Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Na ilha das Flores - parte V

 

Santa Cruz das Flores

 

A principal localidade da ilha das Flores não é propriamente espectacular ou sequer muito atraente, mas ainda assim tem vários pontos de interesse para explorar.

 

Santa Cruz das Flores 1.jpg

  

Santa Cruz das Flores 7.JPG

 

Santa Cruz desenvolveu-se a partir do primeiro povoado da ilha, estabelecido por um fidalgo flamengo a partir de 1470, e a sua referência mais antiga como “vila” data de 1548. No início do séc. XVII já era identificada como “cabeça da ilha”, sobretudo por ter o melhor porto –  a vila teria nesta altura cerca de 900 habitantes.

 

Santa Cruz das Flores 5.JPG

Santa Cruz das Flores 4.JPG

 

Santa Cruz das Flores 6.JPG

 

A colonização foi essencialmente lusitana, com nítidas influências do interior do país, sobretudo do Alentejo e do Minho, tanto a nível arquitectónico como social e cultural.

 

Santa Cruz das Flores 3.jpg

 

Entrando pela estrada do sul, que faz a ligação com Lajes das Flores (a segunda localidade de maior importância nas Flores), o primeiro edifício que chama a atenção mesmo à entrada de Santa Cruz, do lado direito, é o novo Museu e Auditório Municipal das Flores: dois grandes volumes de formas geométricas e arrojadas em branco e antracite, rodeados de relva. Ao lado, passando o parque de estacionamento, letras brancas garrafais pintadas sobre o pavimento escuro resumem a história dos primórdios da ilha. Inaugurado em Dezembro de 2014, é o equipamento cultural e recreativo de vulto mais recente em Santa Cruz.

 

Museu e Auditório das Flores 1.jpg

 

Museu e Auditório das Flores 2.JPG

 

Museu e Auditório das Flores 3.JPG

 

Museu e Auditório das Flores 4.JPG

 

Museu e Auditório das Flores 5.JPG

 

Museu e Auditório das Flores 6.JPG

 

Museu e Auditório das Flores 7.JPG

 

Museu e Auditório das Flores 8.JPG

 

Também impossível de ignorar, um pouco mais à frente na mesma estrada, a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição é uma das maiores igrejas dos Açores, e é visível de praticamente qualquer ponto da vila. O início da sua construção data do séc. XVIII mas a sua consagração como templo só ocorreu em 1859. Edificada em alvenaria pintada de branco e com motivos estruturais e decorativos em cantaria cinza escura, como é típico na maioria das igrejas açorianas, as cúpulas bulbosas das duas torres sineiras dão-lhe no entanto um certo ar “oriental”. Na fachada principal tem nada mais, nada menos do que três portas e dez janelas, a maioria de dimensão razoável, além de uma multiplicidade de ornamentos vários, como colunas, capitéis e molduras, rosáceas e conchas. Esta profusão de elementos poderia tornar-se exagerada, mas na verdade o conjunto resulta bastante harmonioso e fora do comum.

 

Igreja Matriz N.Sra.Conceição 1.JPG

 

Igreja Matriz N.Sra.Conceição 2.JPG

 

Igreja Matriz N.Sra.Conceição 3.JPG

 

Igreja Matriz N.Sra.Conceição 4.JPG

 

Bem perto, numa rua lateral, outro dos edifícios icónicos de Santa Cruz: o convento de São Boaventura, igualmente conhecido como Igreja de S. Francisco. Em tempos também foi branco e cinzento, mas entretanto modernizou-se e hoje o cinza foi substituído pelo amarelo. Terá sido construído em meados do séc. XVI, em cumprimento de uma promessa pela restauração da independência de Portugal, e tem tido uma vida no mínimo atribulada: de convento franciscano passou a hospital da Santa Casa da Misericórdia de Santa Cruz, em 1969 tornou-se escola preparatória, e actualmente aloja o Museu (etnográfico) das Flores, com o Centro de Saúde no edifício que lhe está anexo.

 

Convento de São Boaventura 1.JPG

 

Convento de São Boaventura 2.JPG

 

Convento de São Boaventura 3.JPG

 

Convento de São Boaventura 4.JPG

 

A caça à baleia foi desde meados do séc. XIX, e até à sua proibição na Europa, uma das actividades principais das ilhas açorianas. Em Outubro de 1941 iniciou-se a construção, em Santa Cruz das Flores, de uma fábrica destinada à transformação de cetáceos e aproveitamento dos seus derivados. “O local escolhido para a instalação da fábrica foi o Boqueirão, porto natural abrigado dos ventos dominantes, onde as actividades ligadas ao aproveitamento do cachalote eram uma prática que vinha desde o séc. XIX” (excerto de um painel informativo do Museu). A fábrica começou a laborar em 1944, precisamente a altura do apogeu mundial da baleação e da subida do preço daquele óleo. Foi a primeira grande indústria florentina a ser criada e veio beneficiar em grande escala a população local. Nos anos 50 e 60 a laboração atingiu o seu pico, tendo o número mais elevado de animais capturados (103!) sido conseguido em 1963.

 

As instalações funcionaram até 1981, ano em que foi caçada a última baleia que ali foi depois transformada. Nesta altura havia já poucos baleeiros na ilha e a actividade tendia a desaparecer – as farinhas e os óleos produzidos a partir de cetáceos estavam a ser rapidamente substituídos por idênticos produtos de outras origens, obtidos a um custo mais baixo.

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 1.JPG

 

A fábrica esteve ao abandono até que foi decidida a sua recuperação e integração no núcleo do Museu das Flores. Terminadas as obras de reconstrução em 2011, o edifício começou de imediato a receber visitantes em grande número – em 2014 foram cerca de dois mil, mais do dobro dos habitantes da ilha das Flores. Em Julho de 2015 foi oficialmente inaugurado o Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão, destinado a preservar a história da actividade baleeira na ilha, e para a concepção do qual muito contribuíram a memória e o material de vários antigos baleeiros e operários.

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 2.JPG

 

O Museu situa-se no extremo nordeste de Santa Cruz, junto ao Hotel das Flores e à zona balnear do Boqueirão, e muito perto das piscinas naturais. No edifício completamente branco destaca-se a sua enorme chaminé, e no amplo pátio perto da entrada os visitantes são saudados por uma (felizmente!) pouco real representação de um cachalote esquartejado.

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 3.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 4.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 5.JPG

 

Apesar de hoje ser impossível (para mim, pelo menos) olhar para a actividade baleeira sem pensar nela como barbárie, a verdade é que ela foi durante décadas o sustento de muitas famílias açorianas. E embora não se encontrassem todos exactamente em igualdade de circunstâncias, a luta entre humanos e animais não era fácil nem rápida para nenhum dos lados – se bem que não fosse habitual um final feliz para a baleia, muitos foram os homens que também perderam a vida nestas lides. Por isso tentei, ao visitar o Museu, pôr de lado o meu espírito crítico e simplesmente aproveitar a oportunidade para aumentar os meus (poucos) conhecimentos sobre o assunto. E podem crer que neste aspecto o Museu cumpre totalmente a função que se propõe. Os diversos espaços estão bem concebidos e distribuídos de modo a que a visita vá decorrendo de forma fluida, fornecendo o máximo de informação possível sem que isso se torne aborrecido ou saturante.

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 6.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 7.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 8.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 9.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 10.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 11.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 12.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 13.JPG

 

Vários ambientes diferentes foram recriados, há vídeos com reportagens e entrevistas, muitos painéis informativos, objectos, maquetes e desenhos explicativos, e até mesmo a recriação de um bote baleeiro. Ficamos a saber praticamente tudo tanto sobre a caça à baleia nas Flores, como sobre a indústria de transformação para que o edifício foi utilizado, e até mesmo o seu funcionamento técnico. E nem os miúdos ficaram esquecidos, pois há algumas zonas especificamente destinadas à sua distracção.

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 14.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 15.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 16.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 17.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 18.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 19.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 20.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 21.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 22.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 23.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 24.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 25.JPG

 

Museu da Fábrica da Baleia do Boqueirão 26.JPG

 

É, em suma, um museu moderno e muito interessante, que vale mesmo a pena visitar.

 

 

← Na ilha das Flores - parte IV

  Na ilha das Flores - parte VI →

 

 

 Partilhar no Pinterest

 

Na Ilha das Flores - parte 5.jpg

 

2 comentários

Comentar post