Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Viajar porque sim

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Seg | 19.08.19

Cores de Aveiro

 

Eram nove e picos da manhã de um sábado de Verão quando descemos do hotel até ao centro da cidade em busca do pequeno-almoço. Depois da agitação da noite anterior, Aveiro estava posta em sossego. Os poucos carros que passavam nas ruas quase não faziam ruído, na areia da Funky Beach – uma praia improvisada junto ao Museu, cheia de pormenores engraçados – havia apenas uma criança a brincar, supervisionada por duas senhoras, e na Praça da República as franjas de tecido branco da instalação “Passagem” dançavam ao sabor da brisa que espalhava o calor.

Aveiro 1.jpgAveiro 2.JPGAveiro 3.JPG

 

Não durou muito esta calma. Sentada numa esplanada junto à ria vi as portas do centro comercial abrirem-se, o passeio pedonal repentinamente mais cheio de gente, os primeiros barcos multicoloridos a rolarem lestamente na direcção do Cais da Ponte Nova, ainda sem lotação completa mas já com os guias a apregoarem bem alto os pontos de interesse que vão desfilando nas margens. Quando terminei o pequeno-almoço, Aveiro já fervilhava de vida, e foi ao cruzar uma das pontes pedonais sobre o canal central – colorida como um arco-íris, um dos elementos dos “Caminhos de Luz” propositadamente criados para o Festival dos Canais – que me apercebi de que gosto desta cidade cada vez mais: estou oficialmente apaixonada por Aveiro.

Aveiro 4.JPGAveiro 5.JPG

Aveiro 6.JPGAveiro 7.JPG

 

Como qualquer pessoa no meu estado, todos os pretextos servem para rever o objecto da minha paixão. Esta foi a minha terceira visita a Aveiro nos últimos tempos, e descubro sempre mais razões para voltar. Desta vez o motivo foi o Festival dos Canais, um evento que se estende por vários dias e alia música, arte e performances variadas. Este ano na sua quarta edição, as estrelas eram Gilberto Gil, Mariza e um espectáculo de luz, som e pirotecnia a que chamaram “Contos da Lagoa”. Mas o que mais me fez vibrar foi mesmo a actuação dos britânicos Worldbeaters, percussionistas divertidos e cheios de energia que usam roupa com luzes LED para as suas actuações e deram um animadíssimo espectáculo de street music, evoluindo pela margem da ria por entre os milhares de pessoas que os rodeavam, seguiam, e por vezes “fugiam” à sua frente. Uma animação contagiante e colorida entre as também várias instalações coloridas criadas para o evento.

Aveiro 8.JPGAveiro 11.JPGAveiro 10.JPGAveiro 9.JPG

 

Com ou sem festival, cor é o que não falta em Aveiro. Os antigos moliceiros, hoje reconvertidos em barcos a motor para passear turistas, perderam a vela e o mastro mas não as suas pinturas naïf em cores primárias garridas. Nas ruas que ladeiam o Rossio, as fachadas dos edifícios Arte Nova rivalizam em pormenor decorativo e em cor – o mais emblemático de todos, a Casa do Major Pessoa, é actualmente um museu dedicado a este estilo arquitectónico. Os azulejos das casas do bairro da Beira-Mar (que em tempos teve o nome de Vila Nova) refulgem quando lhes bate o sol, e o amarelo da Ponte dos Carcavelos sobressai sobre o verde opaco do Canal de São Roque.

Aveiro 15.JPG

Aveiro 14.JPG

Aveiro 13.JPG

Aveiro 12.JPGAveiro 17.JPGAveiro 18.JPGAveiro 19.JPG

Aveiro 22.JPGAveiro 20.JPG

Aveiro 23.JPGAveiro 21.JPGAveiro 24.JPG

 

Um passeio de barco pela ria desvenda mais cores da cidade (sim, eu sei que é turisticamente cliché embarcar num destes passeios, mas já sabem que eu gosto de água, e neste caso só é pena os barcos agora serem a motor e o passeio demorar tão pouco tempo…). A antiga Capitania, que começou por ser um moinho de maré e depois deu apoio à fábrica de porcelana – e que eu conheci há uns bons anos ainda em triste de estado de degradação – é agora um edifício municipal que acolhe exposições, e o branco e creme cor-de-grão em que está pintado condizem com as cores do shopping que se estende pelo lado oposto do canal. Ao fundo, no Cais da Fonte Nova, domina o barro vermelho da antiga Fábrica Jerónimo Pereira Campos, onde até aos anos 60 do século passado se fabricavam tijolos e telhas e agora está alojado um centro de congressos e exposições. E numa das pontes pedonais sobre o Canal do Cojo milhares de fitinhas em todas as tonalidades esvoaçam ao sabor da aragem, testemunhas materiais dos sentimentos de quem quer mostrar a quem passa que a amizade e o amor estão vivos e de boa saúde na nossa sociedade. Versão menos “pesada” e mais alegre dos cadeados nos gradeamentos das pontes que entraram em moda há alguns anos, surgiu em 2004 por iniciativa de dois estudantes universitários e foi de tal modo bem acolhida que após obras de recuperação em 2016 a autarquia decidiu dar oficialmente à estrutura o nome de Ponte dos Laços da Amizade.

Aveiro 29.JPG

Aveiro 25.JPG

Aveiro 26.JPG

Aveiro 27.JPG

Aveiro 28.JPG

 

Nas gulodices mais famosas de Aveiro, por baixo do insuspeito tom esbranquiçado da hóstia espreita o amarelão do recheio. E eu, que até nem sou grande adepta de doce de ovos, rendo-me completamente a estas delícias conventuais, popularizadas sobretudo pelas freiras do antigo Mosteiro de Jesus, a que dão o nome de ovos moles. Os meus preferidos são os da fábrica Maria da Apresentação da Cruz, produzidos desde 1882 até aos nossos dias segundo os preceitos mais tradicionais, e gosto de os comprar na loja da Rua D. Jorge Lencastre, no bairro da Beira-Mar, onde o ambiente é mais tranquilo (têm uma loja mais recente em pleno centro da cidade, perto do Canal Central).

Aveiro 30.JPG

Aveiro 31.JPG

 

O amarelo, além do óbvio verde, é igualmente cor dominante no Parque da Cidade, também conhecido pelo mais elegante nome de Parque Infante D. Pedro. Este jardim é para mim um dos melhores segredos de Aveiro, um lugar tranquilo e com recantos surpreendentemente encantadores. É ocupado em grande parte por um lago sobre o comprido, cruzado por pontes e habitado por um sem-número de patos. Tem uma avenida de tílias, fontes, palmeiras e outra vegetação abundante, escadaria com painéis de azulejos, uma vereda de pérgulas cobertas por buganvílias (onde o rosa-choque e o amarelo combinam na perfeição) e um edifício a que chamam Casa de Chá, e o resultado de tudo isto é um cenário absolutamente romântico e perfeito para relaxar.

Aveiro 36.jpg

Aveiro 32.JPG

Aveiro 33.JPGAveiro 34.JPGAveiro 35.JPG

Aveiro 37.jpgAveiro 38.JPG

 

Azuis com um pouquinho de amarelo são os azulejos que revestem o edifício branco da antiga estação de comboios, ao lado do qual se acede agora aos cais de embarque através de um túnel subterrâneo. Azul também, mais forte e acompanhado de vermelho, é a cor da locomotiva diesel de 1964 do Comboio Histórico do Vouga, que já me levou a passear por entre paisagens em que o verde predomina, entrecortado pelas cores variadas do casario das aldeias por onde passa. Tal como no seu “primo” Comboio Histórico do Douro , a viagem no Vouguinha é animada por um grupo regional de folclore. O destino final do passeio é Macinhata do Vouga, onde existe um núcleo do Museu Nacional Ferroviário onde estão expostas diversas carruagens de comboios antigas, todas elas bem conservadas e muito interessantes. É aqui, por entre estas relíquias do passado, que assistimos a uma engraçadíssima recriação de hipotéticos episódios da vida quotidiana numa estação de comboios algures por inícios do séc. XX.

Aveiro 39.JPGAveiro 40.JPGAveiro 42.JPGAveiro 41.JPG

Aveiro 43.JPGAveiro 45.JPG

Aveiro 44.JPG

Macinhata do Vouga 1.JPG

 

Macinhata do Vouga 2.JPGMacinhata do Vouga 3.JPGMacinhata do Vouga 4.JPG

Macinhata do Vouga 5.JPG

Macinhata do Vouga 6.JPG

Macinhata do Vouga 7.JPG

 

No caminho de regresso o comboio faz uma paragem prolongada em Águeda para conhecermos as coloridíssimas obras de street art da cidade e passear sob as cores garridas dos chapéus-de-chuva que cobrem algumas ruas durante os meses de Verão: é o Umbrella Sky Project, uma iniciativa que nasceu aqui como parte do festival AgitÁgueda e já se tornou global. O que não é de estranhar, pois é uma experiência não só visualmente atraente, como sobretudo absolutamente encantatória – falo por mim, claro, mas senti-me como se estivesse dentro de um arco-íris…

Águeda 1.jpg

Águeda 8.JPG

Águeda 7.JPG

Águeda 6.JPG

Águeda 5.JPG

Águeda 4.JPG

Águeda 3.JPG

Águeda 2.JPG

 

Na ria de Aveiro as cores são outras, e mudam consoante os humores do tempo e as marés. Não há maneira melhor de as conhecer do que percorrendo os ainda recentes Passadiços da Ria de Aveiro entre o Cais da Ribeira de Esgueira e a Ponte Caída em Vilarinho. O percurso é fácil, quase sempre sobre a madeira castanha dos passadiços, que só aqui e ali é interrompida por pequenos troços em terra batida. A água desdobra-se em caleidoscópios de cores, ora nos prateados e azuis emprestados pelo céu, ora nos verdes e castanhos das misturas de terra e vegetação. Há bancos estilizados, também de madeira, onde podemos descansar enquanto aprendemos o significado de expressões populares ligadas aos afazeres do mar ou observamos as evoluções caprichosas do voo das aves que habitam a ria. E entre os juncos e outras plantas típicas dos sistemas lagunares escondem-se pequenos barcos, abandonados uns, outros apenas à espera do dono, fragmentos de cores vivas na placidez da paisagem.

Passadiços Aveiro 1.JPG

Passadiços Aveiro 4.JPGPassadiços Aveiro 2.JPGPassadiços Aveiro 3.JPG

Passadiços Aveiro 5.JPGPassadiços Aveiro 7.JPGPassadiços Aveiro 8.JPG

Passadiços Aveiro 10.JPG

Passadiços Aveiro 11.JPGPassadiços Aveiro 9.JPGPassadiços Aveiro 12.JPG

Colorida e vibrante – mesmo quando o tempo faz caretas – Aveiro é definitivamente uma cidade aonde me apetece sempre voltar e demorar-me, e em cada vez que a visito descobrir novas cores, novos motivos para continuar a apaixonar-me.

Aveiro 57.JPG

Aveiro 55.JPG

Aveiro 54.JPG

Aveiro 53.JPGAveiro 56.JPG

 

Partilhar no Pinterest

Cores de Aveiro.jpg