Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Em Londres já é Natal

 

Londres é uma cidade muito estimulante – provavelmente a cidade mais estimulante das que conheço. Há sempre tanto para ver e fazer, tanta coisa a acontecer ao mesmo tempo, que o difícil é conseguir arranjar tempo para tudo. Acabei de passar lá um fim-de-semana comprido, mas foi a primeira vez que visitei a cidade nesta altura do ano e venho absolutamente encantada!

Londres Natal Oxford Street 1.jpg

Já várias pessoas me tinham dito que em Londres o Natal começa cedo e é uma época fantástica para visitar a cidade, e agora subscrevo completamente essa opinião. Nesta altura Londres está ainda mais vibrante do que é costume. Apesar de já estar bastante frio, as ruas estão cheias de pessoas até bem depois de escurecer (e por aqueles lados a luz desaparece muito cedo, às cinco já é noite cerrada…), gente de todos os tamanhos e feitios, famílias com crianças, parzinhos, grupos de amigos – e obviamente também muitos turistas. As lojas estão igualmente cheias (de coisas lindíssimas e de gente), em muitos restaurantes a fila de espera transborda para a rua, e o ambiente geral é de festa. Claro que o trânsito está ainda mais complicado do que já é costume, há certos troços de rua em que se anda a passo de caracol, e temos a permanente sensação de que de repente abriram os portões de um qualquer festival de música e toda a gente saiu ao mesmo tempo. Mas nada disto incomoda de sobremaneira – pelo menos não me incomodou a mim, e eu sou pessoa que não aprecia grandes confusões.

 

É óbvio que três dias (incluindo as horitas de viagem), mesmo que bem aproveitados de manhã à noite, não chegam para descobrir todas as “iguarias” natalícias que Londres tem para oferecer nesta altura do ano; e também é verdade que algumas das iluminações já instaladas ainda não estavam a funcionar. Em contrapartida, tive a sorte de apanhar um fim-de-semana especial em que celebraram o Lord Mayor’s Day e o Remembrance Day, com direito a desfiles e a fogo-de-artifício – e a zonas da cidade com o trânsito desviado e complemente parado nalgumas ruas do centro. Felizmente Londres é uma cidade óptima para andar a pé, substancialmente plana e com passeios largos, e em qualquer linha de metro os comboios passam com uma frequência louca, às vezes com intervalos de um ou dois minutos. Só é pena os bilhetes terem um preço exorbitante para as nossas magras bolsas portuguesas.

 

Com dois fins-de-semana compridos à porta, Londres é uma opção excelente para uma escapadinha de poucos dias – há voos todos os dias, a várias horas diferentes, a oferta de alojamento é imensa e não faltam sítios onde comer, adequados a todos os gostos e orçamentos. Para abrir o apetite, aqui ficam as minhas impressões – pessoais e fotográficas – sobre o que vi por lá nestes dias.

 

Carnaby Street é para mim a rua com a decoração mais fantástica de tudo o que vi. Pegaram no tema “Christmas Carnival” e suspenderam entre os edifícios um sem-fim de exóticos pássaros, flores e outros motivos carnavalescos, numa orgia de cor que só por si é já uma festa – e surpreendentemente não choca nada com a ideia do Natal.

Londres Natal Carnaby 1.JPG

 

Londres Natal Carnaby 2.JPG

 

Londres Natal Carnaby 3.JPG

 

Em Chinatown, também no Soho, o portal da entrada e o Hotel W já por si têm um ar natalício, e as lanternas vermelhas tão tipicamente orientais ajudam a completar o ambiente. Isso e os magotes de pessoas nas ruas e nos restaurantes, que aqui são praticamente porta sim, porta sim.

 

Londres Natal Chinatown 1.JPG

 

Londres Natal Chinatown 2.jpg

 

Londres Natal Chinatown 3.JPG

 

O ex libris do Natal de Covent Garden é uma rena decorada com luzinhas colocada junto à entrada para James Street. O tradicional edifício do Apple Market, um dos melhores lugares para comprar presentes originais, está brilhante e cheio de luz, com dezenas de ornamentos inspirados nas formas do azevinho.

Londres Natal Covent Garden 1.jpg

 

Londres Natal Covent Garden 2.jpg

 

Não sendo exclusivo do Natal, o Glockenspiel do Swiss Court – a curta via pedestre que liga Leicester Square a Wardour Street – é especialmente adequado para observar nesta altura do ano. Oferecido a Londres nos anos 80 pela Suíça e o Liechtenstein, é um instrumento musical com 27 sinos que operam em conjunto com 11 figuras concebidas ao estilo suíço. Os sinos interpretam músicas variadas, e enquanto estão a tocar as figuras giram à volta do poste central que fixa o instrumento ao chão. Uma delícia!

 

Oxford Street é a meca londrina das compras. Com quase 2 km de comprimento, a rua comercial mais animada da Europa põe ao dispor de quem passa cerca de 300 lojas de todos os géneros – e por ali passa cerca de meio milhão de almas por dia. Nesta altura do ano serão certamente mais, e quase toda a gente traz sacos de compras nas mãos. Não é por isso de admirar que a grande maioria das decorações natalícias mais chamativas esteja concentrada nesta rua e nas ruas circundantes. Este ano, em parceria com a NSPCC (Sociedade Nacional para a Prevenção da Crueldade contra Crianças) e chamando a atenção para a campanha “Light Up Christmas for Children”, Oxford Street exibe 750.000 lâmpadas LED e 1778 bolas decorativas, a fazerem lembrar gigantescos flocos de neve.

Londres Natal Oxford Street 2.jpg

 

Londres Natal Oxford Street 3.JPG

 Oxford Street

 

Londres Natal Bond Street.jpg

 Bond Street

 

Londres Natal Slingsby Place.jpg

 Slingsby Place

 

Londres Natal South Molton Street.jpg

 South Molton Street

  

Também não é de estranhar que as montras das lojas sejam por si só um espectáculo delirante, competindo entre si para verem qual consegue atrair mais as atenções. A imaginação não tem limites no que toca a extravagância: objectos gigantes, portas de armários que abrem e fecham, roupeiros de onde saem monstros, malas e acessórios que sobem e descem dentro de chaminés… na decoração das montras, a tendência é tudo o que for mais divertidamente louco.

Londres Natal Debenhams 1.JPG

 

Londres Natal Debenhams 2.jpg

 Debenhams

 

Londres Natal House of Fraser.JPG

 House of Fraser, num estilo mais clássico

 

Londres Natal John Lewis.JPG

 John Lewis

 

Londres Natal Lego.jpg

 A fantástica loja da Lego

 

Londres Natal M&Ms 1.JPG

 

Londres Natal M&Ms 2.JPG

 A mega loja da m&ms, vários pisos com tudo o que se possa imaginar e cheia de gente

 

Londres Natal Hamleys.jpg

Hemleys, a loja de brinquedos mais famosa de Londres

 

Mas as montras mais bem conseguidas, na minha opinião, são as da H&M – com uma concepção simples mas muito original e fabulosamente executadas, as fotografias não conseguem transmitir o enorme impacto que elas causam.

Londres Natal H&M 1.JPG

 

Londres Natal H&M 2.JPG

 

E claro que eu não poderia ir a Londres sem voltar à minha livraria preferida. A Stanfords é uma livraria e-nor-me dedicada a um só tema – as viagens, pois claro! Ali encontramos tudo sobre todo o mundo, desde os clássicos aos guias de bolso, e ainda mapas e uma enorme variedade de artigos com motivos desta temática. Agora adivinhem lá onde é que eu perdi a cabeça e comprei uma boa parte das minhas prendas de Natal…

Londres Natal Stanfords 1.JPG

 

Londres Natal Stanfords 2.jpg

 

Londres é também uma cidade divertida, e não faltam espectáculos, eventos e animações para todos os gostos e todas as idades – e não é o facto de chover com frequência que tira as pessoas da rua. As actividades ao ar livre são mais que muitas, e patinar no gelo é só uma dessas possibilidades. No recinto exterior do Museu de História Natural, no bairro de Kensington (mesmo ao lado do meu museu preferido, o Victoria & Albert), está montado um ringue de gelo para quem quiser exibir-se em voltas e piruetas, ou simplesmente entreter-se um bocado tentando não cair. O belíssimo edifício do Museu e as árvores circundantes são um cenário mais-que-perfeito, e a enorme árvore de Natal no centro do ringue e música animada a sair das colunas dão o ambiente de festa necessário para a diversão. Para os mais inexperientes, há uns divertidos pinguins (bonecos, obviamente…) que ajudam a evitar quedas.

Londres Natal Ringue Museu 1.jpg

 

Londres Natal Ringue Museu 2.jpg

 

Para quem vibra com o Natal, Londres é o lugar certo para visitar nesta altura do ano. E para quem já deixou de achar graça à quadra natalícia (e confesso que me incluo neste grupo), também é – não há como não ser contagiado pelo ambiente de festa que se vive na cidade durante esta época.

 

 

Agora digam lá que não ficaram com vontade de ir... :-)

 

 

  Partilhar no Pinterest

Em Londres já é Natal.jpg

 

Na ilha das Flores - parte VI

 

Embora menos espectacular do que a sua congénere do ponto cardeal oposto, a costa leste da ilha das Flores tem uma beleza própria, e a estrada que percorre a costa entre Santa Cruz e o extremo norte da ilha é mais um passeio obrigatório.

 

Ponta do Albarnaz, Flores.jpg

 

Logo depois de passar Fazenda de Santa Cruz a primeira paragem é no Miradouro dos Caimbros, de onde se tem uma vista desafogada sobre a baía da Alagoa e os seus ilhéus inconfundíveis, e também um primeiro vislumbre da ilha do Corvo, muito ao longe, disfarçada por entre as nuvens baixas.

 

Caimbros, Flores (1).jpg

 

Caimbros, Flores (2).JPG

 

Caimbros, Flores (3).JPG

 

Caimbros, Flores (4).JPG

 

Caimbros, Flores (5).JPG

 

Meia dúzia de quilómetros mais à frente, em Cedros, novo miradouro e nova paragem. Daqui é possível ver uma bela parte da costa leste da ilha, com Santa Cruz para o lado direito e os ilhéus Garajau e de Álvaro Rodrigues para a esquerda, e com o Corvo sempre no horizonte longínquo.

 

Cedros, Flores (1).JPG

 

Cedros, Flores (2).JPG

 

Cedros, Flores (3).JPG

 

Cedros, Flores (4).JPG

 

Cedros, Flores (5).JPG

 

Cedros, Flores (6).JPG

 

Entre os Cedros e a localidade de Ponta Ruiva é possível fazer um percurso pedestre (não circular) de 3,7 km, que tem um dos seus extremos na Igreja dos Cedros e o outro no Espírito Santo de Ponta Ruiva. Já para os menos afoitos, ou para quem esteja apertado de tempo, a partir da estrada basta descer um pouco para chegar a um miradouro que oferece uma belíssima panorâmica para o original Ilhéu Furado.

 

Ponta Ruiva, Flores (1).JPG

 

Ponta Ruiva, Flores (2).JPG

 

Ponta Ruiva, Flores (3).JPG

 

Ponta Ruiva, Flores (4).JPG

 

Ponta Delgada

De Cedros até Ponta Delgada (o nome é o mesmo, mas nada mais tem em comum com a cidade homónima de São Miguel, tirando o facto de serem ambas em ilhas açorianas) é mais uma dúzia de quilómetros. Na baía com o mesmo nome, relativamente abrigada, foi construído um pequeno porto que tem ar de servir também como uma espécie de zona de lazer – cá em cima há um belíssimo e bem arranjado parque de merendas, com um parque infantil e um amplo estacionamento mesmo ao lado; e lá em baixo, sobre a água, havia quem se atrevesse a praticar equilibrismo (com um sucesso relativo...) numa corda estendida entre duas extremidades do pontão.

Ponta Delgada, Flores (1).JPG

 

Ponta Delgada, Flores (2).JPG

 

Ponta Delgada, Flores (3).JPG

 

Ponta Delgada, Flores (4).JPG

 

Ponta Delgada, Flores (5).JPG

 

Localizada numa zona muito fértil e irrigada e dispondo de um porto abrigado, não admira que Ponta Delgada tenha sido uma das primeiras zonas das Flores a ser povoada. Existem documentos que apontam para que tenha começado a ser habitada ainda no séc. XVI. Cem anos depois teria cerca de 650 habitantes, e em meados do séc. XIX mais de 1250. A partir dessa altura a população da localidade começou a decair aceleradamente, sobretudo devido à emigração para a América do Norte e à deslocação interna de residentes para localidades mais a sul, e hoje em dia o número de habitantes é inferior a 400.

Ponta Delgada, Flores (6).JPG

 

Ponta Delgada, Flores (7).JPG

 

No entanto, esta terra pacata tem dois enormes trunfos, qualquer deles por si só merecedor da deslocação. O primeiro é especialmente dedicado a quem gosta de comer bem, e chama-se “O Pescador”. Consta que é o melhor restaurante da ilha, e eu tendo a concordar, embora a minha opinião não seja das mais abalizadas porque não os conheci todos. Mas que se come lá muito bem, disso não tenham dúvidas. As lapas são de comer e chorar por mais e o peixe é fresquíssimo e bem cozinhado. O restaurante é simples e despretensioso mas agradável, com decoração nas paredes alusiva ao nome, e o dono é uma simpatia – como praticamente toda a gente com quem nos cruzámos na ilha, note-se.

 

O Pescador, Ponta Delgada, Flores (1).JPG

 

O Pescador, Ponta Delgada, Flores (2).jpg

 

O Pescador, Ponta Delgada, Flores (3).JPG

 

O Pescador, Ponta Delgada, Flores (4).JPG

 

O Pescador, Ponta Delgada, Flores (5).JPG

 

Ponta do Albarnaz

Três quilómetros para leste de Ponta Delgada fica a segunda grande razão para irmos até ao norte da ilha: o emblemático Farol do Albarnaz. Encavalitado sobre a falésia, isolado no meio de uma enorme extensão de pastos verdejantes, com a torre encarnada a destacar-se contra o azul-cinza do mar e do céu, parece um guardião do fim do mundo. Começou a funcionar em 1925 e orienta a navegação em toda a costa noroeste da ilha, sendo visível até ao Corvo.

Farol do Albarnaz, Flores (1).JPG

 

Farol do Albarnaz, Flores (2).JPG

 

Farol do Albarnaz, Flores (3).jpg

 

Farol do Albarnaz, Flores (4).JPG

 

Dizer que a Ponta do Albarnaz é ventosa é dizer pouco – fora do carro parece que o diabo anda à solta. Quem não aparenta incomodar-se com isso são as vacas. Nem com isso, nem connosco, pois apenas uma ou outra se dignou dirigir-nos um olhar vagamente curioso, para de seguida voltar as suas atenções para a erva. À nossa volta, sobre as colinas suaves, estendiam-se pastagens a perder de vista, em concorrência directa com o mar infinito, e eu pensei que durante a sua (provavelmente curta) vida aquelas vacas devem ser mesmo felizes.

Ponta do Albarnaz, Flores (1).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (2).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (3).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (4).jpg

 

Ponta do Albarnaz, Flores (5).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (6).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (7).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (8).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (9).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (10).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (11).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (12).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (13).JPG

 

Ponta do Albarnaz, Flores (14).JPG

 

Em franco contraste com a indiferença a que as vacas nos votaram, quando de regresso a Ponta Delgada parámos ao pé do pequeno parque de merendas junto à Ribeira do Moinho, de imediato vieram ter connosco os patos e galinhas que por ali andam à solta. O lugar é bonito e estava mesmo a pedir um piquenique, mas para azar dos bicharocos nós não tínhamos nada que pudesse servir-lhes de refeição. Ainda retenho na memória os quacs reprovadores que nos lançaram ao perceberem que não íamos satisfazer-lhes a gulodice.

 

Ribeira do Moinho, Flores (1).JPG

 

Ribeira do Moinho, Flores (2).JPG

 

Ribeira do Moinho, Flores (3).JPG

 

Ribeira do Moinho, Flores (4).JPG

 

Ribeira do Moinho, Flores (5).JPG

 

Ribeira do Moinho, Flores (6).JPG

 

Ribeira do Moinho, Flores (7).JPG

 

Ribeira do Moinho, Flores (8).JPG

 

 

Ao todo, foram praticamente quatro os dias que passei nas Flores. Dias suficientes para me aperceber de como a ilha é linda, mas que não chegaram para conhecer tudo o que ela tem para oferecer. Não faz mal, eu não me importo. Em todos os lugares, gosto de ficar sempre com qualquer coisa por ver – porque assim tenho uma boa desculpa para voltar.

 

 

← Na ilha das Flores - parte V

 

 Partilhar no Pinterest

 

Na Ilha das Flores - parte 6.jpg