Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Croácia - diário de viagem - VIII - Šibenik ou a cidade resistente

Šibenik é mais uma cidade croata cheia de passado. Apesar de ter muito para ver, a zona histórica está bastante concentrada e por isso é perfeita para uma tarde de passeio.

Croácia diário de viagem VIII.jpg

 

Depois de mais uma manhã a apanhar sol e descansar – ou seja, basicamente sem fazermos nada de nada – sacudimos a preguiça e decidimos ir visitar Šibenik, que já estava nos nossos planos. Situada a pouco mais de 40 quilómetros a norte de Seget Donji, a estrada mais bonita para percorrer até Šibenik é a que segue o contorno da costa. Cheia de curvas e contracurvas, o tempo a mais que se demora a chegar ao nosso destino é largamente recompensado pela espantosa paisagem que vamos vendo pela janela do carro, com o verde da vegetação a fundir-se nos azuis do mar.

Trogir-Sibenik.jpg

No caminho, particularmente interessante é a cidadezinha de Primošten, o núcleo antigo concentrando-se numa minúscula península arredondada ligada ao continente por uma estreita nesga de terra, a igreja destacando-se um pouco mais elevada no centro do casario de telhados cor de tijolo. Dá para perceber tudo isto de longe, quando vamos na estrada – porque lamentavelmente acabámos por não a visitar. Na ânsia de chegarmos a Šibenik, não quisemos estar a parar e decidimos guardar Primošten para o regresso; só que acabámos por voltar já um pouco tarde e por isso optámos por tomar a estrada mais curta, que vai pelo interior e não passa ao pé de Primošten. Uma pena! Mas, como eu costumo dizer, é bom deixar alguma coisa por ver, para assim haver sempre um motivo para voltar.

P1380759 cópia assin.jpg

 

Šibenik está situada na recortada baía onde o rio Krka desagua no Adriático, um porto naturalmente protegido e pitoresco. Ligado ao mar pelo Estreito de Santo António, foi este mesmo porto que permitiu o desenvolvimento dos negócios marítimos, do comércio e da prosperidade económica da cidade durante séculos. A história da cidade começa no séc. VII quando foi estabelecida por croatas, ao contrário da maioria das cidades da costa adriática, que foram criadas por outros povos. No séc. XI, O rei croata Petar Krešimir IV chegou a ter aqui a sua corte durante algum tempo.

P1380756 assin.jpg

 

P1380859 assin.jpg

 

Historicamente rica também em termos arquitectónicos, os vestígios dos muitos séculos de vida de Šibenik são imensos e atestam o carácter resistente desta cidade ao longo do tempo, confirmado mais uma vez na recente guerra da independência da Croácia (1991-1995), quando foi fortemente atacada por tropas dos exércitos jugoslavo e sérvio. A batalha que ficou conhecida como a “batalha de Setembro” durou seis dias e os bombardeamentos danificaram muitos edifícios e monumentos – incluindo a cúpula do ex libris da cidade, a Catedral de São Tiago. Apesar de já recuperada desse período difícil, a cidade faz questão de preservar a sua memória. Neste painel afixado no largo em frente à Catedral lê-se: locais do centro histórico protegido de Šibenik danificados pelos ataques sérvios durante a guerra nacional.

P1380840 assin.jpg

 

Nos sécs. XV e XVI, Šibenik foi um dos mais importantes expoentes do movimento renascentista na Croácia, e a jóia da cidade é o melhor exemplo arquitectónico dessa corrente: a Catedral de S. Tiago. Demorou mais de cem anos a ser construída, e também ela é um testemunho da persistência, do sacrifício e das crenças de gerações de habitantes de Šibenik. Monumento de carácter original, não só pela mistura dos estilos renascentista e gótico mas sobretudo pela técnica de construção que foi utilizada, semelhante à dos edifícios de madeira: grandes blocos de pedra, pilastras e reforços unidos sem o uso de cimento ou qualquer outro material de ligação. Único também por ter uma fachada dividida em três partes e abóbadas com o formato de meio barril. Por não possuir torre sineira. E pelo seu friso de 72 cabeças humanas esculpidas de forma realista, cada uma delas com um rosto diferente. Faz parte da lista do Património Mundial da Unesco desde o ano 2000.

P1380863 assin.jpgP1380822 assin.jpg

P1380838 assin.jpg

P1380799 assin.jpgP1380796 assin.jpg

 

P1380801 assin.jpg

P1380808 assin.jpg

 

P1380816 assin.jpg

 

P1380793 assin.jpg

Dos vários mestres que dirigiram a construção da Catedral, aquele que mais marca deixou na obra foi Giorgio da Sebenico, ou Juraj Dalmatinac na língua croata. Está representado na estátua que se encontra em frente à Catedral, esculpida por Ivan Meštrović.

P1380836 assin.jpg-assin.jpg

No largo que se abre ao lado da Catedral, a Câmara Municipal de Šibenik é mais um magnífico exemplo da arquitectura renascentista, com as suas harmoniosas colunas, arcos e balaustrada – apesar de estarem meio escondidos pelos chapéus-de-sol de uma ampla esplanada. Emboa muito danificado por um raide aéreo durante a Segunda Guerra Mundial, o edifício foi depois totalmente reconstruído de acordo com as plantas originais.

P1380819 cópia assin.jpg

P1380798 cópia assin.jpg

A pequena igreja gótica de Stª Bárbara, situada mesmo por trás da Catedral, é mais um edifício interessante. A sua construção teve início por volta do ano de 1400. Tem uma original fachada com aberturas irregulares, e no seu interior abriga uma notável colecção de esculturas e quadros dos sécs. XIV a XVII.

P1380845 assin.jpg

 

P1380847 assin.jpg

 

P1380850 assin.jpg

Outra igreja notável é a igreja de S. João, construída no séc. XV no estilo gótico-renascentista. Um dos seus aspectos mais peculiares é a escada erigida na fachada sul, que dá acesso ao coro e está decorada com baixos-relevos. Na torre do relógio, a cúpula foi removida na sequência de um forte terramoto que ocorreu em 1862.

P1380921 asin.jpg

 

P1380924 assin.jpg

 

P1380922 assin.jpg

Grande parte da zona histórica de Šibenik desenvolve-se na encosta que sobe até ao Forte de S. Miguel. Ruas estreitas com escadinhas que passam por baixo de arcadas, um labirinto de pedra que nos envolve completamente e nos protege do calor e do vento que se fazia sentir na zona ribeirinha. O céu é apenas uma fitinha azul que se entrevê aqui e ali. Há pátios floridos por trás de portões de ferro forjado, e mesinhas de esplanada em cada canto. A cidade gosta de receber bem os seus visitantes.

P1380788 assin.jpg

 

P1380927 cópia assin.jpg

 

P1380886 cópia assin.jpg

 

P1380880 assin.jpg

 

P1380878 assin.jpg

 

Sempre a subir, chegamos ao Jardim Mediterrâneo Medieval do Mosteiro de S. Lourenço. Restaurado há poucos anos depois de um século de esquecimento, é um tipo de jardim particularmente raro na Europa. Os caminhos seguem um padrão em cruz com um ponto de água no centro, e existem quatro secções onde crescem plantas e ervas medicinais. Em volta estão plantadas roseiras aromáticas e algumas árvores de fruto. Uma acolhedora esplanada, coberta com um amplo toldo, seduz quem passa a tomar uma bebida fresca na tranquilidade do jardim.

P1380896 assin.jpg

P1380901 assin.jpg

P1380909 cópia assin.jpg

 

P1380898 cópia assin.jpg

 

P1380911 assin.jpg

 

Algures numa ruela, uma corda esculpida em pedra rodeia uma porta vulgar. No cimo, uma frase em latim: recte faciendo neminem timeas. Nada temas se fizeres o bem. Parece-me ser um belo lema de vida.

P1380873 assin.jpg

← Dia 6 da viagem: Seget Donji ou é bom fazer planos mas às vezes é ainda melhor alterá-los 

Dia 8 da  viagem: Brač e Zlatni Rat ou na praia mais fotografada do país →