Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Viajar porque sim

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Ter | 18.02.20

Moscovo, a cidade grande

 

Isto é tudo enorme! – foi a primeira impressão que tive assim que o carro que nos levava saiu do parque da estação de comboios de Leningradskiy e entrou nas amplas ruas que nos iriam conduzir ao hotel. Do lado de fora das janelas desfilavam prédios atrás de prédios, todos de muitos andares, mas que nem pareciam tão altos por comparação com os mais de cem metros de largura das avenidas. De vez em quando os prédios eram substituídos por um monumento, uma igreja, um edifício institucional. Todos à mesma escala de grandeza do resto. Sentia-me como se estivesse a olhar a cidade através de um qualquer efeito de realidade aumentada, e esta sensação perdurou até ao fim da minha estadia em Moscovo.

Moscovo 1.jpg

Moscovo 2 Sete Irmãs.jpg

Além do tamanho extra large dos edifícios, também o trânsito e as pessoas pareciam existir em quantidades industriais. Não é de estranhar, sabendo que a cidade tem mais de 12 milhões de habitantes, aos quais se juntam os muitos turistas – a maioria dos cerca de 80 milhões que visitam anualmente a Rússia passará certamente por Moscovo. Mas uma coisa são números abstractos, e outra é vermos com os nossos olhos.

 

Um dos lugares onde se nota bem esta afluência de gente é a famosa rede do metropolitano. Existindo desde 1935 e possuidora ela própria de uma dimensão descomunal – mais de 200 estações distribuídas por quase 400 km divididos em 15 linhas – a cada comboio que chega as plataformas são literalmente invadidas por uma maré de pessoas, todas sisudas, todas apressadas. A somar a elas há os grupos de turistas que visitam as estações mais famosas, situadas na linha circular interior, a número 5, conhecida como Linha Koltsevaya. A originalidade e o esmerado trabalho artístico de várias destas estações – como os magníficos 32 vitrais de Novoslobodskaya (obra de artesãos da Letónia), as 76 estátuas de bronze realistas da estação Ploshchad Revolyutsii, os elaborados e coloridos mosaicos de Kiyevskaya, concebida por arquitectos e artistas ucranianos, ou a extravagância quase rococó de Komsomolskaya – são motivo de atracção turística e fazem parte de todos os roteiros de visita da cidade. Tal como a própria estrutura viária de Moscovo, a rede do metropolitano está concebida mimetizando o sol e os seus raios, uma concepção preconizada por Estaline para direccionar os moscovitas para o futuro radiante que os aguardava e do qual ele próprio era – obviamente! – o astro-rei. O ditador quis que as estações fossem construídas como luxuosos “palácios para o povo”, decorados com mármores, baixos-relevos, pinturas e esculturas, candelabros e lustres, mas também como forma de glorificar o “espírito soviético”, com imagens que enalteciam as classes trabalhadoras, os seus dirigentes históricos e vitoriosos, e a proclamada união entre as várias repúblicas que formavam a URSS. Esta extravagância arquitectónica terminou depois da morte de Estaline, e apenas em estações construídas recentemente se nota um renovado interesse por concepções decorativas mais originais e artísticas. Pessoalmente, penso que a melhor forma de as apreciar será de manhã muito cedo ou à noite (as estações abrem às 5 e meia e fecham à uma da manhã), pois com comboios a rugirem de minuto a minuto e a descomunal afluência de gente que existe durante todo o dia perdem grande parte do seu glamour e é difícil ver nelas muito mais do que umas catacumbas bem decoradas mas extremamente barulhentas – ou pelo menos foi isso que eu senti.

Moscovo 3  metropolitano Komsomolskaya.JPG

Moscovo 5  metropolitano Kiyevskaya.jpg

Moscovo 4  metropolitano Ploshchad Revolyutsii.jpg

Estaline foi também o responsável por alguns dos altíssimos edifícios que Moscovo ostenta. Falo especificamente daqueles que são conhecidos como as Sete Irmãs (ou também, mais popularmente, como “os caprichos de Estaline”), os mais emblemáticos e fotografados arranha-céus da cidade. Vistos de longe – e conseguem ser avistados de bem longe… – parecem todos iguais, mas na realidade existem diferenças entre eles tanto em altura (que varia entre 138 e 240 metros) como na própria configuração. Embora nitidamente inspirados nos arranha-céus norte-americanos (como o Empire State e o Woolworth em Nova Iorque, ou o Wrigley em Chicago), são eles os melhores exemplares do estilo a que se convencionou chamar classicismo soviético ou monumental, e que não é mais do que um cocktail de vários estilos anteriores com a particularidade de ser tudo feito – claro está…! – em grande. O mais alto e mais famoso é o edifício principal da Universidade Estatal de Moscovo, construído junto à Colina dos Pardais, de onde conseguimos ter uma visão desafogada sobre grande parte de Moscovo, incluindo vislumbres (embora muito ao longe) das outras Irmãs. A título de curiosidade, saibam que cada um deles tem uma estrela no topo (os russos têm a pancada das estrelas…), todas diferentes umas das outras.

Moscovo 7 Sete Irmãs.jpg

Moscovo 6 universidade Estatal Sete Irmãs.jpg

Moscovo 8 Vista da Colina dos Pardais.jpg

Se Estaline teve os seus “caprichos”, Putin não parece querer ficar atrás. Na skyline de Moscovo destaca-se hoje nitidamente o bairro que tem o nome oficial de Centro Internacional de Negócios de Moscovo ou, na sua forma mais curta, a City de Moscovo. Para este projecto, que começou a ser concebido nos anos 90, foi destinada a área de uma antiga pedreira junto a uma das curvas do rio Moscovo, a 4 km do “coração” moscovita (a Praça Vermelha, obviamente) mas ainda fazendo parte do centro da cidade – porque o “centro da cidade” em Moscovo é, tal como tudo o resto, megalómano. É aqui que se encontram actualmente alguns dos maiores arranha-céus da Rússia, todos de cariz futurista e onde se incluem, com alturas superiores a 300 metros, sete dos dez maiores da Europa – isto por enquanto, uma vez que as possibilidades de construção futura ainda não estão esgotadas.

Moscovo 9 City.jpg

Moscovo 10 City.jpg

 

E onde é que fica a mais alta estrutura sem sustentação da Europa? Em Moscovo, pois claro! É uma torre de comunicações a que deram o nome de Torre Ostankino e foi construída em 1967 com 540 metros de altura. Foi a mais alta do mundo até 1976, ano em que perdeu o título para outras construções igualmente megalómanas, mas ainda assim continua a ser um ponto de referência.

Moscovo 11 Torre Ostankino.jpg

 

Não muito longe ergue-se outra estrutura vertiginosa, que chama a atenção sobretudo pela sua elegância. O Monumento aos Conquistadores do Espaço é um obelisco curvo revestido a placas de titânio, com o cinzento do metal a reflectir a luminosidade do céu e quase a confundir-se com ele. Na sua base está localizado o Museu Memorial da Cosmonáutica, e no topo dos seus 107 metros foi colocado um foguete estilizado.

Moscovo 12 Monumento aos Conquistadores do Espaço.jpg

O Museu da Cosmonáutica está actualmente incluído num enorme complexo que tem o nome de parque VDNKh e é outra grande – e muito agradável – surpresa. As iniciais significam Vystavka Dostizheniy Narodnogo Khozyaystva (é melhor nem tentar pronunciar…), que pode ser traduzido mais ou menos como Exposição das Conquistas da Economia Nacional, mas foi durante alguns anos conhecido como Centro Panrusso de Exposições. É mais uma obra resultante da visão imperial estalinista, destinada a ser uma “amostra” da ideologia económica e do estilo de vida da União Soviética, e a sua construção prolongou-se entre 1935 e 1959. Chegou a alojar mais de 300 exposições por ano, além de inúmeras conferências e seminários, atraindo uma média anual de 11 milhões de visitantes. Hoje em dia a sua vocação é diferente e mais orientada para o entretenimento. É um espaço imensamente popular entre os moscovitas, e agora também entre os turistas. Não é difícil perceber porquê. Ocupa na totalidade uma área maior que o Principado do Mónaco, tem cerca de 400 edifícios construídos e além dos espaços expositivos inclui jardins, restaurantes, fontes, um parque de diversões e o Moskvarium, um centro oceanográfico com 80 aquários e centenas de espécies diferentes de animais marinhos. Ao longo das alamedas erguem-se pavilhões que representam várias das antigas repúblicas da URSS, todos diferentes, todos rebuscados, vários deles bastante atraentes e em bom estado de conservação.

Moscovo 15 VDNKh.JPG

Moscovo 14 VDNKh.JPG

Mas as jóias mais chamativas e fotografadas deste parque são as suas fontes. A que encontramos primeiro é a Fonte da Amizade dos Povos, um lago octogonal que mais parece uma orgia de chuva e ouro: 4 mil metros cúbicos de água são projectados em várias direcções entre dezasseis esculturas de figuras femininas douradas, cada uma “vestida” com o trajo tradicional e representando uma república da antiga União Soviética. Mais à frente, a seguir a um comprido canteiro com plantas coloridas dispostas geometricamente, a Fonte da Flor de Pedra, uma concepção futurista onde um sem-número de paralelepípedos em cores primárias, mimetizando um ninho de cristais de quartzo, rebrilham por entre a névoa criada pela água que se despenca das alturas, depois da tentativa vã de ter querido ascender aos céus na forma de jactos espumosos.

Moscovo 16 VDNKh Fonte da Amizade dos Povos.JPG

Moscovo 17 VDNKh Fonte da Amizade dos Povos.JPG

Moscovo 18 VDNKh Fonte da Flor de Pedra.jpg

Moscovo 19 VDNKh Fonte da Flor de Pedra.JPG

Na rotunda em frente ao Pavilhão do Espaço também foi instalado um gigante: uma réplica à escala real do Vostok-K, o modelo de foguete que a URSS usou para efectuar treze lançamentos aeroespaciais entre 1960 e 1964, o mais famoso de todos aquele que colocou Yuri Gagarin como o primeiro homem a voar no espaço. À volta do Vostok, assim como que a fazerem-lhe companhia, estão expostos outros exemplares da aeronáutica – mais modestos, para não ofuscarem a sua óbvia importância. Há um helicóptero militar camuflado, um aerodinâmico caça SU-27, e um avião de passageiros Yakovlev-42. Monstros criados pelo engenho humano, concebidos para cruzarem os céus com pessoas a bordo, nenhum deles parece assim tão impressionante nem tão grande por comparação com a área ampla onde estão instalados. O tamanho é sempre uma dimensão muito relativa, e em Moscovo notei isso sobremaneira.

Moscovo 21 VDNKh Vostok.jpg

Moscovo 20 VDNKh Pavilhão do Espaço.jpg

Moscovo 22 VDNKh Yakovlov.jpg

Visitar este parque ao fim-de-semana no Verão, mesmo apesar das temperaturas frescas que pedem um casaco, é encontrá-lo cheio de milhares de pessoas de todas as idades, desde casais com filhos pequenos até idosos que se deslocam apoiados em bengalas – e ainda assim há imenso espaço livre para passear à vontade. A atmosfera é de festa, os miúdos correm, as fontes estão rodeadas de gente que posa para a inevitável selfie, os bancos estão todos ocupados, os quiosques de comida não têm mãos a medir. Os moscovitas, a pender para o sisudo como todos os outros russos, mostram-se aqui mais relaxados e alegres, e a conjugação desta atmosfera descontraída com a amplidão do espaço e a presença da água transmite-nos imediatamente uma sensação de contentamento. É, sem qualquer dúvida, um dos lugares mais agradáveis da cidade.

Moscovo 13 VDNKh.jpg

 

Outro exemplo de que em Moscovo a grandeza é um atributo relativo é a tão famosa Praça Vermelha – o quilómetro 0 da cidade. Com os seus quase 75 mil metros quadrados (só para terem uma ideia, é um pouco mais do dobro da área da Praça do Comércio, em Lisboa), quando lá chegamos não parece assim tão ampla. Talvez seja porque tem “apenas” 130 metros de largura, por comparação com os seus 695 de comprimento ou com os 81 de altura dos muros do Kremlin, que ocupa uma das laterais mais longas da praça. Do lado oposto, o também comprido edifício dos Armazéns GUM, que abriram em 1893 e hoje estão transformados num centro comercial de luxo. São os GUM que patrocinam no Inverno a transformação da maior parte da Praça numa enorme pista de gelo. Os dois extremos mais longínquos da Praça Vermelha são limitados a noroeste pelo exótico edifício de tijolo vermelho do Museu de História da Rússia, e no lado oposto pela ainda mais exótica e mundialmente conhecida Catedral de São Basílio, com a sua estrutura flamejante e os bolbos e pirâmides das suas dez cúpulas decorados com riscas, ondas, losangos, rectângulos, quadrados e inúmeros outros formatos de ornamentos, pintados numa variedade de cores fortes, que é impossível não admirar. Há muito de mesmerizante nestes edifícios religiosos excessivamente trabalhados e coloridos…

Moscovo 23 Praça Vermelha.JPG

Moscovo 25 Praça Vermelha.jpg

Moscovo 24 Praça Vermelha.jpg

Moscovo 27 Praça Vermelha Museu de História.jpg

Moscovo 26 Praça Vermelha Catedral São Basílio.jpg

 

Atrás da Catedral e com uma área ainda maior que a da Praça Vermelha, o Parque Zaryadye é um dos mais recentes projectos de fôlego de Moscovo. Abriu em 2017, depois de cinco anos de trabalhos, e grande parte das instalações construídas estão debaixo do solo. Na superfície foram criados espaços com as quatro zonas climáticas que encontramos na Rússia – floresta, tundra, estepe e planície aluvial – e foi também construída uma monumental sala de espectáculos com 25 mil metros quadrados, cuja cobertura ondulada faz lembrar uma enorme carapaça cinzenta. A adição mais recente a este parque é uma ponte flutuante em forma de V que se prolonga sem qualquer apoio até o seu vértice pairar sobre o rio Moscovo, um miradouro futurista em betão com piso de madeira e laterais transparentes, suficientemente robusta para suportar mais de 2000 pessoas, e local escolhido por muitos moscovitas e estrangeiros para assistir ao pôr-do-sol.

Moscovo 28 Parque Zaryadye.JPG

Moscovo 29 Parque Zaryadye.jpg

Moscovo 30 Parque Zaryadye ponte.jpg

 

Mas o local onde a escala de grandeza de Moscovo é mais flagrante será provavelmente o Parque Pobedy, situado na Colina Poklonnaya, na zona oeste da cidade. Foi aqui que no Outono de 1812 Napoleão e as suas tropas esperaram durante um mês que o Czar Alexandre I se rendesse à Grande Armée, uma espera vã de que acabaram por desistir e que marcou o início do declínio da popularidade do Imperador francês. Pobedy significa “vitória”, e apesar de só ter sido inaugurado em 9 de Maio de 1995 este parque colossal que se espraia por 135 hectares é na verdade dedicado à vitória soviética na 2ª Guerra Mundial. O lugar é amplo e arejado, por isso quando olhamos para a extensa esplanada que se prolonga em leve ascensão até ao topo da colina, os edifícios e os monumentos aparentam ter um tamanho “normal”. O obelisco da Vitória, centro nevrálgico do complexo, parece estar já ali, e por trás dele o edifício semicircular do Museu Central da Grande Guerra Patriótica (o nome que os russos deram à 2ª Guerra Mundial) é apenas uma construção comprida e baixa. Mas depois encaminhamo-nos para lá, entre maciços paralelepípedos de pedra que evocam os períodos da guerra, esculturas que também só aparentemente têm um tamanho razoável, bancos para descansar e espelhos d’água com repuxos discretos, e nunca mais chegamos… porque na verdade o obelisco fica a quase 800 metros da entrada do parque. Esta impressão de proximidade deve-se à altura do monumento: dez centímetros por cada dia da guerra, um total de 141,8 metros. Nike, a deusa alada que personificava para os gregos o triunfo e a glória, olha-nos lá do alto, enquanto cá em baixo São Jorge decapita um dragão adornado com símbolos nazis. Na base da escadaria estão várias coroas de flores, ali depostas sem dúvida pelos jovens fardados que se tinham cruzado connosco minutos antes, pois este é o local habitualmente escolhido para variadas celebrações militares – incluindo as do Dia da Vitória, a 9 de Maio.

Moscovo 32 Parque Pobedy.jpg

Moscovo 33 Parque Pobedy.JPG

Moscovo 34 Parque Pobedy.JPG

 

 

Em todo o parque há símbolos de homenagem às forças militares, como os monumentos dedicados aos que lutaram na 1ª Grande Guerra, ao soldado desconhecido ou aos Aliados, uma escultura evocativa das vítimas do Holocausto, e edifícios religiosos de vários cultos – a igreja ortodoxa de São Jorge, uma mesquita memorial e uma sinagoga.

Moscovo 35 Parque Pobedy.JPG

 

 

Monumental é também a palavra indicada para qualificar o maior e melhor local para fazer compras em Moscovo: o Kremlin de Izmailovo. Kremlin é a palavra russa para castelo, bem adequada para o caso porque este mercado e centro cultural é uma espécie de fortaleza que podia perfeitamente estar num parque da Disney: parece antigo, mas apenas foi terminado em 2007; e tem ar de construção robusta, mas é feito de madeira. No entanto, a sua grandeza não é ilusória, nem a diversidade de propostas que encontramos lá dentro, desde pequenos museus dedicados aos mais diversos temas até restaurantes, instalações artísticas, réplicas de palácios, e mesmo uma verdadeira e peculiar igreja, consagrada a São Nicolau (patrono do comércio e dos artesãos), que é a igreja de madeira mais alta da Rússia. O espaço reservado para o mercado ao ar livre parece uma pequena cidade de ruas labirínticas preenchidas com bancas cobertas onde os vendedores expõem os seus produtos, que vão dos tradicionais gorros de pele às mais arrojadas (e lindas!) criações artísticas e artesanais, passando por livros, cestos, móveis e, claro, pelos vulgares souvenirs que encontramos em todas as lojas para turistas – com a diferença de que aqui são a menos de metade do preço. Numa cidade tão cosmopolita como Moscovo, este foi o local onde mais senti que estava em contacto com aquilo que, pelo menos no meu imaginário (obviamente fabricado pela leitura de alguns clássicos da literatura), é verdadeiramente a “alma russa”.

Moscovo 36 Mercado de Izmailovo.JPG

Moscovo 38 Mercado de Izmailovo.JPG

Moscovo 37 Mercado de Izmailovo.JPG

 

Pela exorbitância da sua dimensão e a frieza aparente das pessoas, Moscovo é ao princípio uma cidade algo assustadora. Só quando ultrapassamos a sensação avassaladora das primeiras impressões e nos habituamos à relatividade da sua grandeza é que, tal como nas tradicionais matrioskas, conseguimos ir vendo as suas camadas mais interiores, específicas e genuínas, e aprendemos a gostar dela.

Moscovo 39.JPG

 

Com vontade de irem até à Rússia? Neste post encontram alguns conselhos.

 

Partilhar no Pinterest

Lugares monumentais em Moscovo

 

 

 

Seg | 10.02.20

Dia dos Namorados: 10 sugestões em Portugal para 10 estilos de casais

 

O São Valentim está à porta e este ano é a uma sexta-feira, o que é óptimo para quem não só faz questão de celebrar o dia, como sobretudo gosta de escapadinhas de fim-de-semana. Proponho-vos por isso, em vez do simples jantar à luz das velas, que aproveitem para ir descobrir mais um dos muitos recantos que o nosso romântico país tem para oferecer a quem gosta de sair da rotina. E como não quero que vos falte nada, decidi fazer uma selecção especial de locais diferentes e particularmente indicados para diferentes estilos de casais. Ora vejam…

 

O casal “artístico”

São fãs de museus e não perdem uma exposição de pintura ou escultura nem a inauguração de uma galeria ou da mais recente instalação de um artista de vanguarda. Não concebem um fim-de-semana sem olharem para um quadro ou verem um documentário sobre arte. Oferecem um ao outro bilhetes para a Gulbenkian ou Serralves, e livros sobre teoria da arquitectura e arte minimalista. Obviamente, lá em casa a televisão está sempre ligada na RTP2.

 

A minha sugestão: Boticas

Arquitecto e pintor português, falecido em 2013, Nadir Afonso foi pioneiro da arte cinética e é um artista internacionalmente reconhecido, com trabalhos expostos em vários museus em todo o mundo. O Centro de Arte da Fundação Nadir Afonso em Boticas, na região do Alto Tâmega, é um espaço amplo e luminoso perfeito para apreciarem muitas das criações deste talentoso Mestre. Boticas tem também outros motivos de interesse, como o Parque do Ribeiro do Fontão, o Museu Rural, ou a ponte romana e o Parque Lazer e Biodiversidade, estes já fora da vila. A somar a tudo isto, na bela cidade de Chaves, a pouco mais de 20 km de distância, existe desde 2016 a sede da Fundação Nadir Afonso, um edifício de linhas depuradas desenhado por Siza Vieira onde está instalado o Museu de Arte Contemporânea.

Boticas (2).JPG

Boticas (1).JPG

Onde ficar: Boticas Hotel Art & Spa

Um quatro estrelas moderno e muito confortável que também pertence à Fundação. Tem um programa especial para o jantar do dia de São Valentim.

 

 

O casal bucólico

É no campo que se sentem bem, de preferência numa aldeia bem recôndita. Gostam de acordar com o cantar do galo, de estar à lareira, de pão feito em forno de lenha e de enchidos caseiros. E, claro, de um bom vinho tinto. Não passam sem um passeio matinal por caminhos de cabras, e aceitam de bom grado participar em qualquer tarefa rural comunitária. Aproveitaram um espaço na varanda do apartamento para montarem uma estufa onde cultivam ervas aromáticas e plantas suculentas.

 

A minha sugestão: aldeia do Juízo

Esta aldeia é um repositório riquíssimo de histórias e cultura popular. Os seus poucos habitantes mantêm vivos os costumes tradicionais e nunca se furtam a uma boa conversa, o mais das vezes temperada com humor. Ainda por cima, o diacho da aldeia é bonita que se farta, há uma “taberna” com petiscos de trás da orelha, e até tem um carrascal por onde passear. Fica a curtas distâncias de várias das nossas aldeias históricas. Que mais se pode desejar?

26 Casas do Juízo.JPG

13 Aldeia do Juízo.JPG

Onde ficar: Casas do Juízo

Algumas casas da aldeia têm estado a ser recuperadas e estão a ser disponibilizadas como alojamento turístico rural. Actualmente são já oito, com tipologias variadas, todas elas mantendo a traça original e a rusticidade mas totalmente equipadas e muito confortáveis. Há ainda outras comodidades, como uma piscina coberta, estufa com produtos biológicos, sala para eventos e diversos espaços de lazer.

 

 

O casal caminhante

Andar, andar, andar… Para este casal, um fim-de-semana de sonho envolve forçosamente vários quilómetros percorridos a pé, onde quer que seja. As suas botas de caminhada já pisaram todos os passadiços do país e nenhum percurso lhes mete medo, por mais difícil que seja – para isso contam com a ajuda dos seus amigos bastões de caminhada. Esmiuçam as lojas de desporto em busca do melhor impermeável, porque nem a chuva os detém, têm no roupeiro calças que se transformam em calções, chapéus de várias espécies e meias especiais para trekking.

 

A minha sugestão: Drave

A esta aldeia abandonada no fundo de um vale entre três serras só se chega a pé. Uma das formas é, vindo de São Pedro do Sul, deixar o carro algures no caminho de terra batida que liga e estrada principal à aldeia e depois descer os (no mínimo) 3 quilómetros inacessíveis para um carro normal. Outra forma é fazer o trilho pedestre PR14 que começa em Regoufe, com cerca de 4 quilómetros para cada lado. Não sendo percursos longos, são desafiadores q.b., pois implicam subidas íngremes. Seja como for, vale bem a pena conhecer esta “aldeia mágica”, as suas casas de pedra meio arruinadas, a capelinha branca, o ribeiro com uma pequena cascata, ou o prado verde que ocupa uma encosta e parece coisa de filme.

Drave (2).JPG

Drave (1).JPG

Onde ficar: não há escassez de alojamento de qualidade na região em que Drave se insere, com alternativas para todos os gostos e bolsas.

Estas são apenas algumas sugestões:

opção conforto e romantismo – Inatel Palace São Pedro do Sul

opção descontraída e económica – Hi São Pedro do Sul

opção natureza – Lago da Garça Guest House

 

 

O casal citadino

Adoram o buzz das cidades, os lugares com muito movimento e gente, as ruas com lojas, a energia dos ambientes de festa, a oferta cultural variada. Já conhecem o mais recente restaurante da moda, não falham uma vernissage nem um concerto de música pop ou rock, e não vivem sem o seu grupo de amigos. Só consomem Netflix ou HBO e os seus gadgets electrónicos começam todos por “i”. Se estão dois dias sem irem ao ginásio, começam a ressacar.

 

A minha sugestão: Aveiro

Apesar de ainda não ser muito cosmopolita, Aveiro é ainda assim uma cidade moderna e carregadinha de animação. Para além da grande afluência de turistas, quase constante ao longo de todo o ano, as festas e os eventos sucedem-se uns aos outros e nota-se uma predominância de população jovem, sobretudo devido à sua Universidade. Tem mercados de rua com estilo, street art e um nunca acabar de restaurantes e cafés. Se tudo isto não fosse suficiente, tem São Jacinto e a Costa Nova mesmo ao lado, com a correspondente dose de quilómetros de areal e bares de praia.

Aveiro (4).JPG

Aveiro (3).JPG

Onde ficar: Hotel Jardim

Confortável, bem decorado e bem situado. Tem pacotes especiais para celebrar o Dia dos Namorados.

 

 

O casal clássico

Apreciam a tranquilidade e evitam a agitação e as grandes multidões. Gostam de conforto, de boa comida e bons vinhos, de herdades solarengas e miradouros com vistas amplas, de cidades e vilas onde o tempo escorre devagar. Têm uma preferência especial pelo barroco, por jardins em estilo francês, igrejas sóbrias, livros antigos e adegas vinícolas. Ouvem música clássica, vão à ópera e ao ballet, e ainda lêem jornais e revistas em papel.

 

A minha sugestão: Vila Real

Centenária e nobre, sede de diocese, e próxima do maravilhoso rio Douro, Vila Real tem muito para descobrir e oferecer. É rica em património cultural e histórico, com particular destaque para as suas igrejas. O Palácio de Mateus e os seus jardins são de visita obrigatória – a casa pelos seus salões e biblioteca, os jardins pelos parterres onde o bucho desenha arabescos intrincados e as cameleiras são rainhas, pelo lago onde repousa a bela adormecida que Cutileiro criou para o local, e pelo peculiar túnel de cedros. A sul de Vila Real, todas as maravilhas que o Douro tem para oferecer, sejam elas a icónica vista a partir de São Leonardo da Galafura, os vinhedos a desdobrarem-se em socalcos infinitos, ou a romântica Estrada Nacional 222, que acompanha o rio e já foi considerada (com cálculos matemáticos a prová-lo) a melhor estrada do mundo para conduzir.

Vila Real (1).jpg

Vila Real (2).jpg

Onde ficar: a oferta é imensa, e a dificuldade está em escolher. Ficam aqui duas sugestões cheias de encanto:

à beira do Douro: Quinta da Travessa, em Covelinhas

à beira da cidade: Casa Agrícola da Levada

 

 

O casal glamour vintage

Estão habituados a um estilo de vida confortável e não abdicam dele. Os móveis que têm em casa foram herança dos avós ou comprados em antiquários. É impensável usarem roupa que não seja feita por medida ou de uma boa griffe. Os fins-de-semana são habitualmente passados numa das quintas da família, onde se reúnem com pais, tios, primos e sobrinhos. Têm carro mas só o usam quando vão para fora; na cidade preferem andar de táxi. Nunca comeram fast food nem usam guardanapos de papel. Viajam pouco para o estrangeiro, a não ser quando vão em trabalho, e jamais em classe turística (enfim, se for para Madrid, que é já aqui ao lado, ainda vá que não vá…).

 

A minha sugestão: Buçaco

Uma floresta com vários ambientes fantásticos, onde é possível passearem durante horas sem verem vivalma, ou descansarem na companhia de um livro – e um do outro, claro está. Há um convento, uma Via Sacra, o Vale dos Fetos, fontes e miradouros, muito sossego e ar puro. Nos arredores, o Luso e a Curia, lugares igualmente cheios de charme e com a patine de outros tempos.

Buçaco (1).jpg

Buçaco (2).jpg

Onde ficar: Palace Hotel do Buçaco

Uma escolha óbvia que praticamente dispensa justificações. Um hotel maravilhoso, único no país, onde se respira a aura de tempos antigos.

 

 

O casal gourmet

São capazes de fazer quilómetros para irem comer qualquer coisa que lhes apeteça no momento. Escolhem os destinos de férias em função da gastronomia do local. Não contam os tostões quando se trata de comida e gostam de ir verificar in loco se a crítica favorável a um determinado restaurante é justificada. Em casa, a cozinha é a divisão mais importante, aberta para a sala para poderem conviver com os amigos à volta do forno e dos tachos. O canal preferido é o 24 Kitchen e todos os anos esperam ansiosamente para conhecer que restaurantes vão receber as célebres estrelas Michelin. Na culinária, gostam de tudo, desde que seja bem confeccionado e saboroso. Experimentam todas as novidades, mas não desdenham um belo prato tradicional.

 

A minha sugestão: Santarém

Admirados? Eu percebo a estranheza, pois não é a primeira cidade que vem à cabeça quando o assunto é gastronomia. Mas é mais que tempo de alterar esta percepção. Para lá da sopa da pedra pela qual Almeirim é famosa, há um bom número de razões para ir conhecer o que actualmente se faz de melhor na cidade de Santarém em termos culinários. Aqui encontram de tudo, desde os restaurantes mais simples onde o bitoque é rei até à cozinha de fusão com base em ingredientes tradicionais. Se duvidam, experimentem ir à Taberna Ó Balcão e provem o Coscorão do Rio até ao Mar ou a sobremesa Nem tudo é Limão. Se são mais amantes da boa comida tradicional, entrem numa das duas Taberna do Quinzena, n’A Grelha ou n’O Capote, ou petisquem no Tascá. Apetece-vos vegetariano? Vão ao Flor da Vida, por trás da Escola Secundária, onde até podem aproveitar a esplanada e depois namorar com vista para o Tejo e a lezíria ribatejana. E estes são só alguns nomes. No departamento das gulodices, todos os caminhos vão dar à Bijou, na Praça Sá da Bandeira. O motivo? Os pampilhos, os arrepiados, os celestes, os bijous… Ao lado, na Loja das Tradições, podem comprar vinhos, queijos e enchidos, doces, azeites e etc., tudo com selo de qualidade e na sua maioria de origem nacional. Depois podem “desmoer” as refeições em passeio pela cidade para conhecerem as suas igrejas e conventos (são “só” quinze) e os seus jardins.

Santarém (2).jpeg

Santarém (1).jpg

Onde ficar:

mais tradicional: Santarém Hotel

mais trendy: Hotel Umu

 

 

O casal “ninhada”

Dia dos Namorados ou não, é impossível passarem sem os filhos. Programa bom é mesmo com eles, e nada lhes dá maior satisfação do que verem-nos sorrir e divertir-se. Onde quer que vão, eles vão atrás, seja restaurante, passeio ou viagem. Só estão longe deles quando absolutamente necessário e estão sempre a pensar em novas formas de os distraírem e lhes darem “ferramentas” para serem adultos felizes e realizados. Em casa, a televisão está sempre sintonizada num canal de desenhos animados e há brinquedos por todo o lado. Os menus das refeições giram à volta das preferências das crianças. Compraram um carro maior para as cadeirinhas dos miúdos caberem à vontade e haver espaço extra para as malas. Pelos filhos, nada é sacrifício.

 

A minha sugestão: Lourinhã

No século XIX foram encontrados vestígios de dinossauros perto da Lourinhã e desde essa altura que se sabe que a região é rica em achados paleontológicos. Nos anos 90 do século passado encontraram-se ovos de dinossauro fossilizados em Paimogo e as descobertas continuam a suceder-se, cada uma mais importante que as outras. Não é sem razão que a Lourinhã é conhecida como a capital portuguesa dos dinossauros – e toda a gente sabe que os miúdos gostam de dinossauros. Além do Museu da Lourinhã, que expõe dinossauros únicos no mundo, fósseis de vários outros animais e, a somar a tudo isto, um enorme espólio etnográfico, abriu em 2018, nos arredores da vila, o Dino Parque, um parque temático ao ar livre que fará as delícias dos pequenos (e dos pais também).

Lourinhã (2).JPG

Lourinhã (1).JPG

Onde ficar:

num hotel: Hotel Figueiredos (Lourinhã)

numa casa: Zambeach House (Zambujeira, perto da praia da Areia Branca)

 

 

O casal romântico

Só têm olhos um para o outro. Vivem num mundinho muito seu, onde esporadicamente deixam entrar alguém. Raramente convivem com amigos, apenas abrindo excepções para datas festivas com a família. Tratam-se por “Mor” e passeiam de mãos dadas ou abraçados, mas o programa preferido é mesmo ficarem em casa só os dois. Telefonam-se um sem-número de vezes durante o dia e demoram cinco minutos a despedir-se. Gostam de lugares isolados, onde podem sentar-se durante muito tempo com as cabeças encostadas observando a paisagem ou o pôr-do-sol, trocando umas palavras de vez em quando. Lêem romances e poesia, preferem filmes dramáticos ou comédias românticas. Se por algum motivo tiverem de passar uma noite separados, não conseguem dormir.

 

A minha sugestão: Pateira de Fermentelos

É a maior lagoa natural da Península Ibérica, uma massa de água tranquila rodeada de extensas zonas arborizadas. Há locais para descansar e para piquenicar, zonas de lazer, pontes e pontões de madeira com mirantes. A diversidade biológica é grande, com uma forte componente ornitológica e de batráquios, mas também piscícola. A poucos quilómetros Águeda, cidade pequena e pacata com ruas agradáveis para passear.

Pateira de Fermentelos (2).JPG

Pateira de Fermentelos (1).JPG

Onde ficar: Estalagem da Pateira

Mesmo na margem da lagoa, isolada entre a água e o verde, local perfeito para descansar.

 

 

O casal surfista

O surf juntou-os e não vivem sem o mar e as ondas, a tal ponto que optaram por sacrificar uma boa parte do seu rendimento só para poderem pagar um T1 perto de uma praia boa para surfar. Como é óbvio, têm o rosto permanentemente bronzeado e o cabelo a fugir para o claro, tantas são as horas que passam ao sol. O carro tem tejadilho – para levar as pranchas. Passam férias em Bali ou na Costa Rica e vão à Nazaré assistir ao Tow Surfing Challenge. Desconhecem calças que não sejam de ganga, nos pés só gostam de chinelos de borracha ou ténis, e trabalham à distância ou como free lancers. Um bom peixinho grelhado e gelados são a sua comida favorita.

 

A minha sugestão: Praia da Arrifana

Como é óbvio, qualquer celebração tem de incluir umas quantas horas em cima da prancha. Em plena costa vicentina e já à entrada do Algarve, a praia da Arrifana é um dos paraísos do surf no nosso país, sobretudo fora da época estival. Tem boas ondas, uma paisagem deslumbrante, ar puro e um ambiente “cool”. O romantismo fica por conta do pôr-do-sol no mar, e se de repente tiverem vontade de outro cenário ou mais agitação, Sagres e Lagos ficam a poucas dezenas de quilómetros.

Arrifana (1).jpg

Arrifana (2).jpg

Onde ficar: Hi Arrifana Destination Hostel

Desde quartos deluxe até camaratas, há de tudo neste hostel, que além do mais aluga equipamento de surf e camper vans para quem quer estender a aventura até outras paragens.

 

Partilhar no Pinterest

Sugestões para passar o Dia dos Namorados em Portugal