Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

E Marrocos aqui tão perto

 

No estreito de Gibraltar, apenas 15 km mal medidos de água do mar separam Tarifa, no extremo sul de Espanha, de Tânger, no norte de Marrocos. A partir do Rochedo de Gibraltar, em dias claros é possível ver nitidamente o Jbel Moussa, a montanha com 850 metros que se ergue no extremo norte da costa marroquina. Há mais de cinco dezenas de travessias de ferry diárias que ligam Tânger às cidades espanholas de Algeciras e Tarifa. E todos os dias há voos directos que unem Portugal a várias grandes cidades marroquinas – como Casablanca, Marraquexe ou Fez – em pouco mais de uma hora. Marrocos está mesmo muito perto de nós.

 

Marraquexe (105).jpg

 

E no entanto, em Marrocos parece que estamos a muitos milhares de quilómetros do nosso país, como se num tão curto espaço de tempo tivéssemos atravessado meio mundo para lá chegar. Viajar em Marrocos não é só viajar no espaço para um outro continente – é viajar também no tempo, recuando para uma realidade que era em certos aspectos nossa ainda não há 50 anos, e viajar no nosso imaginário para tentar encontrar pontos de contacto entre a ideia (quiçá romântica) que temos deste país e aquilo que ele realmente é: um cadinho de culturas, de surpresas, e de anacronismos.

 

P1700894.JPG

Fez (18).jpg

 

Fez (21).jpg

 

Com uma área cinco vezes maior que a de Portugal e quase 13 séculos de existência (o primeiro estado marroquino foi fundado em 788), e com uma cultura que mistura influências berberes, árabes, europeias e da África subsaariana, em Marrocos há evidentemente muito para ver e absorver. Há cidades modernas como Casablanca ou Rabat, estâncias balneares criadas para satisfazer o turismo de massas, montanhas onde se esquia no Inverno, e grandes áreas de deserto onde nem sequer faltam enormes dunas de areia. Há ruínas romanas, aldeias que são cenários de filme, desfiladeiros rochosos, bosques de cedros, palmeirais que se perdem de vista, medinas labirínticas e, sobretudo, um mundo de contrastes onde o tradicional e o moderno coabitam em partes iguais sem grandes atropelos aparentes.

 Marraquexe (108).jpgMarraquexe (1).jpg

Entre o tanto que há para conhecer em Marrocos, há contudo alguns lugares que são incontornáveis e merecem uma visita mais atenta e demorada. Estes são apenas alguns deles.

 

 

CHEFCHAOUEN

 

Chefchaouen 5.JPG

 

Chefchaouen (7).jpg

 

Chefchaouen (8).jpg

 

Chefchaouen (9).jpg

 

Esta pequena cidade azul e branca é um dos locais mais turísticos do país, mas consegue no entanto conservar um ambiente tranquilo e um encanto muito especial. Mantendo as suas características mais tradicionais – ruelas e escadarias estreitas e sinuosas, onde os gatos são uma constante e até encontramos cabras à solta, roupa a secar ao sol em frente às casas, restaurantes onde nos sentamos em cadeiras baixinhas e canapés estofados – está apesar disso mais “europeizada”, facto a que não será certamente alheia a sua posição geográfica no país, já bastante a norte.

 

Chefchaouen 4.JPG

 

Chefchaouen 8.JPG

 

A não perder: os cantos e recantos que encontramos ao virar de cada esquina. Chaouen (como também é conhecida) é perfeita para nela nos perdermos durante horas sem nunca sentir aborrecimento.

Chefchaouen 6.JPG

 

Chefchaouen 7.JPG

 

 

FEZ

 

Fez (4).jpg

 

Fez (51).jpg

 

A segunda maior cidade marroquina (a maior é Casablanca) está na realidade dividida em três zonas bem distintas: Fes-el-Bali (a cidade antiga, fundada no séc. VIII); Fes-el-Jdid (a parte nova, construída no período em que o país foi protectorado francês, entre 1912 e 1956); e o Méchouar, o complexo do palácio real. Fez é a mais antiga cidade imperial de Marrocos e foi por diversas vezes capital do país; pela sua importância histórica, cultural e espiritual é também um dos ícones da civilização islâmica. Menos divulgada turisticamente do que outras suas congéneres, Fez é provavelmente a cidade mais interessante de Marrocos, e aquela que merece mais tempo de visita.

 

Fez (5).jpg

 

Fez (29).jpg

 

Fez (37).jpg

A não perder: a medina de Fes-el-Bali; classificada como Património Mundial pela Unesco desde 1981, tem várias particularidades que a tornam especial – é a maior zona livre de veículos automóveis do mundo, um perímetro murado com 20 quilómetros que ocupa 350 hectares e contém no seu interior 9400 vielas, mais de 13 mil edifícios, 3 mil monumentos históricos, e cerca de 200 mil fassi (habitantes de Fez); abriga, entre muitas outras jóias, a universidade de al Quaraouiyine, fundada em 859, o que faz dela a mais antiga universidade do mundo ainda em funcionamento; e no souq dos curtumes, uma ampla (e fétida…) área ao ar livre, as peles de animais continuam a ser tratadas manualmente em grandes tanques por homens imersos na água até à cintura, num processo que quase não mudou desde os tempos medievais. Numa primeira visita à medina vale muito a pena contratar um bom guia oficial, que nos leva prontamente a todos os locais de interesse e nos elucida sobre muitos aspectos da cultura e da sociedade marroquinas.

 

Fez (2).jpg

 

Fez (12).jpg

 

Fez (19).jpg

 

Fez (42).jpg

 

Fez (43).jpg

 

Fez (56).jpg

 

Fez (60).jpg

 

VOLUBILIS

 

Volubilis (1).jpg

 

Volubilis (17).jpg

 

Marrocos consegue manter ainda vários segredos pouco divulgados, e as ruínas romanas de Volubilis são um deles. Engane-se quem julgar, vendo o local ao longe, que são meia dúzia de pedras sem interesse. Também classificado (desde 1997) como Património Mundial pela Unesco, o local está a ser actualmente escavado e recuperado, pondo a descoberto belíssimos mosaicos e algumas estruturas (relativamente) intocadas. A cidade foi fundada pelos cartagineses no séc. III a.C., mas foram os romanos que a desenvolveram, sensivelmente a partir de 25 d.C. Foi uma cidade próspera e vibrante, tendo atingido no seu auge uma população de 20 mil almas. Abandonada no séc. XI, e mais tarde extremamente danificada pelo terramoto de 1755 (sim, esse mesmo, o que destruiu Lisboa), muitos dos elementos arquitectónicos em mármore que ali subsistiam foram retirados do local para uso na cidade de Meknès, que fica a cerca de 30 km – duas das colunas coríntias que ornam a famosíssima porta Bab Mansour, em Meknès, vieram de Volubilis. Em 2011 foi construído, junto à entrada do sítio arqueológico, um moderno edifício que funciona como museu e centro de apoio aos visitantes.

 

Volubilis (9).jpg

 

Volubilis (12).jpg

 

Volubilis (16).jpg

 

Volubilis (22).jpg

 

Volubilis (23).jpgVolubilis (19).jpg

 

A não perder: a melhor hora para visitar Volubilis é à tarde, quando o sol já começa a declinar – para evitar a hora de maior calor e também para usufruir do bonito pôr-do-sol naquele ambiente especial. E se alguém vos disser que meia hora chega para visitar o local, não acreditem: Volubilis é para ser apreciada com calma.

 

Volubilis (27).jpgVolubilis (24).jpg

  

AZROU

 

Azrou 3.jpg

 

P1720352 cópia.jpg

 

Aninhada no Atlas, e tal como a vizinha cidade de Ifrane, Azrou deve grande parte da fama à sua estância de esqui e por isso é sobretudo frequentada no Inverno. Aqui a arquitectura reflecte totalmente essa vocação, e parece que estamos numa qualquer cidadezinha alpina e não em pleno norte de África. Mas o maior ponto de interesse desta zona durante todo o ano é o bosque de cedros que se estende às portas da cidade, e sobretudo os seus habitantes especiais: os macacos-berberes (ou macacos-de-gibraltar). Apesar de a sua população estar a diminuir drasticamente, ainda é relativamente fácil vê-los mesmo junto à estrada que passa pelo bosque – e não é raro ter de parar o carro para deixar que atravessem sem riscos de atropelamento.

Azrou 6 (1).jpg

Azrou 1.jpg

 

Azrou 4.jpg

 

A não perder: tentar ver os macacos, obviamente. Não é permitido parar o carro na estrada, mas é obrigatório reduzir (muito!) a velocidade, pelo que com um pouco de sorte é possível avistar alguns. O ideal será fazer um percurso a pé pelo bosque, com cedros lindíssimos, alguns deles bem antigos – estima-se que o mais velho de todos, o Gourand, terá mais de 800 anos de idade.

 

Azrou 5 (1).jpg

 

Azrou 7.jpg

  

MERZOUGA

 

Merzouga (27).jpg

 

Merzouga (31).jpg

 

Esta pequena aldeia berbere está situada mesmo junto ao Erg Chebbi, um dos dois ergs do Saara marroquino, e como tal é inteiramente devotada ao turismo. Apesar disso mantém um ambiente tranquilo e modorrento, próprio das regiões desérticas quentes. A pé ou de camelo é muito fácil chegar à zona dunar, e não é preciso andar muito para nos vermos completamente rodeados de areia. Menos fácil é no entanto tentar atingir o topo das dunas mais altas, que chegam aos 150 metros – a subida é muito mais íngreme do que parece, e os pés enterram-se na areia fina, o que não ajuda nada a progressão. Um verdadeiro desafio! Por aqui é também possível pernoitar em tendas berberes, devidamente adaptadas com maior ou menor conforto (consoante o preço) aos tempos modernos.

 

Merzouga (6).jpg

 

Merzouga (7).jpg

 

Merzouga (12).jpg

 

Merzouga (25).jpg

 

A não perder: passear nas dunas, obviamente, de preferência ao pôr-do-sol; os passeios de camelo são muito populares entre os turistas (e são uma experiência interessante, pela singularidade da posição e do movimento ondulante do animal), mas infelizmente nem sempre os animais são bem tratados, sobretudo quando se mostram mais teimosos; já passear a pé é uma actividade perfeitamente compatível com as boas práticas de viagem, e muito saudável – desde que, obviamente, não se escolha a hora de maior calor, e se leve muita água.

 

Merzouga (30).jpg

 

Merzouga (32).jpg

 

Merzouga (34).jpg

 

Merzouga (36).jpg

 

GARGANTAS do TODGHA

 

Gargantas do Todgha 4.JPG

Gargantas do Todgha 5.JPG

 

Na zona leste das montanhas do Alto Atlas, o rio Todgha abriu o seu caminho no solo pedregoso e escavou desfiladeiros fundos entre paredes rochosas, formando escarpas que atingem por vezes 200 metros de altura. Reduzido a um pequeno ribeiro na época seca, quando chove o Todgha aumenta rapidamente de caudal e percorre o desfiladeiro numa torrente impetuosa e lamacenta, chegando por vezes a cortar a estrada e até mesmo a destruir algumas das pequenas pontes erguidas ao longo do caminho. Nestas alturas a forma mais segura de percorrer o desfiladeiro é num todo-o-terreno, pois certas passagens têm de ser feitas a vau.

 

Gargantas do Todgha 3.JPG

P1710764.JPG

 

P1710787.JPG

 

A não perder: a zona mais grandiosa das gargantas é a parte final (para quem vem de norte), onde o rio corre apertado entre paredes verticais com 160 metros de altura.

 

Gargantas do Todgha 1.JPG

 

Gargantas do Todgha 2.JPG

 

KSAR de AIT-BEN-HADDOU

 

Ait Ben Haddou (1).jpg

 

Ait Ben Haddou (9).jpg

 

Em Marrocos, um ksar é uma cidade fortificada, e o de Ait-Ben-Haddou está também designado pela Unesco como Património Mundial. Fundado no séc. VIII e formado por um conjunto de vários kasbahs (castelos) erguidas junto a um rio, o Ksar de Ait-Ben-Haddou é um fantástico exemplo da arquitectura tradicional do sul de Marrocos, com os seus edifícios feitos de lama. Apesar de hoje já serem muito poucas as famílias que ali vivem (há uma aldeia mais recente do outro lado do rio), a popularidade turística deste ksar tem ajudado à sua manutenção e recuperação, a que também não é alheio o facto de ser desde há pelo menos 50 anos lugar eleito como cenário de vários filmes e séries (sendo a mais recente a famosa Guerra dos Tronos).

 

Ait Ben Haddou (3).jpg

 

Ait Ben Haddou (4).jpg

 

Ait Ben Haddou (12).jpg

 

Ait Ben Haddou (21).jpg

 

A não perder: subir até à muralha erguida no topo da aldeia para ter uma visão de 360° sobre o ksar e o vale circundante.

Ait Ben Haddou (2).jpg

Ait Ben Haddou (26).jpg

  

Ait Ben Haddou (28).jpg

  

KASBAH de TÉLOUET

 

Télouet (8).jpg

 

Télouet (13).jpg

 

Este é mais um dos segredos de Marrocos. Numa aldeia perdida no Atlas, a 1800 metros de altitude e disfarçadas por um exterior (infelizmente) em ruínas, neste kasbah subsistem bem conservadas algumas salas de um dos mais bonitos palácios marroquinos: o Dar Glaoui. Local de passagem das caravanas que ligavam o Saara a Marraquexe e próximo de grandes minas de sal, em finais do séc. XIX Télouet era uma localidade próspera e a capital da tribo berbere dos Glaoua. No sistema feudal ainda em vigor na época, o líder da tribo detinha vantajosos poderes administrativos, conferidos pelo sultão, numa área que chegou a abranger grande parte dos territórios a sul de Marraquexe. O Kasbah de Télouet cresceu consideravelmente quando em 1912 Thami El Glaoui herdou a liderança dos Glaoua e o título de paxá de Marraquexe. O palácio foi aumentado e redecorado com pisos de madeira de cedro pintado e com ornamentos de estuque e azulejos coloridos nas paredes – e consta que o complexo terá chegado a albergar mais de mil pessoas. Tendo sido manifestamente apoiante dos franceses, quando Marrocos resgatou a sua independência El Glaoui caiu em desgraça, e depois da sua morte em 1956 o kasbah foi deixado ao abandono até 2010, altura em que começou a ser lentamente recuperado.

 

Télouet (6).jpg

 

Télouet (10).jpg

 

Télouet (49).jpg

 

Télouet (21).jpg

 

Télouet (29).jpg

 

Télouet (30).jpg

 

Télouet (33).jpg

 

Télouet (38).jpg

 

Télouet (40).jpg

 

Télouet (41).jpg

 

A não perder: compensa pagar a um dos “guias” que se encontram à entrada do caminho de acesso ao kasbah – o valor que cobram é reduzido (aliás em Marrocos quase tudo é barato, pelos nossos padrões) e ficamos a conhecer com maior detalhe a história do kasbah e da região. 

 

Télouet (48).jpgTélouet (47).jpg

 

MARRAQUEXE

 

Marraquexe (38).jpg

 

Marraquexe (122).jpg

 

É provavelmente a cidade marroquina que mais turistas atrai, e aquela em que se pensa imediatamente quando se fala de Marrocos. Também cidade imperial e antiga capital do país, é conhecida como “cidade vermelha”, pela cor das suas muralhas e de muitos edifícios. Eu substituiria “vermelho” por “rosa” – aquele rosa escuro e profundo em que se transforma o vermelho depois de muito queimado pelo sol. Cheia de contrastes, aqui coabitam o velho e o novo, a tradição e a modernidade, o básico e o luxuoso. Com quase 1 milhão de habitantes, a cidade acorda cedo e adormece tarde. As grandes avenidas da parte nova têm um trânsito intenso, e a extensa e labiríntica medina é quase caótica, com motoretas, bicicletas e carroças apressadas a passarem “tangentes” aos peões e um cheiro permanente a combustível no ar. Na segunda metade do século passado Marraquexe “caiu no goto” de algum jet set artístico e a cidade tem vindo consistentemente a popularizar-se como destino turístico de eleição (na minha opinião muito pessoal, talvez até demasiado para o que merece, pelo menos por comparação com outras cidades de Marrocos).

 

Marraquexe (113).jpg

 

Marraquexe (115).jpg

 

Marraquexe (119).jpg

 

Marraquexe (18).jpg

 

Marraquexe (22).jpg

 

A não perder: os Jardins Majorelle e o Museu Berbere, na propriedade que pertenceu a Yves Saint-Laurent, e ao lado o recém-aberto museu dedicado a este famoso costureiro; dentro da medina, a Madraça de Ben Youssef, antiga e reputada escola corânica; e, como é óbvio, a incontornável Praça Djemaa el-Fna, com o seu ambiente tão peculiar – mas só depois de entardecer, que durante o dia é apenas mais um lugar de passagem sem grande interesse particular.

  

Marraquexe (61).jpg

 

Marraquexe (67).jpg

 

Marraquexe (71).jpg

 

Marraquexe (77).jpgMarraquexe (42).jpg

 

Marraquexe (36).jpg

 

 (publicado na rubrica Viagens da revista Inominável nº 11)