Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Na ilha das Flores - parte III

 

A beleza natural da ilha das Flores é inversamente proporcional ao seu tamanho. Sendo uma das ilhas açorianas mais pequenas (apenas cerca de 140 km2) e estando a 1900 km de Portugal Continental, acaba por ser turisticamente menos divulgada do que algumas das outras ilhas, razão pela qual não é (felizmente) afectada pelo turismo de massas. Mantém-se por isso meio selvagem e ainda praticamente inalterada pela mão humana. Pertence desde 2009 à Rede Mundial de Reservas da Biosfera da UNESCO, precisamente pela sua natureza bem conservada, com grande abundância de floresta Laurissilva, pelos aspectos paisagísticos, geológicos, ambientais e culturais, e também pela área marinha adjacente.

 

Lagoa Funda, Flores (1).JPG

 

Sete Lagoas

 

De origem vulcânica, na caldeira de um dos seus vulcões primordiais está encerrado um conjunto de sete lagoas, todas diferentes e cada uma com características muito específicas. Alojadas no mesmo planalto, são facilmente visitáveis de carro a partir da estrada que rasga a ilha ao meio para ligar Santa Cruz das Flores à costa oeste. Mas… para as ver é preciso que não haja nevoeiro, pelo que a tarefa nem sempre se afigura fácil. Daí que o conselho do Ricardo, o nosso anfitrião, foi que as visitássemos assim que o tempo estivesse suficientemente limpo, sobretudo porque se previa um ligeiro temporal para breve.

 

Lagoa Branca, Flores (1).jpg

 

Com a sorte a continuar do meu lado, a meio da manhã do nosso segundo dia na ilha o sol começou a dar um ar da sua graça, e nem pensámos duas vezes: enfiámo-nos no carro e lá fomos nós em busca das lagoas. Quatro delas encontram-se bastante perto umas das outras: a Branca, rodeada de tufos calcários (daí a cor…); a Seca, que apenas tem água num dos cantos mas em contrapartida nos oferece toda uma paleta de tons de verde; a Comprida, de formato irregular e estrategicamente encimada por uma queda de água; e mesmo ao lado, a Negra, alojada numa cratera quase circular e cujo nome lhe advém da escuríssima tonalidade da água, que se deve à sua grande profundidade: quase 110 metros.

 

Lagoa Branca, Flores (2).JPG

 

Lagoa Branca, Flores (3).JPG

 

Lagoa Branca, Flores (4).JPG

 

Lagoa Branca, Flores (5).JPG

 

Lagoa Seca, Flores (1).jpg

 

Lagoa Seca, Flores (2).JPG

 

Lagoa Seca, Flores (3).JPG

 

Lagoa Seca, Flores (4).JPG

 

Lagoa Seca, Flores (5).JPG

 

Lagoa Seca, Flores (6).JPG

 

Lagoa Seca, Flores (7).JPG

 

Lagoa Seca, Flores (8).JPG

 

Lagoa Negra e Lagoa Comprida, Flores (1).jpg

Lagoa Comprida, Flores (1).JPG

 

Lagoa Comprida, Flores (2).JPG

 

Lagoa Comprida, Flores (3).JPG

 

Lagoa Comprida, Flores (4).JPG

 

Lagoa Negra, Flores (1).JPG

 

Lagoa Negra, Flores (2).JPG

 

Lagoa Negra, Flores (3).JPG

 

Lagoa Negra, Flores (4).JPG

 

Lagoa Negra e Lagoa Comprida, Flores (2).JPG

 

Mais a sul, duas outras lagoas, lado a lado e apenas separadas por uma estrada, mas situadas a cotas bem diferentes: a Rasa, que fica à mesma altura da estrada (e 600 metros acima do nível do mar), e a Funda – que é a minha favorita. Desculpem-me a parcialidade, mas assim que parámos no miradouro e pus os olhos nela fiquei imediatamente cativada. A vertente que a delimita a sul está coberta de coníferas (adoro este tipo de árvores!), grupos de troncos secos emergem erectos da água, que tem um tom verde leitoso, e no lado norte há umas pequenas cascatas que a alimentam. Vieram-me à memória as imagens dos lagos canadianos rodeados de florestas – e a reminiscência não é assim tão descabida quanto isso, se pensarmos que a ilha das Flores já se encontra sobre a Placa Norte-Americana.

 

Lagoa Rasa, Flores (1).JPG

 

Lagoa Rasa, Flores (2).JPG

 

Lagoa Rasa, Flores (3).JPG

 

Lagoa Funda, Flores (2).JPG

 

Lagoa Funda, Flores (3).JPG

 

Lagoa Funda, Flores (4).JPG

 

Lagoa Funda, Flores (5).JPG

 

Lagoa Funda, Flores (6).JPG

 

Lagoa Funda, Flores (7).JPG

 

Lagoa Funda, Flores (8).JPG

 

Lagoa Funda, Flores (9).JPG

 

A sétima lagoa dá pelo nome de Lagoa da Lomba. É uma das mais pequenas e a de mais fácil acesso pedestre. Mas nós não chegámos a ir visitá-la, que as horas do dia nunca chegam - infelizmente! - para ver tudo o que merece ser visto.

 

 

← Na ilha das Flores - parte II

  Na ilha das Flores - parte IV →

 

 

 Partilhar no Pinterest

 

Na Ilha das Flores - parte 3.png