Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

O culpado

 

Parto do princípio que vocês que me lêem gostam muito de viajar e não devo andar longe da verdade. E agora eu pergunto: porquê? Porque é que gostam (gostamos) de viajar? Nem toda a gente é como nós. Conheço várias pessoas (até na minha família próxima) que preferem não sair da sua zona de conforto, contentam-se em ver o mundo em fotografias ou na televisão e não têm curiosidade em ir pessoalmente àqueles lugares, por mais maravilhosos que pareçam. Não se trata de terem medo de andar de carro, ou barco ou avião; também não é por não saberem o que é viajar, porque já o fizeram numa ou noutra ocasião, e até nem desgostaram de todo; é simplesmente por falta de vontade, de interesse.

 

Então porque é que umas pessoas têm o bichinho das viagens e outras não? Será uma questão genética? Terá a ver com a educação? Porque a primeira vez que viajaram foi tão boa que procuram repetir a experiência uma e outra vez? Para colmatar uma carência, uma necessidade?

 

Bom, lamento dizer-vos que não sei qual é a resposta. Se calhar nem existe uma resposta, provavelmente cada um terá a sua… Mas no meu caso sei, conheço perfeitamente uma das razões pelas quais tenho desde muito nova uma grande paixão por viajar.

 

Senhoras e senhores, meninos e meninas, apresento-vos o culpado do meu desassossego:

 P1770095.JPG

 

Sim, é um livro. Chama-se precisamente “O Grande Livro de Viagens” e foi editado pelas Selecções do Reader’s Digest em 1970.

P1770099.JPGP1770109.JPG

 

Entrou em minha casa pelas mãos do meu pai, a pessoa de quem terei certamente herdado um gene de viajante, se houver alguma influência hereditária no caso (da minha mãe não foi, que ela é a tal que pertence ao género de viajar no sofá). Eu era miúda, e este livro foi para mim uma revelação.

 

Antes que comecem a achar que sou um bicho estranho, estou a falar de uma época em que só tínhamos televisão (a preto e branco, claro) durante algumas horas por dia e tudo o que líamos – jornais, revistas, livros – ou víamos em casa ou no cinema era cuidadosamente filtrado e censurado. E obviamente que coisas como vídeos, computadores ou internet não existiam nem nos nossos sonhos. A quantidade de informação que nos chegava era muito reduzida e vinha a conta-gotas,às vezes com grande atraso. Outros tempos.

 

Não é por isso de admirar (acho eu) que abrir este livro tenha sido para mim um bocado como abrir a caixa de Pandora – mas sem a parte dos males, só a do mundo. Fiquei fascinada pelas fotografias que me mostravam lugares que eu nem sequer imaginava, e à medida que fui lendo os textos mais fascinada ainda fiquei. São cinquenta textos, cada um sobre o seu local ou país, todos escritos por autores diferentes. Textos que vão muito para lá do básico e são verdadeiras histórias de viagens, daquelas que dá gosto ler. É claro que no meu imaginário não sedimentaram todos eles de igual modo – ler sobre o mercado de queijo na Holanda (eu, que detesto queijo…), sobre um casamento marroquino ou sobre os lutadores de Sumo, só para citar alguns exemplos, não despertou em mim qualquer interesse especial. Mas a verdade é que muitos (grande parte) dos lugares que ainda estão na minha lista de desejos, aqueles que eu me lembro de querer visitar desde sempre, se encontram neste livro – e estão nessa lista sobretudo por causa dele.

P1770108.JPG

 

P1770106.JPG

 

P1770105.JPG

 

Quando há tempos quis “revisitá-lo”, descobri que na casa dos meus pais terá ido parar a parte incerta, escondido provavelmente atrás ou debaixo de alguns dos muitos livros que eles têm. Por sorte, consegui descobri-lo (e barato!) num alfarrabista, e agora sou a feliz proprietária de um exemplar. Está meio desbotado, tem as folhas amarelecidas e cheira a mofo, mas ainda está em bastante bom estado. Pode parecer um disparate, mas fiquei felicíssima no dia em que o recebi. “Trauma” de infância, certamente…

P1770088.JPG

 

Também é claro que é um livro bastante datado. Muito do que ali está escrito hoje já é diferente, e nos nossos dias qualquer smartphone baratucho tira fotografias melhores do que as que ele tem. Mas esse acaba por ser outro dos seus motivos de interesse, ver como alguns lugares mudaram tanto em cinquenta anos, e outros mudaram tão pouco. Um dos exemplos de maior mudança é precisamente o nosso país. O texto que fala de Portugal, escrito por André Visson e que tem o (óbvio!) título de “Jardim da Europa à beira-mar plantado”, mostra-nos um país de pescadores, varinas e apanhadores de uvas descalços, onde “ninguém terá dúvida de que (…) reina o homem. Nas estradas da província, por exemplo, vêem-se mulheres com toda a espécie de volumes à cabeça (…) enquanto os homens seguem montados em burros, ou as acompanham a pé, com as mãos nos bolsos”. Um país de que já estamos um bocado longe – embora muito do que aqui se diz sobre Portugal e os portugueses continue a ser verdade.

P1770100.JPG

P1770104.JPG

 

P1770103.JPG

 

Passados estes anos todos, ainda só estive em meia dúzia dos locais de que este livro fala. Ainda continuam por cumprir muitos dos meus desejos de viagem, embora já tenha cumprido vários outros que surgiram entretanto e foram mais fáceis de realizar. A alguns deles planeio ir mais ou menos a curto ou médio prazo, outros continuarão mais tempo na lista, e outros ainda surgirão entretanto. Ao contrário dos livros, e sobretudo os de viagens, que são estáticos e congelam os lugares no tempo, nós, as pessoas, estamos sempre a procurar, a descobrir, a aprender, a conhecer novos lugares – e este é, afinal, um dos maiores prazeres da vida.

 

 

Lugares em preto e branco - 9

 

Portugal

 

A CALÇADA PORTUGUESA

 

Adorada por uns e injuriada por outros, a calçada portuguesa não deixa ninguém indiferente. Herança histórica da cultura e da tecnologia de construção dos romanos, fomos nós, os portugueses, que lhe demos vida e características especiais, e a espalhámos pelo mundo, sendo reconhecida e apreciada internacionalmente como uma manifestação bem-sucedida da nossa cultura. Onde quer que encontremos pavimentos calcetados com paralelepípedos de pedra branca e negra formando desenhos, podemos ter a certeza de que a inspiração e a ideia partiram daqui, do nosso rectângulo à beira-mar plantado.

calçada portuguesa 10.jpg

 

Tal como toda a expressão artística que se preze, na arte calceteira existem vários tipos de aplicações de pedra. Entre eles, há que notar a distinção entre “calçada à portuguesa” e “calçada portuguesa”. Nesta última, a mais utilizada desde meados do séc. XX, as pedras são cortadas em cubos e colocadas de forma regular e diagonalmente em relação à borda dos passeios, enquanto na calçada à portuguesa as pedras tem forma, tamanho e modo de aplicação irregulares.

calçada portuguesa 1.jpg

 

calçada portuguesa 2.jpg

 

calçada portuguesa 3.jpg

 

Embora a técnica fosse largamente utilizada no nosso país desde o séc. XIV, só perto de meados do séc. XIX é que a calçada portuguesa, tal como hoje a conhecemos, surgiu e se popularizou. E onde? Em Lisboa, pois claro, mais especificamente no Castelo de S.Jorge e seus arredores, por ordens do governador da fortaleza e pelas mãos dos presidiários ali encarcerados, que revestiram os pavimentos circundantes com pedras brancas e pretas intercaladas, formando ziguezagues. O sucesso da obra foi tal que em breve os espaços de passeio de Lisboa passaram a ser todos calcetados deste modo.

calçada portuguesa 4.jpg

 

calçada portuguesa 7.jpg

 

calçada portuguesa 8.jpg

 

Apesar de associarmos quase sempre a cor preta da pedra ao basalto, a verdade é que na calçada portuguesa são habitualmente utilizados o calcário branco e o negro. O basalto apenas é usado nas ilhas, onde existe em abundância e se torna mais económico, pois é um material muito mais duro e difícil de trabalhar.

calçada portuguesa 5.jpg

 

calçada portuguesa 6.jpg

 

calçada portuguesa 9.jpg

 

De Portugal para o mundo, hoje a calçada portuguesa marca presença em muitas cidades: Rio de Janeiro, S.Salvador da Baía, Luanda, Maputo, Macau, e – pasme-se! – até mesmo em Nova Iorque e Pequim. Mas é ainda e sempre em Lisboa que ela conhece o seu maior esplendor e variedade de padrões e onde tem, por reflectir intensamente a luz que recebe, uma grande quota-parte na responsabilidade da aura da cidade branca.

 

calçada portuguesa 11.jpg

 

 

 

Lugares em preto e branco - 8

  

Andaluzia, Espanha

OS PUEBLOS BLANCOS

 

Os pueblos blancos da Andaluzia dispersam-se pelas serras de Cádiz e Grazalema e têm em comum o seu isolamento e o branco ofuscante das fachadas das suas casas. Encarrapitado na encosta, cada pueblo é uma mancha branca que se vai aproximando à medida que balançamos nas curvas e contracurvas da estrada, e cada um tem características próprias que o tornam distinto dos outros. Numa região onde a paisagem inóspita e por vezes agreste é de uma imensa beleza e merecedora de uma visita só por si, a riqueza arquitectónica e cultural dos pueblos blancos é um motivo adicional para partir à descoberta destas pequenas preciosidades tão pouco publicitadas no nosso país. A lista é longa, mas estes são alguns dos mais interessantes:

 

ARCOS DE LA FRONTERA

 

É um dos pueblos blancos mais dramaticamente localizados, empoleirado no topo de uma escarpa calcária, e o seu labiríntico centro histórico está fantasticamente conservado.

Pueblos blancos 1.jpg

 

ESPERA

 

Aldeia tranquila em que o destaque vai para o castelo, de onde é possível apreciar uma magnífica vista de 360 graus sobre a imensidão da planura andaluza.

 

P1520153 pb.jpg

 

BORNOS

 

Junto à barragem (embalse, em bom castelhano) com o mesmo nome, Bornos é um pueblo cheio de vida e de lugares interessantes. Absolutamente imperdível: o Castelo-Palácio dos Ribera e o seu encantador jardim renascentista.

 P1520187 PB.jpg

 

GRAZALEMA

 

Aninhado na base de um maciço rochoso, o que lhe dá um delicioso ar de aldeia de montanha, é o único pueblo gaditano onde neva no Inverno.

 

P1530235 cópia PB.jpg

 

ZAHARA DE LA SIERRA

 

Um pueblo cheio de charme, encaixado entre uma barragem de tamanho bem respeitável e um penhasco rochoso onde domina um castelo. A subida até lá é dura, mas o esforço vale a pena.

 

Pueblos blancos 8.jpg

 

OLVERA

 

Uma povoação de tamanho considerável, bonita, bem cuidada e cheia de pontos de interesse, com destaque para a Igreja da Encarnação e o Castelo Árabe.

 

Pueblos blancos 7.jpg

 

SETENIL DE LAS BODEGAS

 

Descendo pela encosta desde a Fortaleza Nazari do séc. XIII, o casario branco adapta-se ao sinuoso percurso do rio e muitas das casas foram construídas de modo a ficarem “encaixadas” na rocha, o que dá à aldeia um carácter excêntrico.

 

Setenil de las Bodegas.png

 

GAUCÍN

 

Mais uma visão branca em cenário de montanha. Muito popular entre os expatriados britânicos, que aí têm uma comunidade em franco crescimento, oferece aos visitantes uma panorâmica desafogada que se estende até ao rochedo de Gibraltar.

 

P1520600 pb.jpg

 

CASARES

 

Uma construção Lego de casinhas brancas que parecem estar encavalitadas umas nas outras. Também dominada pelas ruínas de um castelo árabe, ao lado das quais se ergue uma igreja, Casares tem no entanto um não-sei-quê, uma atmosfera especial que a torna diferente de todas as outras e nos atrai a visitá-la para saborear as suas ruas e escadinhas estreitas e sinuosas.

 

Pueblos blancos 2.jpg

 

Pueblos blancos 3.jpg

 

 (publicado na rubrica Viagens da revista Inominável nº 10)

 

 

Lugares em preto e branco - 7

 

Calheta, Madeira, Portugal

 

A CASA DAS MUDAS

 

Mais do que um Museu e um edifício internacionalmente reconhecido, a Casa das Mudas é um ambiente. Empoleirado sobre uma escarpa que termina abruptamente sobre o Atlântico e implantado mais como linha topográfica do que como obra humana, o seu perfil de arestas vincadas funde-se na paisagem que o envolve. O material escolhido para a sua construção, o basalto, é o que melhor invoca o passado vulcânico da Madeira, e a sua cor negra e a textura densa e opaca amortecem o impacto que o edifício pudesse ter na paisagem, retirando-lhe importância, dissimulando-o apesar da sua robustez.

Casa das Mudas 1.jpg

 

Casa das Mudas 9.jpg

 

Esta impressão de solidez a par de uma certa insubstancialidade mantém-se quando entramos no espaço, e juntam-se numa única sensação: paz. A luz e o som são como que amortecidos pelos volumes da construção, separados por passagens estreitas e quase labirínticas. Ali impera a tranquilidade, e essa sensação amplia-se quando o nosso olhar se espraia sobre o mar imenso, ou quando relaxamos na esplanada.

 

Casa das Mudas 2.jpg

 

Casa das Mudas 6.jpg

 

Casa das Mudas 7.jpg

 

Casa das Mudas 8.jpg

 

Agora denominado Mudas. Museu de Arte Contemporânea da Madeira, o edifício foi concebido pelo arquitecto madeirense Paulo David como ampliação da já existente Casa da Cultura da Calheta, e acabou por ser nomeado para a edição de 2005 do prémio europeu de arquitectura contemporânea Mies van der Rohe. Abriga desde Outubro de 2015 a colecção de arte contemporânea que antes era exposta ao público na Fortaleza de São Tiago, no Funchal. Além do museu, abriga espaços complementares à actividade cultural ali desenvolvida, como o centro de documentação, o auditório ou a biblioteca, e ainda uma cafetaria e uma loja.

Casa das Mudas 3.jpg

 

Casa das Mudas 4.jpg

 

Sóbria e aprazível, a Casa das Mudas é mais um dos exemplos em que a arquitectura e a paisagem se unem para preservar e valorizar a identidade de um local.

 Casa das Mudas 5.jpg

 

 

 (publicado na rubrica Viagens da revista Inominável nº 10)

 

 

 

Lugares em preto e branco - 6

 

Denizli, Turquia

 

PAMUKKALE

 

Uma vasta e abrupta colina de um branco absolutamente ofuscante, com formações que parecem enormes conchas petrificadas, cheias de água leitosa, e estalactites escorrendo em cascata pelo declive – assim é Pamukkale. Este local ímpar é o resultado de uma feliz conjugação de factores: 320 metros abaixo do solo existem 17 nascentes de água quente (entre 35 e 100°C) que sobe até à superfície e vai depositando carbonato de cálcio pela encosta. Deposto pela água na forma de um gel suave, o carbonato de cálcio acaba por finalmente cristalizar e transformar-se em travertino.

Pamukkale  1.jpg

 

Mesmo ao lado de Pamukkale encontram-se as interessantes ruínas da antiga cidade romana de Hierápolis (onde existe uma enorme necrópole com centenas de túmulos). Este conjunto de lugares, que combina maravilhas naturais com outras feitas pela mão humana, está classificado como Património Mundial da UNESCO desde 1988 e é um dos locais mais visitados pelos turistas na Turquia.

Pamukkale  4.jpg

 

Estima-se que esta atraente obra da natureza tenha começado a ser formada há cerca de 14 mil anos. Para travar os estragos provocados pela grande afluência turística, há já muitos anos que as autoridades turcas instituíram regras muito rígidas para quem visita o lugar: só é possível aceder a uma zona muito restrita e há que ir descalço ou com chinelos de borracha. Para compensar a frustração dos visitantes, foram construídas ao lado umas “piscinas” semelhantes às naturais onde as pessoas podem entrar e banhar-se; não têm o mesmo fundo calcário das naturais, mas imitam bem e são alimentadas pelas mesmas águas quentes – razão pela qual muitas pessoas pensam que estão de facto a tomar banho nas formações verdadeiras.

Pamukkale  3.jpg

 

O Parque Natural de Pamukkale fica situado a 20 km da cidade de Denizli e oferece outras atracções, como por exemplo uma piscina com colunas romanas (verdadeiras) no fundo, em tempos pertencentes ao Templo de Apolo, pois no séc. II a.C. o lugar já era usado pelos romanos como centro termal, devido aos benefícios aportados pela riqueza mineral destas águas.

 

Pamukkale significa “castelo de algodão” na língua turca.

 

Pamukkale  2.jpg

 

 

 

 (publicado na rubrica Viagens da revista Inominável nº 10)

 

 

 

Lugares em preto e branco - 5

 

Flores, Açores, Portugal

 

A LAGOA NEGRA

 

A ilha das Flores é uma das ilhas açorianas menos conhecidas e visitadas, em parte devido à grande distância a que se encontra do continente europeu, mas também por ser uma das ilhas mais pequenas e menos divulgadas turisticamente. Os seus pouco mais de 140 km2 são maioritariamente montanhosos e uma das suas características mais interessantes são as enormes falésias que contornam toda a costa, interrompidas aqui e ali por uma fajã. Talvez precisamente por ser uma ilha de acesso menos fácil e não danificada pelo turismo de massas, a sua beleza natural mantém-se praticamente inalterada e impoluta. E beleza natural é algo em que as Flores é extremamente abundante.

 

Toda a ilha pertence desde 2009 à Rede Mundial de Reservas da Biosfera da UNESCO, precisamente pela sua natureza bem conservada, com grande abundância de floresta Laurissilva, pelos aspectos paisagísticos, geológicos, ambientais e culturais, e também pela área marinha adjacente.

 

A origem vulcânica da ilha é evidente, e na caldeira de um dos seus vulcões primordiais está alojado um conjunto de sete lagoas, todas elas belíssimas e diferentes entre si. A cada uma foi atribuído um nome de acordo com as suas características, e apesar de algumas se encontrarem bastante próximas de outras, cada uma tem um ambiente muito específico e único.

Lagoa Negra 1.jpg

 

Lagoa Negra 4.jpg

 

No centro da ilha, a uma altitude de cerca de 630 metros e facilmente acessível de carro, encontra-se a Lagoa Negra. O nome provém da cor das suas águas, escuríssimas devido à grande profundidade desta lagoa: 110 metros. Tem um formato substancialmente redondo, e impressiona pela sua vastidão. Este cone vulcânico bem conservado alberga uma enorme variedade de plantas endémicas, e no Verão as suas margens cobrem-se de azul, a cor dos maciços de hortênsias que inundam toda a ilha. É um lugar de inegável beleza e absolutamente tranquilo, onde ainda é possível estar em pleno contacto com a natureza e relaxar.

Lagoa Negra 2.jpg

 

Lagoa Negra 3.jpg

 

 

  (publicado na rubrica Viagens da revista Inominável nº 10)

 

 

Lugares em preto e branco - 4

 

Capadócia, Turquia

 

O VALE BRANCO

 

A região geográfica que mais frequentemente se considera como sendo a Capadócia fica na zona central do planalto da Anatólia. É delimitada pelas cidades de Nevşehir, Avanos e Mustafapaşa, formando um triângulo imaginário em que cada lado tem cerca de 20 km. Riquíssima tanto em termos paisagísticos como histórico-culturais, entre muitos outros locais de interesse esta área abriga inclusive um local classificado como Património Mundial pela UNESCO, o Parque Nacional de Göreme.

 

Violentas erupções dos vulcões Argeu e Hasan há três milhões de anos cobriram a região circundante de tufo macio, lava e cinza vulcânica, dando origem a uma das mais originais paisagens do planeta. Ao longo dos tempos, a erosão pelo vento e pela água criou espantosas formações rochosas: pirâmides de pedra, rochas com formas que lembram animais, cones que terminam em chapéus de vários formatos e ravinas com paredes retorcidas conjugam-se numa paisagem surreal, mais bela ainda devido às várias tonalidades diferentes de que se reveste. A Capadócia é uma maravilha da natureza.

Vale branco 1.jpg

 

Vale branco 4.jpg

 

Nas zonas sem basalto o tufo macio desagregou-se completamente e formaram-se vales rodeados por escarpas rugosas e encostas pregueadas. Cada um destes vales tem particularidades específicas, seja pela cor, pelo tipo de formação geológica, ou pelos antecedentes históricos. O vale branco (Akvadi, na língua original) é um deles, e deve o seu nome à cor predominante da área em que se desenvolve. A rocha que reveste as encostas é de um branco ofuscante, tal como a poeira que cobre os caminhos. Localizado a norte de Üçhisar, tem poucos quilómetros de comprimento e percorre-se facilmente a pé – que é, aliás, a melhor forma de apreciar a sua beleza e a originalidade das suas formações rochosas.

Vale branco 2.jpg

 

Vale branco 3.jpg

 

 

   (publicado na rubrica Viagens da revista Inominável nº 10)

 

Lugares em preto e branco - 3

 

Parque Nacional de Tortuguero, Costa Rica

 

A PRAIA DE TORTUGUERO

 

Localizada na costa oeste da Costa Rica e integrada no parque natural que tem o mesmo nome, a aldeia de Tortuguero é um povoado simples e completamente integrado na natureza, e à sua volta é possível observar vida selvagem em estado quase puro. Espartilhada numa estreita faixa de terra entre o canal de Tortuguero e a praia, à aldeia chega-se de barco, que são os únicos veículos motorizados por aquelas bandas (além dos pequenos aviões que aterram mais a norte, cheios de turistas que vão ocupar os resorts de luxo dos arredores).

Tortuguero 6.jpg

 

A praia é enorme, com quase 30 Km de areal negro ininterrupto – a cor negra da areia deve-se às origens vulcânicas da região, que em tempos idos foi um arquipélago, até que os sedimentos aluviais das montanhas do interior começaram a acumular-se nos espaços vazios e formaram uma rede de ilhas pantanosas.

Tortuguero 1.jpg

 

Tortuguero 2.jpg

 

A areia que se acumulou sobre o solo criado por estes depósitos é hoje a praia de Tortuguero, um local ideal para longos passeios com o barulho da rebentação em fundo e alguns abutres por companhia, voando lá no alto. Por ali andam também maçaricos-galegos tentando encontrar alimento à beira de água, pesquisando a areia com os seus enormes bicos. Troncos de árvore descascados sobem e descem na areia acompanhando as ondas e o vento típico das zonas tropicais envolve-nos com o cheiro forte do mar.

Tortuguero 3.jpg

 

Tortuguero 4.jpg

 

Não é no entanto uma praia convidativa para algo que não seja passear. A ondulação é intimidante, a corrente fortíssima, e dizem os guias que por ali se passeiam tubarões. Aqui também a praia e parte do mar estão sob a protecção do Parque Nacional de Tortuguero, por este ser um local de desova de tartarugas marinhas. Na época alta da desova há excursões nocturnas pela praia precisamente para tentar ver as tartarugas. Algumas das espécies que aqui desovam estão em vias de extinção, e desde 1955 desenvolve-se aqui um bem-sucedido programa de identificação e protecção destes animais.

Tortuguero 5.jpg

 

 

  (publicado na rubrica Viagens da revista Inominável nº 10)

 

 

Lugares em preto e branco - 2

 

Milos, Grécia

 

SARAKÍNIKO

 

Milos é a ilha que se situa mais a sudoeste no arquipélago das Cíclades. Com uma área de apenas 158 km2, tem 125 km de costa e mais de 75 praias. O ponto mais alto é a montanha do Profeta Elias (751 m) e a sua população habitual é de cerca de 5000 pessoas.

 

É uma ilha vulcânica que emergiu do mar Egeu há mais de dois milhões de anos em consequência da redução da placa tectónica africana por pressão da placa eurasiática, e esta sua origem confere-lhe características naturais de grande beleza e originalidade. Com praias e formações rochosas multicoloridas, oferece uma diversidade de paisagens e locais de interesse que a tornam adequada como destino simultaneamente de praia e de viagem cultural.

 

A praia de Sarakíniko é o postal ilustrado mais bonito da ilha grega de Milos e justamente considerada uma das mais belas (e invulgares) praias do mundo. Rochas completamente brancas, fortemente erodidas pelos ventos e pela água, projectam-se horizontalmente sobre um mar turquesa cristalino. A ausência de vegetação contribui para dar ao local um aspecto lunar. Entre as rochas esconde-se uma pequeníssima praia de areia clara com uma enseada de águas pouco profundas, um local particularmente agradável e tranquilo para descansar, apanhar sol e tomar banho. Subindo ao topo das rochas é possível avistar, para a direita, os vestígios de um navio ali naufragado.

Sarakíniko 1.jpg

 

Sarakíniko 2.jpg

 

Sarakíniko 4.jpg

 

Sarakíniko 5.jpg

 

Outra faceta particularmente encantadora de Sarakíniko é revelada em noites de lua cheia, com o luar a reflectir-se vividamente no branco-de-neve das rochas, criando uma paisagem inesquecível.

Sarakíniko 3.jpg

 

 

 

 (publicado na rubrica Viagens da revista Inominável nº 10)

 

 

Lugares em preto e branco - 1

 

Transilvânia, Roménia

 

A IGREJA NEGRA DE BRAȘOV

 

O mais impressionante monumento e símbolo maior da cidade de Brașov, na região romena da Transilvânia, é a Igreja Negra (em romeno, Biserica Neagră) – que é também a maior igreja gótica da Roménia. A sua construção teve início no séc. XIV promovida pela comunidade católica alemã da cidade, que lhe deu o nome de Igreja de Santa Maria (Marienkirche). Concluída já em finais do séc. XV, depois de extensos danos causados pelas invasões turcas em 1421, o seu estilo enquadra-se no gótico tardio e tem três naves da mesma altura, uma característica típica das igrejas alemãs dessa época. Com o sucesso da Reforma Protestante na Transilvânia, o culto religioso adoptado na igreja passou a ser o Luterano, que permanece até hoje (ainda é realizado todos os domingos um serviço religioso Luterano para a pequena comunidade alemã da cidade).

Igreja Negra 1.jpg

 

O acontecimento mais dramático da história de Brașov ocorreu em 1689, quando um incêndio de enormes proporções destruiu a maioria da cidade. A igreja não escapou ao desastre e as suas paredes e tectos ficaram para sempre escurecidos pela acção do fogo e do fumo – facto ao qual se deve o nome pelo qual passou a ser conhecida: Igreja Negra. A restauração do edifício demorou quase um século e grande parte da sua estrutura interior foi modificada, particularmente ao nível das abóbadas, completadas em estilo barroco.

Igreja Negra 2.jpg

 

Igreja Negra 5.jpg

 

Curiosidades:

 

- É a maior igreja gótica localizada entre Viena e Istambul.

 

- Abriga o Órgão Buchholz, o maior da Roménia e um dos maiores da Europa, com quase 4000 tubos; foi neste órgão que se tocou música de Bach pela primeira vez na Transilvânia.

 

- Contém uma rara colecção de tapetes otomanos, a maior que é possível encontrar fora da Turquia.

 

- No último pilar à esquerda de quem entra são visíveis vários buracos de balas, memória dos tiroteios ocorridos na cidade em 1989, aquando da revolução contra o regime ditatorial de Nicolae Ceaușescu.

Igreja Negra 3.jpg

 

Igreja Negra 4.jpg

 

 (publicado na rubrica Viagens da revista Inominável nº 10) 

 

 

Pág. 1/2