Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

Viajar. Porque sim.

Paixão por viagens, escrita e fotografia

ALARCÓN e os murais de Jesús Mateo


Alarcón é uma pequena vila a pouco mais de cem quilómetros de Cuenca, nessa província de Castilla-La Mancha imortalizada por Cervantes mas cuja paisagem nos surpreende frequentemente, por ser tão mais variada do que a epopeia de D. Quixote nos leva a imaginar. As suas origens perdem-se no tempo: foi fortaleza muçulmana, depois vila comunal livre e mais tarde pano de fundo de guerras senhoriais. As épocas áureas alternaram com períodos de esvaziamento progressivo, tendo o seu poderio terminado definitivamente no séc XIX. Restou-lhe no entanto um bem conservado património monumental, declarado Conjunto Histórico-artístico em 1981.

Alarcón (7).JPG

Empoleirada numa elevação contornada pelo rio Júcar, esse rio calmo que nos oferece uma multiplicidade de cores tão diferentes quantas as localidades por onde vai passando, a vila mostra-se sossegada neste início de Outono soalheiro. O que se vê primeiro é o Castelo, hoje transformado em Parador de Turismo, que foi em tempos palco de episódios históricos importantes. Mais à direita, numa elevação gémea, a Torre de los Alarconcillos, estranhamente só e sobranceira ao rio. 

 

Alarcón-Torre de los Alarconcillos (29).JPG

Mas o que nos levou a Alarcón foi uma dessas circunstâncias fortuitas que por vezes ocorrem durante uma viagem com alguns destinos certos e outros por escolher. Neste caso concreto, um folheto encontrado no balcão da casa rural onde nos alojámos nos arredores de Cuenca. 

Este folheto dava a conhecer um projecto vanguardista executado na antiga Igreja de San Juan Bautista, em Alarcón, por um jovem pintor de nome Jesús Mateo. Os comentários feitos por algumas personalidades conhecidas e inseridos nesse folheto, com especial destaque para José Saramago, levaram-nos a querer ir ver “in loco” esses murais únicos e arrojados apadrinhados pela UNESCO, que os classificou como obra de interesse artístico mundial.

Alarcón-antiga Igreja de San Juan Bautista (9).JP

Alarcón-antiga Igreja de San Juan Bautista (17).JAlarcón-antiga Igreja de San Juan Bautista (15).J

Alarcón-antiga Igreja de San Juan Bautista (13).J

A viagem vale a pena. Nesta bela igreja que data dos finais do séc. XVI, agora totalmente restaurada e cujo interior se encontra vazio, excepção feita a dois grandes bancos corridos em madeira para utilização dos visitantes, descobrimos um mundo onírico que evoca, pelas formas e pelas cores, a pintura primitiva, ao mesmo tempo “naif” e surreal. É uma obra esmagadora pela dimensão, surpreendente pelo contraste entre o vanguardismo da temática dos murais e o cariz religioso da arquitectura do edifício, simultaneamente envolvente e remetendo para espaços sem fim. A luz quase irreal que penetra pelas escassas e estreitas janelas da igreja é o contraponto exacto para as tonalidades sombrias da pintura, o preto como fundo para uma paleta de cores terra que nos transmite uma sensação de regresso às origens, como se estivéssemos a assistir ao princípio do mundo. É um lugar com alma própria, que se pode amar ou – quem sabe? – detestar, mas ao qual de certeza ninguém fica indiferente.

E este é um dos maiores encantos de viajar: encontrar lugares que nos surpreendem e enriquecem.