterior à da fundação de Portugal, e foram muitas as obras e modificações de que foi alvo durante a sua longa existência, tanto exterior como interiormente. As suas duas torres, paralelepípedos maciços de granito escurecido pelo tempo e só tenuemente aligeiradas pelos elementos decorativos colocados no topo, contrastam com o retábulo da fachada, em pedra mais clara e com um aspecto muito mais leve. Seis nichos escavados estão ocupados por outras tantas esculturas, a mais central representando São Teotónio, o padroeiro.

93 Viseu Dão Lafões.JPG

No centro da Praça do Adro está um cruzeiro do séc. XVII, e do lado oposto à Catedral, como que a querer competir com ela pelas atenções, a Igreja da Misericórdia, exuberantemente barroca no exterior e neoclássica no interior, e cujo edifício também abriga um Museu.

94 Viseu Dão Lafões.JPG

O passeio pelo centro histórico de Viseu foi curto, mas ainda assim suficiente para poder apreciar as casas com vários pisos, com janelas altas para deixarem passar o máximo de luz possível, debruadas a cantaria, e varandas com belos ferros forjados. Junto à Porta do Soar, o arco onde existiu uma das principais portas de entrada da cidade medieval, uma inscrição em pedra fez-me parar: “ESTA CAPELLA HE DO POVO QUE SE FEZ A CUSTA DAS ESMOLAS DOS DEVOTOS ANNO DE 1742”. Dedicada à Senhora dos Remédios e com uma invulgar forma exterior octogonal, o interior desta pequena capela é surpreendentemente bonito, sobretudo pelo forte conjunto cromático à base de azul e encarnado, pelos azulejos que cobrem as paredes até meia altura, e pelo colorido retábulo do altar.

 

Foi em Viseu que fizemos as refeições do segundo dia do nosso fim-de-semana, e os restaurantes escolhidos foram uma excelente amostra da diversidade gastronómica que a cidade põe à nossa disposição. Na Casa Arouquesa – o nome já diz tudo – a estrela foi a carne desta raça bovina, confeccionada nas duas formas diferentes que são as especialidades deste restaurante: o bife à casa e a vitela assada no forno. Altamente recomendável para os amantes irredutíveis da carne de vaca. Nas entradas, o presunto (mal curado e delicioso) fez sucesso; e à sobremesa, como fiquei indecisa entre o cheesecake de frutos vermelhos e o pudim de coco, provei os dois.

99 Viseu Dão Lafões.jpg

100 Viseu Dão Lafões.jpg

101 Viseu Dão Lafões.jpg

102 Viseu Dão Lafões.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O jantar foi completamente diferente. Na esplanada ao ar livre do Palace, a poucas centenas de metros do Rossio, vieram para a mesa petiscos atrás de petiscos, cada um melhor que o outro. Só para abrir o apetite, deixo aqui os nomes de alguns dos que provámos: peixinhos da horta (super estaladiços); croquetes de alheira com molho de mostarda; salada de pêra, rúcula e queijo da ilha; chocos panados com molho de iogurte e lima; gambas crocantes e geleia picante de citrinos; coscorões de peixe branco, malagueta e lima. Tudo regado com uma maravilhosa sangria de frutos vermelhos. Quanto às sobremesas, o destaque vai para a originalidade do cheesecake, que é servido num vasinho de barro, com um pé de alecrim espetado – como se se tratasse de uma planta envasada verdadeira.

 

Ainda no capítulo dos sabores, fica aqui mais uma recomendação: os chocolates artesanais da Chocolateria Delícia, situada ao pé do Rossio. Entre os vários mimos com que a Câmara de Viseu nos brindou estava uma caixinha com alguns dos bombons de autor que esta casa produz, e que têm nomes tão sugestivos como “coulis de manga”, “ganache de noz”, “bombom de flor de sal e alecrim” (sou louca por chocolate com sal…), “trufa de cacau” ou “bombom de vinho rosé”, entre outros igualmente apetitosos. No que toca a estes chocolates, “Delícia” não é um exagero.

107 Viseu Dão Lafões.jpg

 

De Viseu ficou ainda muito por ver. Entre os locais icónicos que tenho em mira para uma próxima visita estão a Cava de Viriato – uma misteriosa “fortaleza” com um perímetro octogonal de taludes de terra batida, que se supôs ter sido erguida na época da ocupação romana mas investigações recentes parecem indicar ser muçulmana – e o Parque do Fontelo, que tem 10 hectares de mata e jardins para explorar. Neste link do website Visit Viseu há propostas muito interessantes de roteiros para conhecer a cidade e os arredores.

 

 

Ecopista do Dão, 49 km para descontrair

 

Entre 1982 e 2012, Portugal perdeu 1075 km de ferrovias (segundo o Pordata), e Viseu foi uma das cidades mais afectadas por esta redução: é actualmente uma das três capitais de distrito portuguesas às quais não é possível chegar de comboio (as outras são Bragança e Vila Real). Em 1988, dois anos antes do encerramento do ramal da linha do Vouga que passava em Vouzela, a linha do Dão tinha igualmente sido desactivada. Ligava Viseu a Santa Comba Dão, atravessando também o concelho de Tondela, e tinha um comprimento total de 49,3 km. Após muitos anos de abandono e com um percurso sem grandes desníveis, que atravessa ambientes diversos e acompanha em grande parte os rios Dinha e Dão, reunia as condições ideais para ser transformada em equipamento turístico e de lazer: a Ecopista do Dão foi oficialmente inaugurada no início de Julho de 2011.

 

Depois de uma manhã de domingo inesperadamente chuvosa, que apenas nos deixou visitar o Museu do Quartzo e fazer um curto passeio até à vizinha Capela de Santa Luzia, e de um almoço no Restaurante 3 Pipos, em Tondela – que incluiu uma variedade obscena de entradas, filetes de polvo, tiborna de bacalhau, entrecosto assado e uma quantidade igualmente imoral de sobremesas – era imperativo que fôssemos esticar as pernas e gastar algumas das muitas calorias ingeridas durante todo o fim-de-semana. Apesar das nuvens, o calor tinha regressado, e a Ecopista do Dão foi o destino ideal.

108 Viseu Dão Lafões.jpg

 

Entrámos junto à antiga Estação de Treixedo, cujo edifício está infelizmente em ruínas. Ao longo da Ecopista há algumas (poucas) estações que foram reconvertidas em café/restaurante, mas não é o caso desta. Daqui até Santa Comba Dão são apenas 5,5 km, e este é um dos troços mais bonitos do percurso, sempre à beira do Dão até chegarmos à ponte metálica do Granjal, que atravessa o rio. Ouvem-se pássaros no meio do arvoredo, e a tranquilidade só é quebrada pelos ciclistas apressados que pedalam freneticamente pela Ecopista, por vezes em grupos, e certamente com muita pressa de chegarem a qualquer lado.

O asfalto da Ecopista está pintado, e a sua cor identifica o concelho em que se insere cada troço: encarnado para Viseu (que é parcialmente feito em ambiente urbano), verde para o concelho de Tondela, e azul para o de Santa Comba Dão. É a Ecopista mais longa do país, e existem planos para a ligar às suas congéneres de Vouzela e do Vouga, naquela que será a maior ecopista da Península Ibérica – uma boa notícia para os amantes da bicicleta e das caminhadas longas.

 

Com o final da tarde a aproximar-se, foi com alguma relutância que fiz o caminho de regresso ao autocarro que nos levou de volta a Viseu e à “civilização”. Em terra boa apetece sempre ficar mais um dia – ou dois, ou uma semana, um mês… A região de Viseu Dão Lafões tem muitas coisas boas para conhecer, provar e aproveitar, e certamente muitos mais segredos para descobrir.

 

Querem saber mais sobre esta região? Leiam o post Coisas boas (e alguns segredos) de Viseu Dão Lafões - parte I

 

***

 

Esta viagem teve o apoio do Turismo do Centro de Portugal e foi organizada pela Comunidade Intermunicipal Viseu Dão-Lafões (CIMVDL). Agradeço à Cristina, à Cátia e ao Luís Pedro as experiências que nos proporcionaram e, acima de tudo, a sua simpatia e atenção, e as boas conversas que tivemos.

Comigo viajaram outros bloggers associados da ABVP-Associação de Bloggers de Viagem Portugueses: David Samuel Santos (Dobrar Fronteiras), Gonçalo Henriques (Num Postal), Jorge Montez (Hit the Road), Marta Geadas Durán (Boleias da Marta) e Sónia Justo (Lovely Lisbonner).

 

Já seguem o Viajar Porque Sim no Instagram? É só clicar aqui

 

Guardar no Pinterest

Coisas boas de Viseu Dão Lafões

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.